APL aprova concessão a consórcio internacional do terminal de cruzeiros de Lisboa

16-01-2014 (15h45)

A APL, segundo anunciou, decidiu hoje adjudicar a concessão do serviço público do terminal de cruzeiros de Lisboa, maior em Portugal no ano de 2013, ao consórcio formado pela Global Liman Isletmeleri, com 40%, Grupo Sousa, Investimentos, com 30%, Royal Caribbean Cruises, com 20%, e Creuers del Port de Barcelona, com 10%.




Um comunicado da APL diz que a concessão é por 35 anos e que o contrato será assinado “depois do envio da respetiva minuta para o Tribunal de Contas e da pronúncia da Autoridade da Concorrência”.
A APL destaca que “o futuro concessionário do serviço público no Terminal de Cruzeiros de Lisboa congrega a experiência e as competências que advêm da gestão de vários terminais de passageiros no mundo inteiro, e do facto de incluir um dos maiores armadores do mundo e um armador português” e salienta que com a concessão “vê concretizados os objectivos a que se propôs” com o concurso internacional, designadamente “a construção do novo Terminal de Cruzeiros de Lisboa e um crescimento sustentado do número anual médio de passageiros movimentados ao longo da concessão, dando, assim, execução ao Plano Estratégico dos Transportes”.
O comunicado avança que entre as contrapartidas do novo concessionário figura “o investimento de construção da nova gare de passageiros”, um projecto do arquitecto português João Carrilho da Graça que requer um investimento de cerca de 22,7 milhões de euros.
Relativamente à operação corrente do terminal de cruzeiros, o comunicado diz que “o futuro concessionário propõe-se pagar à APL 300 mil euros por ano de taxa fixa e 0,22 euros por passageiro de taxa variável”, a que se somará “a contrapartida pelos serviços prestados (pilotagem e outros), que no ano de 2013 ascendeu a cerca de 2,5 milhões de euros”.
O comunicado destaca também a projecção que os membros do consórcio têm na actividade de cruzeiros, onde sobressai a Royal Caribbean Cruises que além de ser a segunda maior operadora de cruzeiros do mundo, com mais de cinco milhões de passageiros/ano, também gere terminais de cruzeiro em Itália (Civitavecchia e Nápoles), Estados Unidos (Port Everglades, Fort Lauderdale e Cape Liberty), México (Costa Maya e Langosta), Honduras (Roatan), Belize (Belize) e Turquia (Kusadasi), que anualmente têm cerca de doze milhões de passageiros.
A A Global Liman Isletmeleri, por sua vez, “gere terminais de cruzeiro na Turquia, em Kusadasi, Bodrum e Antalya, por onde passam quase um milhão de passageiros/ano”, e a Creuers del Port de Barcelona gere terminais de cruzeiro em Barcelona, Málaga e Singapura, por onde passam mais de três milhões de passageiros/ano.
O grupo português Sousa “transporta cerca de 300.000 passageiros/ano” entre o Porto Santo e o Funchal.
“O racional de todo o processo [de adjudicação] foi sempre o incentivo do aumento do tráfego de passageiros em Lisboa dado o notável impacte na economia da cidade e mesmo da região”, acrescenta o comunicado.


Lisboa volta a ser em 2013 o 1º destino português em cruzeiros

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

IAG adia mudanças na gestão de topo

16-03-2020 (11h23)

O IAG, segundo maior grupo europeu de aviação, anunciou hoje o adiamento das alterações da sua gestão de topo, nomeadamente a substituição de Willie Walsh como CEO por Luis Gallego, justificando com a pandemia de covid-19 e designadamente a sua evolução em Espanha.

Minor promove Miguel Garcia a director de Operações para hotéis urbanos em Portugal

26-02-2020 (14h57)

A Minor Hotels, proprietária da rede hoteleira Tivoli, promoveu Miguel Garcia para o cargo de director regional de Operações para Urban Hotels Portugal.

Minor contrata ex-director do Bairro Alto Hotel para hotel manager do Tivoli Avenida Liberdade

26-02-2020 (14h55)

A Minor Hotels contratou o ex-director do Bairro Alto Hotel, João Prista von Bonhost, para o cargo de hotel manager do Tivoli Avenida Liberdade.

Opinião e Análise