Yotel Porto combina coworking e refeições em "Komyuniti"

23-07-2021 (18h02)

Tudo no restaurante do Yotel Porto apela ao conceito de comunidade, desde o nome, Komyuniti, à sua oferta de espaço e tecnologia para coworking, passando pela própria ementa, composta por "um conjunto de pequenas receitas do mundo", conforme contou ao PressTUR o chef Gustavo Silva.

O restaurante apresenta-se como um espaço de convívio e coworking e serve refeições durante todo o dia, das 7h30 às 23h.

O director do Yotel Porto, Nuno Godinho, apresenta o Komyuniti como "o espaço do hotel onde tudo acontece, é o nosso lobby, o nosso espaço de refeições", que além de zona de bar, conta com áreas interior e exterior.

É uma opção "para quem está a trabalhar a partir de casa, agarrar no seu computador e vir para aqui trabalhar", sugere o director do hotel. Além da possibilidade de fazer uma refeição a qualquer momento, o espaço dispõe de várias tomadas para telemóvel e computador, e conta com uma boa rede de internet, com forte ligação.

"Não aspiramos a ser um restaurante tradicional, aliás temos bem referenciado no Porto para indicar aos nossos clientes onde é que se come uma boa francesinha ou peixe fresco", assegurou Nuno Godinho, sem deixar de mencionar que "temos tido uma boa aceitação por parte da comunidade local, principalmente aos almoços, que têm o menu executivo por 9 euros todos os dias".

O horário de funcionamento do restaurante é entre as 7h30 e as 23h para hóspedes e passantes, sendo que até cerca das 10h30 é servido o pequeno-almoço.

Para o chef Gustavo Silva, natural de Aveiro e com experiência nos restaurantes Zest e Piri Piri do resort algarvio Pine Cliffs, o Komyuniti é um espaço que funciona como zona de estar, bar e coworking, onde são servidos "pratos de partilha e que dêm para ter uma refeição ligeira a qualquer hora do dia".

"Em termos de estilo", o restaurante do Yotel é diferente do Pine Cliffs, mas é na qualidade que se aproximam, até "para dar continuidade a esta filosofia de grupo", enfatizou Gustavo Silva. O Pine Cliffs pertence ao Al-Bahar Investment Group, do qual é membro a United Investments Portugal (UIP), que detém uma participação na cadeia hoteleira Yotel.

"Acabámos por reunir um conjunto de pequenas receitas do mundo" referiu o chef, garantindo que "temos de as fazer muito bem". "Se temos guacamole, tem de ser um bom guacamole, temos húmus, temos um bom húmus, são coisas muito básicas, são" reconheceu, "mas se forem [feitas] em condições podem fazer uma grande diferença", como é o caso do arroz de sushi nas poke bowls.

Uma das opções de destaque da carta é o "Bao de mindinho" (ou Mendinho) na qual "o pão do bao é asiático, mas temos um recheio que é com mindinho, que é uma zona da vaca, da aba, que é muito boa, e muito típica do Porto".

Para esta criação "aproveitamos aqui as sinergias culturais", explicou o chef, destacando a sua ascendência com presença na Venezuela, e uma jovem cozinheira colombiana da sua equipa. Nestes países da América Latina, esta forma de cozinhar a carne a baixa temperatura para a desfiar é muito comum na preparação de arepas e empanadas.

E foi desta forma que "chegámos a este sabor", no qual "o pão é asiático, o recheio é latino-americano, mas [feito] com uma coisa que é muito típica do Porto", explicou o chef.

Por sua vez, a interpretação do chef da sandes de leitão torna-a num petisco para partilhar com um twist, uma espécie de chucrute sem fermentação, que acresce ao leitão desfiado (pele incluída) e ao molho de pimenta.

Na carta destacam-se ainda outras opções como o hamburguer de frango, que é feito no local com recurso a carnes "mais nobres", o que lhe dá uma consistência mais tenra por dentro, que contrasta com o gratinado estaladiço que o envolve e lhe dá o nome "crunchy burger".

Os tacos e os cachorros são opções clássicas numa carta de petiscos, sendo que no Komyuniti recebem interpretações originais, respectivamente os sushi taquitos e os cachorros de camarão.

Além das bowls de salmão e de falafel, o Komyuniti serve saladas, tostas e sopa, e conta com diferentes opções de sobremesa, das quais se destaca o "red crush", uma fatia de bolo "red velvet" com pedaços de brownie de chocolate e gomas, morangos e chantily, e um cone de gelado.

No bar é possível experimentar a carta de vinhos e de bebidas, ou um dos cocktails, sendo que entre as 18h e as 20h, o "season cocktail" tem o preço de 6 euros.

O PressTUR ficou alojado no Yotel Porto a convite.



Clique para ver mais: Hotelaria

Clique para ver mais: Gastronomia

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

AHRESP pede reforço do Adaptar Turismo que esgotou em dois dias

26-10-2021 (15h56)

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) pediu hoje o reforço urgente do programa Adaptar Turismo, cuja dotação esgotou em dois dias, marcados por dificuldades no acesso à plataforma para submissão de candidaturas.

Aeroportos enfrentam novas perdas e dívidas elevadas

26-10-2021 (15h32)

Os aeroportos europeus viram a sua dívida aumentar 200% em relação aos níveis anteriores à pandemia e muitos vão registar de novo perdas importantes este ano, advertiu hoje a associação do sector.

Presidente do Grupo Minor, Dillip Rajakarier, espera um "grande salto" na procura turística

26-10-2021 (15h26)

Portugal está a “abrir caminho” na recuperação turística e deverá registar um “grande salto” na procura devido ao alívio das restrições e à ampla cobertura vacinal contra a covid-19, disse hoje o presidente executivo do grupo tailandês Minor.

Rendas das casas em Lisboa mantém-se 18% abaixo do período pré-covid-19

26-10-2021 (15h08)

As rendas das casas em Lisboa terminaram o terceiro trimestre deste ano 17,9% abaixo dos níveis pré-covid, de acordo com os resultados do Índice de Rendas Residenciais da Confidencial Imobiliário hoje divulgados.

Invest in Tourism: “a montra das oportunidades de investimento no turismo em Portugal”

26-10-2021 (14h29)

O Turismo de Portugal lançou uma nova plataforma, a Invest in Tourism, que pretende ser “a montra das oportunidades de investimento no turismo em Portugal”, segundo a secretária de Estado de Turismo, Rita Marques.

Opinião e Análise