Vila Galé fechou 2019 com mais três milhões de euros de receitas em Portugal

20-01-2020 (19h51)

As receitas do grupo Vila Galé em Portugal, onde tem 25 hotéis, ascenderam a 115 milhões de euros em 2019, um aumento de cerca de 2,7% ou três milhões face ao ano anterior, disse o administrador do grupo, Gonçalo Rebelo de Almeida.

O ligeiro aumento nas receitas totais do grupo em Portugal está relacionado “sobretudo com a receita adicional dos hotéis novos, que em 2018 não tinham feito o ano completo e em 2019 já fizeram”, afirmou o administrador na apresentação de resultados, esta segunda-feira em Lisboa.

No início do ano passado “o ritmo de reservas estava um bocadinho aquém do que se tinha verificado em 2018, mas depois veio a ser compensado a partir de Julho e houve uma recuperação”, com a qual “acabámos por ficar praticamente em linha com 2018”, disse Gonçalo Rebelo de Almeida.

Os hotéis de Sintra e de Braga, que tiveram em 2019 o seu primeiro ano completo de operação, “afirmaram-se” e “já estão mais ou menos em linha com as nossas expectativas”, enquanto as unidades do Algarve, que “começaram mal o ano” fecharam os 12 meses “ligeiramente abaixo, mas não tem grande expressão”.

Os hotéis da Vila Galé em Portugal somaram 1,9 milhões de dormidas em 2019, um número na mesma ordem de 2018, segundo o administrador. A estada média, por sua vez, caiu 5% para 2,9 noites.

Para este ano, Gonçalo Rebelo de Almeida prevê alcançar resultados "mais ou menos em linha com os anos anteriores".

“Dos indicadores que temos, diria que vai ser um ano muito em linha com o que aconteceu [em 2019]”, embora com algumas incógnitas: “ninguém sabe concretizar o que vai acontecer com o Brexit”; “fenómenos da repetição de falências de operadores turísticos e agentes de viagens” são difíceis de prevêr; “vai haver uma tendência de crescimento de alguns dos destinos concorrentes de Portugal”, como a Turquia, Marrocos e Egipto; e um “ligeiro abrandamento económico da Europa, da Alemanha e de França”.

Ver também:

Vila Galé chega aos Açores em 2021

China supera Bélgica entre os principais mercados para o grupo Vila Galé

Mudança nos mercados de origem pode explicar quebra da estada média nos hotéis Vila Galé

Receitas da Vila Galé no Brasil sobem 18% em 2019

 

Clique para ver mais: Vila Galé

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Companhia aérea brasileira Azul regista prejuízo de 450 milhões de euros no segundo trimestre

14-08-2020 (18h45)

A companhia aérea brasileira Azul registou um prejuízo de 2,9 mil milhões de reais (450 milhões de euros) no segundo trimestre de 2020, segundo balanço financeiro divulgado pela empresa.

EuroAtlantic vai ter novo horário na ligação para Bissau

14-08-2020 (18h12)

A euroAtlantic vai começar voar para a Guiné-Bissau num novo horário, com chegada diurna à capital guineense, a partir de 4 de Setembro, informou a companhia aérea.

Brasileira Azul lança empresa de aviação regional

12-08-2020 (20h37)

A companhia aérea brasileira Azul lançou na terça-feira uma nova subsidiária para o mercado de voos regionais, denominada Azul Conecta, que pretende chegar a 200 cidades nos próximos anos.

Portugal mantém-se no final de Julho a 8ª maior origem/destino de passageiros dos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (17h03)

Os aeroportos espanhóis contabilizaram 1,077 milhões de passageiros em voos de/para Portugal nos primeiros sete meses deste ano, o que mantém o país como 8ª maior origem/destino de passageiros, ainda que a pandemia tenha causado uma quebra em 66% ou 2,087 milhões.

Pandemia já tirou mais de 105 milhões de passageiros aos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (15h35)

Os aeroportos espanhóis tiveram em Julho quase sete milhões de passageiros, mas ainda assim ficaram 76,3% ou 22,4 milhões abaixo do mês homólogo de 2019, elevando a quebra desde o início do ano para 106,8 milhões (-67,9%), de acordo com os dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis recolhidos pelo PressTUR.

Opinião e Análise