Ex-SET Vítor Neto reclama clarificação da missão, funções e objectivos do ITP

30-05-2006 (11h19)

Em artigo no “Diário Económico

O ex-secretário de Estado do Turismo Vítor Neto, empresário, presidente do NERA e vice presidente da AIP, defende, em artigo publicado no “Diário Económico”, que “a ideia de o Turismo ter um instrumento institucional único, forte, para levar a cabo as políticas públicas de Turismo não é errada” e “pode até ser excelente”, mas é “obrigatória” uma clarificação das suas missão, funções e objectivos, bem como do “lugar e ‘espaço político’ que o ITP vai ocupar na orgânica do Ministério da Economia.

“Impõe-se uma palavra de esclarecimento. A viagem tem de ter rumo” — defende Vítor neto depois de observar que “até prova em contrário é o Governo (Ministério da Economia/SET) que tem a responsabilidade de definir e dirigir a política de Turismo” e afirmar que “é no governo que se defende e afirma, politicamente, o Turismo”.
O artigo de Vítor Neto, publicado na sua coluna habitual no “Diário Económico”, com o título “um instituto para o turismo”, centra-se nas alterações estruturais na área do turismo na sequência do Prace e na nomeação de Luís Patrão para presidente do ITP, que considera ser “uma boa notícia para o turismo”.
Vítor Neto defende que o novo presidente do ITP  “tem todas as condições para desempenhar o cargo”, mas que o ITP que vai encontrar “não tem nem história, nem grandes feitos, apesar do muito trabalho realizado e de ter óptimos quadros e dirigentes”, por responsabilidade das várias tutelas.
O artigo faz um historial da sequência de alterações organizativas pré e pos constituição do ITP por um “casamento artificial entre o antigo IFT (ex-Fundo de Turismo, criado em 1956)  e a «promoção turística» que estava integrada, de forma nada fácil, no ICEP”, relativamente às quais deixa duas interrogações: “Quem responde sobre os prejuízos para o Turismo de tanto experimentalismo? Que consequências terá, agora, a anunciada dispersão de competências da DGT (e INFTUR) por organismos estranhos ao Turismo?”.
Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

“TACV têm solução” — defende Armando Ferreira

29-03-2009 (16h01)

“TACV têm solução” é o título escolhido por Armando Ferreira, director geral da Soltrópico, operador que em 2008 levou a Cabo Verde 16.472 turistas portugueses, mais 7,8% que em 2007, a um comentário enviado ao PressTUR sobre a notícia que revela o teor da carta que o presidente da transportadora aérea cabo-verdiana escreveu aos trabalhadores da companhia, com o título: “Ou mudamos ou fechamos” — aviso do presidente da TACV aos trabalhadores.

Turismo é “aposta segura” mas “necessita de uma atenção mais profunda”

05-03-2009 (16h53)

“Estamos a falar de «exportações», que correspondem a mais de cinco vezes às do maior exportador de Portugal – a famosa Quimonda”, sublinha Vítor Neto ao referir-se o montante de receitas externas geradas pelo turismo em 2008 e como essa notícia “foi menosprezada pela informação em geral”.

Vítor Neto no “Diário Económico”: O Algarve sem “mitos e ilusões”

07-08-2006 (12h37)

“O viajante arrisca-se a afirmar que o Algarve não é, de longe, a região da área do Mediterrâneo que está pior e, se existir inteligência, é  capaz de construir um desenvolvimento turístico sustentável e competitivo”, escreve hoje Vítor Neto, na sua coluna habitual no “Diário Económico”, em que aborda o “difícil” tema dos “mitos e ilusões” sobre a maior região turística do País.

Opinião e Análise