AHETA alerta clientes do Algarve sobre riscos de burlas com alojamentos paralelos

11-06-2012 (12h44)

E exige mais fiscalização às autoridades

A maior associação da hotelaria do Algarve, a AHETA, emitiu hoje um alerta aos turistas sobre riscos de burlas com alojamentos paralelos que apresentam preços tentadores, mas “que não existem ou, quando existem, não têm condições", como explicou ao PressTUR o seu presidente, Elidérico Viegas.

“É natural que perante a actual situação económica, as pessoas se sintam atraídas por preços muito tentadores e que depois acabem burladas por alojamento que não existe ou, quando existe, não tem condições", disse Elidérico Viegas, que especificou estar a referir-se sobretudo a reservas que são efectuadas através da internet.

A AHETA reclamou hoje em comunicado “uma intervenção adequada das autoridades competentes, tendo em vista a fiscalização e o controlo do alojamento paralelo no Algarve”, dizendo que pretende medidas de fiscalização “mais activas, firmes e empenhadas”.

Além de reclamar mais fiscalização, o comunicado também “alerta os potenciais consumidores deste alojamento para a necessidade de confirmarem junto das autarquias respectivas se o alojamento oferecido se encontra devidamente registado, devendo as Câmaras Municipais, para o efeito, disponibilizarem online e através dos serviços de atendimento, informação actualizada sobre as habitações legalmente inscritas e, por conseguinte, autorizadas a serem exploradas comercialmente”.

A perspectiva que a AHETA transmite é de que “as dificuldades económicas que o País atravessa, aliadas às medidas de austeridade impostas às famílias, propiciam o aparecimento de propostas tentadoras em matéria de preços de alojamento”, mas que “muitas vezes” esses alojamentos são “sem condições mínimas de habitabilidade” e há até casos em que nem existem.

A informação especifica que se refere “a apartamentos e moradias particulares de propriedade privada”, “normalmente fora dos empreendimentos turísticos classificados ou registados oficialmente” e também sublinha que se trata de uma actividade “desleal” em relação à oferta turística legalizada, “quer porque não paga impostos quer porque não satisfaz os requisitos mínimos de segurança e outros”.

“Neste sentido, a AHETA chama ainda a atenção dos eventuais utilizadores deste alojamento para não se deixarem encantar pelas facilidades oferecidas, facilidades não raras vezes transformadas em burlas, sobretudo quando as reservas são efectuadas através da internet”, diz ainda o comunicado, que Elidérico Viegas, questionado pelo PressTUR, justificou por um “agravamento de situações de burlas ao longo dos anos com este tipo de alojamento”.

A AHETA também refere no comunicado que com a actual legislação, que “veio permitir registar oficialmente o alojamento paralelo localizado na áreas das diferentes autarquias”, é ainda menos aceitável “a continuação de uma prática ilegal que provoca enormes prejuízos, quer às unidades hoteleiras e aos empreendimentos turísticos quer à boa imagem da maior região turística portuguesa”.

“Convém não esquecer” que este tipo de alojamento, “mesmo quando existe”, desenvolve uma actividade de concorrência desleal perante os hotéis e restante alojamento turístico legalizado porque não paga impostos, pelo que a AHETA acha conveniente alertar as autoridades competentes, designadamente a ASAE, que “tem competências nessa matéria”, frisou Elidérico Viegas.


AHETA

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ávoris promove Johan Tyren para liderar operadores turísticos

23-07-2020 (10h17)

O Grupo Ávoris, que em Portugal tem o operador turístico Jolidey e as agências B the Travel Brand, entre outras marcas, promoveu Johan Tyren para liderar a área de operação turística, após as saídas de Enric Riera, José Segura e Fernando Sánchez Doctor.

Pedro Oliveira nomeado director financeiro do IHG para a Península Ibérica

21-07-2020 (12h51)

Pedro Oliveira, que conta sete anos como funcionário do InterContinental Hotels Group, foi promovido a area director of finance and business support para a região da Península Ibérica.

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

IAG adia mudanças na gestão de topo

16-03-2020 (11h23)

O IAG, segundo maior grupo europeu de aviação, anunciou hoje o adiamento das alterações da sua gestão de topo, nomeadamente a substituição de Willie Walsh como CEO por Luis Gallego, justificando com a pandemia de covid-19 e designadamente a sua evolução em Espanha.

Opinião e Análise