Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Foto: APAVT
Foto: APAVT

Por Pedro Costa Ferreira, Presidente da APAVT e Empresário

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

Não perceberam o que desde sempre se soube. (i) Que trabalhar junto do Governo numa derrogação de uma lei, leva algum tempo, exige ponderação, trabalho conjunto e respeito pelos diversos interesses envolvidos; (ii) exige negociações com quem defende os consumidores, necessita percepção das consequências, requer que o Governo aceite a lógica de quem sugere uma alteração e escrutine se essa alteração prejudica outro interesse legítimo; (iii) sugere discrição, coisa difícil de entender num mundo onde só o palco valoriza.

Outros disseram, quando se defendeu que uma lei de reembolsos de viagens organizadas ajudaria a defender o emprego e os direitos dos consumidores, que ninguém defendia as agências de viagens.

Disseram… mas não entenderam, desde logo, (i) que não se consegue manter o emprego sem se defender as empresas que o acolhem, as agências de viagens; (ii) que uma das principais responsabilidades de um empresário é justamente a protecção dos colaboradores que contratou; (iii) que a única via para um futuro de porta aberta é a satisfação e a confiança dos clientes, e que , no caso concreto, era necessário construir uma realidade jurídica que, significando uma alteração de uma lei que trouxe grandes dificuldades às empresas, mas também mais confiança dos consumidores como elemento diferenciador, não traísse exactamente as justas expectativas do consumidor. Não entenderam, em suma, (iv) que todo o jogo empresarial só nasce se se descobrir um consumidor e só perdura se se criar valor para esse cliente.

Uns vieram dizer que não tinha a APAVT de falar de hotéis e companhias aéreas, para defender uma nova arquitectura de reembolsos no sector das agências de viagens.

Disseram…mas não alcançaram (i) que a cadeia de valor turística serve o mesmo cliente; (ii) que o tempo que se está a dar às agências de viagens seria estéril, se não se desse tempo aos hotéis e às companhias aéreas. Porque, naturalmente, se, por não terem tempo, os hotéis e as companhias aéreas falissem, o dinheiro dos reembolsos nunca entraria nas agências de viagens. Não alcançaram, afinal, (iii) que as agências de viagens precisam de tempo única e exclusivamente porque hotéis, companhias aéreas e outras empresas parceiras integrantes da cadeia de distribuição precisam de tempo.

Os que disseram que não haveria lei dos vouchers, rapidamente apareceram a dizer, quando a lei afinal apareceu (ups!...), que claro que tinha de haver lei dos vouchers, era o que mais faltava, afinal toda a Europa já a tinha adoptado, que o mérito da APAVT, obviamente, era nulo.

Disseram…mas não atingiram, desta vez, várias circunstâncias. Em mais onze países europeus (ah… afinal não foram assim tantos!...)  existiu igualmente uma alteração à Lei, mas nenhuma abrange um intervalo tão grande (13.03 a 30.09), no que às datas de saída abrangidas diz respeito, como a portuguesa. Por outras palavras, (i) nenhuma produziu mais segurança na operação às agências de viagens, como a nossa. Por outro lado, em nenhum outro enquadramento legislativo europeu sobre esta matéria a data do voucher a ser utilizado, antes de poder ser convertido em dinheiro, foi «tão longe» como 31.12.2021. Por outras palavras, (ii) nenhuma lei deu tanto tempo às agências para se recomporem.

Para quem nunca pensou nas agências de viagens… tivemos todos muita sorte!...

Uns e outros são sempre os mesmos. Nunca entendem, nunca percebem, nunca alcançam, nunca atingem. Uniu-os neste cortejo, o que sempre os uniu em anteriores procissões:

 Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

 

Pedro Costa Ferreira

Presidente da APAVT e Empresário

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

“TACV têm solução” — defende Armando Ferreira

29-03-2009 (16h01)

“TACV têm solução” é o título escolhido por Armando Ferreira, director geral da Soltrópico, operador que em 2008 levou a Cabo Verde 16.472 turistas portugueses, mais 7,8% que em 2007, a um comentário enviado ao PressTUR sobre a notícia que revela o teor da carta que o presidente da transportadora aérea cabo-verdiana escreveu aos trabalhadores da companhia, com o título: “Ou mudamos ou fechamos” — aviso do presidente da TACV aos trabalhadores.

Turismo é “aposta segura” mas “necessita de uma atenção mais profunda”

05-03-2009 (16h53)

“Estamos a falar de «exportações», que correspondem a mais de cinco vezes às do maior exportador de Portugal – a famosa Quimonda”, sublinha Vítor Neto ao referir-se o montante de receitas externas geradas pelo turismo em 2008 e como essa notícia “foi menosprezada pela informação em geral”.

Vítor Neto no “Diário Económico”: O Algarve sem “mitos e ilusões”

07-08-2006 (12h37)

“O viajante arrisca-se a afirmar que o Algarve não é, de longe, a região da área do Mediterrâneo que está pior e, se existir inteligência, é  capaz de construir um desenvolvimento turístico sustentável e competitivo”, escreve hoje Vítor Neto, na sua coluna habitual no “Diário Económico”, em que aborda o “difícil” tema dos “mitos e ilusões” sobre a maior região turística do País.

Vítor Neto propõe reflexão sobre fenómeno low cost e turismo

24-07-2006 (13h33)

“O futuro do Turismo vai passar cada vez mais pela capacidade competitiva dos seus aeroportos, desde logo para as low cost”, defende Vítor Neto, empresário e ex-secretário de Estado do Turismo, na sua coluna publicada hoje no “Diário Económico”, sob o tema “Turismo, aeroportos e low cost”, na qual alerta que o fenómeno das low cost “é importantíssimo, contém enormes potencialidades, mas também desafios e riscos” e, por conseguinte, “exige um acompanhamento sério”.

Opinião e Análise