Turismo e imobiliário: transparência precisa-se

10-07-2006 (09h00)

Vítor Neto no “Diário Económico”

“O Turismo precisa da imobiliária como suporte insubstituível da sua actividade, mas a pressão instrumental para dar estatuto de turismo ao que o não é, acaba por ser mistificadora”, escreve hoje Vítor Neto, empresário, ex-secretário de Estado do Turismo, na sua coluna habitual no “Diário Económico”, na qual defende que “tem de haver transparência sobre o tipo de «negócio» de que se está a falar e não tentar vender «gato por lebre», à custa do turismo”.

O presidente do NERA e vice-presidente da AIP refere-se “à problemática da  imobiliária, à imobiliária residencial e aos  megaprojectos a ela associados”, relativamente à qual diz perfilhar “as palavras sábias  do empresário  Dionísio Pestana (D.Econ.03.05.04), que explica de forma clara as diferenças entre o investimento no turismo e na imobiliária que, diz ele, é «outra coisa»”.
“São coisas importantes, mas diferentes”, salienta Vítor Neto, para quem “a pressão instrumental para dar estatuto de turismo ao que o não é prejudicial para “a imobiliária em geral e sobretudo a imobiliária genuinamente ligada ao turismo”.
“As estruturas institucionais não podem voltar a cair na cilada. É visível a operação de «cerco». Nem o Presidente da República escapa”, alerta o articulista que, porém, centra a sua tomada de posição no “estranho silêncio” que domina quando, afinal, “quem acredita no Turismo tem o dever de gritar que «o rei vai nu» e que importa enfrentar as questões de fundo”.
“O Turismo tem urgência em clarificar o seu rumo, objectivos, prioridades, estratégia. Só um ingénuo pode pensar que basta anunciar «investimento», uma lista de «produtos» prioritários  e milhões para «promoção», e deixar o «mercado» fazer o seu papel... para se ter uma estratégia de turismo!”, adverte Vítor Neto, que abre o seu texto com a afirmação: “É curioso, em Portugal discute-se cada vez menos Turismo. Fala-se, fala-se, gasta-se muita tinta, mas pouco se discute e nada se questiona! Vive-se  o dia a dia”.
O ex-SET salienta que “não faltam por aí grandes cabeças pensantes que tudo sabem sobre Turismo”, mas interroga-se “por onde andam?”.
“Onde estão as profundas análises, as propostas estratégicas e as reivindicações  das grandes associações? Onde estão as exigências  de «medidas» e «planos», e as «reinvenções» do Turismo? E o «ministro», já não é preciso? Onde estão os intrépidos dirigentes que pontificavam empertigados por essas regiões fora, tudo exigindo a secretários de estado, ministros e governos? Onde estão, que ninguém os vê nem ouve?”, escreve Vítor Neto, que comenta: “Que estranho e comprometedor silêncio este, que, afinal, só exprime fraqueza e oportunismo”.
Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

“TACV têm solução” — defende Armando Ferreira

29-03-2009 (16h01)

“TACV têm solução” é o título escolhido por Armando Ferreira, director geral da Soltrópico, operador que em 2008 levou a Cabo Verde 16.472 turistas portugueses, mais 7,8% que em 2007, a um comentário enviado ao PressTUR sobre a notícia que revela o teor da carta que o presidente da transportadora aérea cabo-verdiana escreveu aos trabalhadores da companhia, com o título: “Ou mudamos ou fechamos” — aviso do presidente da TACV aos trabalhadores.

Turismo é “aposta segura” mas “necessita de uma atenção mais profunda”

05-03-2009 (16h53)

“Estamos a falar de «exportações», que correspondem a mais de cinco vezes às do maior exportador de Portugal – a famosa Quimonda”, sublinha Vítor Neto ao referir-se o montante de receitas externas geradas pelo turismo em 2008 e como essa notícia “foi menosprezada pela informação em geral”.

Vítor Neto no “Diário Económico”: O Algarve sem “mitos e ilusões”

07-08-2006 (12h37)

“O viajante arrisca-se a afirmar que o Algarve não é, de longe, a região da área do Mediterrâneo que está pior e, se existir inteligência, é  capaz de construir um desenvolvimento turístico sustentável e competitivo”, escreve hoje Vítor Neto, na sua coluna habitual no “Diário Económico”, em que aborda o “difícil” tema dos “mitos e ilusões” sobre a maior região turística do País.

Opinião e Análise