Abastecimento do aeroporto de Lisboa decorre com “maior regularidade”, diz ANA Aeroportos

13-08-2019 (16h25)

O abastecimento ao Aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, está a acontecer hoje com “maior regularidade”, mas ainda não permite levantar as medidas de restrição, revelou a ANA – Aeroportos de Portugal.

Em resposta escrita à Lusa, fonte oficial da gestora indicou que “o abastecimento ao Aeroporto Humberto Delgado decorre, hoje, com maior regularidade do que ontem [segunda-feira]. No entanto, o fluxo de combustível ainda não é suficiente para retirar as medidas de restrição ao abastecimento das aeronaves”.

A ANA adiantou também que está “em conjunto com o Governo, empresas petrolíferas, companhias aéreas e ‘handlers’ [empresas de assistência aos passageiros e aos aviões], a acompanhar e a avaliar a situação, com vista à minimização do impacte na operação”.

Durante o primeiro dia da greve, que ocorreu esta segunda-feira, dia 12, a ANA deu conta de que o ritmo de abastecimento no Aeroporto Humberto Delgado era "insuficiente, em níveis bastante abaixo do estipulado para serviços mínimos”, provocando “restrições à operação”.

Numa resposta escrita enviada à Lusa na segunda-feira, gestora aeroportuária informou que estava a avaliar continuamente o impacto da greve dos motoristas no abastecimento de combustível nos aeroportos da sua rede.

O ritmo de abastecimento “insuficiente” verificado nessa altura levou à implementação de restrições à operação, “nomeadamente na redução de abastecimento de aeronaves”, segundo a mesma fonte.

Esta é uma medida preventiva para dosear o combustível, tendo em conta a dificuldades de abastecimento.

Com estas iniciativas, as companhias aéreas poderão abastecer noutros aeroportos ou antes de voar para Lisboa.

A greve que começou na segunda-feira, por tempo indeterminado, foi convocada pelo Sindicato Nacional dos Motoristas de Matérias Perigosas (SNMMP) e pelo Sindicato Independente dos Motoristas de Mercadorias (SIMM), com o objetivo de reivindicar junto da Associação Nacional de Transportadores Públicos Rodoviários de Mercadorias (Antram) o cumprimento do acordo assinado em maio, que prevê uma progressão salarial.

Ao fim do primeiro dia de paralisação, o Governo decretou a requisição civil, alegando o incumprimento dos serviços mínimos.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vendas de voos das agências de viagens portuguesas caem 324 milhões de euros no 1º semestre

16-07-2020 (17h13)

A agências de viagens portuguesas participantes no BSP registaram uma quebra das vendas de voos no primeiro semestre que ascende a 324 milhões de euros, para o mínimo histórico neste período do ano de 172,8 milhões.

República Dominicana volta a estado de emergência devido à covid-19

16-07-2020 (17h02)

O presidente da República Dominicana, principal destino de férias dos portugueses nas Caraíbas, para onde recentemente os operadores cancelaram os charters que tinham programado, pediu ao Congresso Nacional autorização para declarar novamente o estado de emergência, por 45 dias, devido ao aumento de infectados com o novo coronavírus no país.

Vendas de voos pelas agências de viagens portuguesas recuperam muito timidamente

16-07-2020 (16h55)

As agências de viagens portugueses que integram o BSP da IATA alcançaram em Junho 6,18 milhões de euros de vendas de voos regulares, quase dez vezes o montante de Abril e mais de duas vezes o de Maio, mas ainda 92,1% abaixo de Junho de 2019.

MNE diz aos portugueses para não contarem com repatriamentos como em Março e Abril

16-07-2020 (16h30)

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, alertou os portugueses que viajarem para destinos “com ligações fracas a Portugal” para não contarem “com uma operação de repatriamento com a dimensão e a rapidez com que foram organizadas em Março e em Abril”.

Governo aprova compra de participação de Neeleman na TAP por 55 milhões de euros

16-07-2020 (16h22)

O Governo aprovou hoje em Conselho de Ministros o decreto-lei que autoriza o Estado a adquirir por 55 milhões de euros as participações sociais, os direitos económicos e as prestações acessórias da TAP SGPS detidos por David Neeleman.

Opinião e Análise