África tem mais de 14 mil casos de infectados e 788 mortes por covid-19

13-04-2020 (11h41)

Foto: Unsplash / Gilberto Olimpio
Foto: Unsplash / Gilberto Olimpio

O número de mortes provocadas pela covid-19 em África subiu hoje para 788, com mais de 14 mil casos registados em 52 países, de acordo com a mais recente actualização dos dados da pandemia.

Segundo o boletim do Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (CDC África), nas últimas 24 horas, o número de mortes registadas subiu de 744 para 788, enquanto as infecções aumentaram de 13.686 para 14.528.

O CDC África registou também 2.570 doentes recuperados após a infeção.

O Norte de África mantém-se como a região mais afectada pela doença com 6.379 casos, 603 mortes e 1.138 doentes recuperados.

Na África Austral, são 2.325 os casos registados da doença, que já provocou 35 mortes, tendo 452 doentes recuperado da infeção.

Na África Ocidental, há registo de 3.361 infeções, 84 mortes e 664 doentes recuperados.

A pandemia afecta 52 dos 55 países e territórios de África, com quatro países – África do Sul, Argélia, Egito e Marrocos - a concentrarem mais de metade das infeções e mortes associadas ao novo coronavírus.

A África do Sul tem o maior número de casos (2.173), com 25 mortos, mas o maior número de vítimas mortais regista-se na Argélia (293), em 1.914 infetados.

O Egipto tem 2.065 infectados e 159 mortos, enquanto Marrocos totaliza 1.651 casos e 118 vítimas mortais.

Apenas Lesoto, ilhas Comores e o Saara Ocidental não têm casos reportados da doença.

Todos os países africanos lusófonos registam casos de covid-19, com a Guiné-Bissau a ser o mais afectado, contabilizando 39 pessoas infectadas pelo novo coronavírus.

Angola soma 19 casos confirmados de covid-19 e duas mortes.

Moçambique tem 21 casos declarados de infecção pelo novo coronavírus e Cabo Verde totaliza dez casos de infecção desde o início da pandemia, entre os quais um morto.

São Tomé e Príncipe, o último país africano de língua portuguesa a detectar a doença no seu território, tem quatro casos confirmados.

Na Guiné Equatorial, que integra a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), estão confirmados 21 casos positivos de infecção.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 112 mil mortos e infecou mais de 1,8 milhões de pessoas em 193 países e territórios. Dos casos de infecção, quase 375 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: África

Clique para ver mais: Coronavírus

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Companhia aérea brasileira Azul regista prejuízo de 450 milhões de euros no segundo trimestre

14-08-2020 (18h45)

A companhia aérea brasileira Azul registou um prejuízo de 2,9 mil milhões de reais (450 milhões de euros) no segundo trimestre de 2020, segundo balanço financeiro divulgado pela empresa.

Lojas de Macau aderem a campanha para atrair mercado da China continental

13-08-2020 (16h55)

Mais de 20 mil lojas de Macau participam numa campanha promocional do território no mercado da China continental, para aproveitar o anunciado recomeço gradual da emissão de vistos no país, foi hoje anunciado.

Associação vai criar rota gastronómica para valorizar queijos da região Centro

13-08-2020 (16h17)

A Associação do Cluster Agroindustrial do Centro (InovCluster) vai criar uma rota turística e gastronómica para valorizar e promover aquele produto regional, nomeadamente as marcas "Beira Baixa", "Serra da Estrela" e "Rabaçal".

Brasileira Azul lança empresa de aviação regional

12-08-2020 (20h37)

A companhia aérea brasileira Azul lançou na terça-feira uma nova subsidiária para o mercado de voos regionais, denominada Azul Conecta, que pretende chegar a 200 cidades nos próximos anos.

ATA investe em campanha publicitária no Reino Unido

12-08-2020 (17h38)

A Associação Turismo do Algarve (ATA) vai reforçar a mensagem de que a região é um destino seguro junto do Reino Unido, através de uma campanha publicitária que será emitida na estação de televisão Channel 5, foi hoje anunciado.

Opinião e Análise