Primeiro hotel Renaissance do Cairo já abriu na Mirage City

31-05-2013 (17h11)

O Renaissance Cairo Mirage City Hotel é o primeiro hotel da marca da Marriott a abrir na capital do Egipto, estando situado no novo centro de negócios e entretenimento da cidade, Mirage City.

Com design e arquitectura contemporâneos, o hotel dispõe de 333 quartos e suites com toques indígenas de trabalhos artísticos inspirados na cidade, vistas sobre Mirage City ou a piscina.
A oferta gastronómica do hotel inclui o restaurante Citron, com influências mediterrânicas e árabes, o Chinoix, de comida chinesa, e os bares SOL Pool Bar, Vintage Bar, ou o Flute Lobby Lounge.
O hotel dispõe também de sete salas de reunião e um salão, dispondo de nais de 1.100 metros quadrados, com luz natural.

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Marriott apresenta novo director-geral do Penha Longo Resort

11-08-2020 (13h45)

A Marriott International, maior rede hoteleira do mundo, designou o britânico Oliver Key, “com mais de 25 anos de experiência nalguns dos melhores hotéis no Reino Unido, Estados Unidos da América, Emirados Árabes Unidos e Indonésia”, para dirigir o seu resort 5-estrelas em Portugal, o Penha Longo, da marca Ritz Carlton.

Ávoris promove Johan Tyren para liderar operadores turísticos

23-07-2020 (10h17)

O Grupo Ávoris, que em Portugal tem o operador turístico Jolidey e as agências B the Travel Brand, entre outras marcas, promoveu Johan Tyren para liderar a área de operação turística, após as saídas de Enric Riera, José Segura e Fernando Sánchez Doctor.

Pedro Oliveira nomeado director financeiro do IHG para a Península Ibérica

21-07-2020 (12h51)

Pedro Oliveira, que conta sete anos como funcionário do InterContinental Hotels Group, foi promovido a area director of finance and business support para a região da Península Ibérica.

Um olhar sobre a aviação comercial perante a pandemia de covid-19

20-05-2020 (20h51)

Há pouco mais de três meses muitas das companhias aéreas do mundo debatiam-se com problemas de falta de aviões que assegurassem as suas estratégias de crescimento e melhoria da sua eficiência. Reclamavam e pediam compensações da Boeing, pelo atraso no regresso à operação do B737 Max, bem como da Airbus, pelos sucessivos atrasos na entrega de novas aeronaves. Hoje, entre muitas outras, as dificuldades passam por encontrar lugar para parquear as suas frotas e em determinar quando as irão colocar novamente nos céus. Quase ninguém quer ouvir falar em ter mais aviões.

Nunca acreditaram. Sempre falaram e… nada fizeram!...

19-05-2020 (18h00)

Uns disseram que «não haveria lei dos vouchers», claro que não, pois se «os agentes de viagens não têm voz em Portugal»…

Opinião e Análise