Porto Bay Liberdade abre ao fim de dez anos de enfrentar “excesso de pequenos poderes”

07-03-2015 (11h15)

O Porto Bay Liberdade, novo 5-estrelas de Lisboa, ‘começou’ faz dez anos, como revelou o CEO do Grupo Porto Bay, António Trindade, que em declarações ao “Expresso” reconheceu que a 11ª unidade hoteleira do grupo foi “de abertura difícil” pelo “drama nacional” que é “o excesso de pequenos poderes com os seus sucessivos protelamentos”.




A unidade teve previsto receber os primeiros clientes a 8 de Fevereiro (para ver mais clique aqui), mas segundo avançou António Trindade os primeiros clientes do novo hotel entraram cinco dias depois, a 13.
António Trindade explica nas declarações ao “Expresso” que a “abertura difícil” a que aludiu, tendo em conta que a compra do imóvel foi em 2005, deve-se à localização, numa “zona de protecção adicional, junto à Avenida da Liberdade”, mas sobretudo ao “drama nacional” que é “o excesso de pequenos poderes com os seus sucessivos protelamentos”, sublinhando que “a pequena burocracia é a mais difícil de ultrapassar”, o que explica que dos dez anos que decorreram desde a compra do imóvel à abertura do hotel, apenas dois foram para a construção.
O empresário hoteleiro revelou na mesma ocasião que nesse tempo o grupo alterou a sua perspectiva relativamente ao posicionamento do seu novo hotel, passando-o de 4-estrelas superior para 5-estrelas, tendo em conta o aumento das unidades de 4-estrelas na capital e “pelo facto de os clientes dos nossos hotéis de cinco estrelas na Madeira e no Brasil terem propensão para nos visitar em Lisboa”.
Em comunicado do grupo hoteleiro divulgado também hoje, António Trindade explica ainda que na sua perspectiva “uma cidade como Lisboa deixou de ter hotéis destinados exclusivamente a executivos”.
O empresário defende que houve o despertar de uma “nova filosofia” de unidades hoteleiras que caracteriza como “mais vocacionada para os tempos livres” e avança que, nesse sentido, o novo Porto Bay Liberdade apresenta “atractivos adicionais, até há pouco tempo vistos como desnecessários na oferta hoteleira típica de cidade”.
O comunicado apresenta o Porto Bay Liberdade como um “hotel intemporal com características de resort urbano”, referindo que no interior, além de 98 quartos, a maioria com varanda, os clientes vão encontrar um spa e “um pátio interior circundado por oliveiras e limoeiros”.
Outros destaques são o restaurante Bistrô, liderado pelo chef Benoît Sinthon, também chef do Il Gallo D’Oro do hotel The Cliff Bay, onde para a semana começa a edição 2015 da Rota das Estrelas (para ver mais clique aqui) e que foi classificado como o melhor hotel em Portugal pelos utilizadores do TripAdvisor (para ver mais clique aqui), e pelo chef João Espírito Santo, que vão propor “um conceito inovador de ‘bistronomia’, uma fusão entre requinte, sabor e simplicidade”.
O novo hotel, cujo projecto de recuperação do palacete do século XX que ocupa é um projecto do arquitecto Frederico Valsassina, conta ainda com esplanada e o terraço no último piso do edifício com bar, lounge exterior e jacuzzi.
O grupo destacou ainda que a recuperação do edifício preserva a fachada histórica e no interior adoptou optou por um ambiente e decoração que “recriam pormenores do passado”, com a utilização de mármores, madeiras velhas, cantaria de lioz e “pedra branca utilizada em Lisboa como rocha ornamental nos monumentos históricos”.
“Mas a principal característica que o novo PortoBay Liberdade promete é o conforto, a simpatia e o nível de serviço já reconhecidos em PortoBay Hotels & Resorts”, acrescenta o comunicado, com António Trindade a enfatizar que, tal como nas restantes unidades da rede, o cerne é “a empatia e reconhecimento da nossa relação com o cliente”.

Continua em:
Porto Bay Liberdade em fotos: Um hotel para os novos tempos

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

IAG adia mudanças na gestão de topo

16-03-2020 (11h23)

O IAG, segundo maior grupo europeu de aviação, anunciou hoje o adiamento das alterações da sua gestão de topo, nomeadamente a substituição de Willie Walsh como CEO por Luis Gallego, justificando com a pandemia de covid-19 e designadamente a sua evolução em Espanha.

Minor promove Miguel Garcia a director de Operações para hotéis urbanos em Portugal

26-02-2020 (14h57)

A Minor Hotels, proprietária da rede hoteleira Tivoli, promoveu Miguel Garcia para o cargo de director regional de Operações para Urban Hotels Portugal.

Minor contrata ex-director do Bairro Alto Hotel para hotel manager do Tivoli Avenida Liberdade

26-02-2020 (14h55)

A Minor Hotels contratou o ex-director do Bairro Alto Hotel, João Prista von Bonhost, para o cargo de hotel manager do Tivoli Avenida Liberdade.

Opinião e Análise