África ultrapassa 1,9 milhões de infectados com o novo coronavírus

11-11-2020 (12h01)

Foto: Unsplash / Gilberto Olimpio
Foto: Unsplash / Gilberto Olimpio

Os países africanos somaram ontem mais 13.076 pessoas infectadas com o novo coronavírus, elevando o total desde o início da pandemia para 1.904.820, segundo o Centro de Controlo e Prevenção de Doenças da União Africana (África CDC).

Os dados, segundo avança a agência Lusa, indicam que África somou ontem mais 345 mortes relacionadas com a covid-19, aumentando o total desde o início da pandemia para 45.954.

Os 55 estados-membros da organização África CDC indicaram que o número de pessoas recuperadas da doença aumentou ontem 9.968, para um total de 1.607.108.

O maior número de casos de infecção e de mortes regista-se na África Austral, com 827.660 infeções e 21.470 mortes por covid-19. Nesta região, a África do Sul, o país mais afectado do continente, contabiliza um total de 740.254 casos de infecção e 19.951 mortes.

O Norte de África, a segunda zona mais afectada pela pandemia, regista um total de 589.130 pessoas infectadas e 16.026 mortos e na África Oriental há 231.368 casos e 4.494 vítimas mortais.

Na região da África Ocidental, o número de infecções é de 195.067, com 2.800 vítimas mortais, e a África Central regista 61.595 casos e 1.164 óbitos.

O Egipto, que é o segundo país africano com mais vítimas mortais, a seguir à África do Sul, regista 6.394 mortos e 109.654 infectados, seguindo-se Marrocos, que contabiliza 4.425 vítimas mortais e 265.165 casos de infecção. A Argélia surge logo a seguir, com 63.446 infeções e 2.077 mortos.

Entre os seis países mais afectados estão também a Etiópia, que regista 100.327 casos de infeção e 1.537 vítimas mortais, e a Nigéria, com 64.336 infetados e 1.160 mortos.

Em relação aos países africanos que têm o português como língua oficial, Angola lidera em número de mortos e Moçambique tem o maior número de casos. Angola regista 308 óbitos e 12.816 casos, seguindo-se Cabo Verde (101 mortos e 9.499 casos), Moçambique (99 mortos e 13.892 casos), Guiné Equatorial (85 mortos e 5.102 casos), Guiné-Bissau (43 mortos e 2.419 casos) e São Tomé e Príncipe (16 mortos e 962 casos).

 

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

NCL tem “Portugal no radar como mercado emissor e como destino”

23-02-2021 (19h29)

A Norwegian Cruise Line (NCL), que antes da pandemia de covid-19 estava a investir em Portugal como destino e mercado emissor para os seus cruzeiros, vai continuar a investir no seu crescimento no país, anunciaram hoje os directores da companhia Kevin Bubolz e Jürgen Stille numa conferência de imprensa online.

Agências de viagens e operadores já têm linha de cem milhões para reembolsarem clientes

23-02-2021 (18h45)

O Ministério da Economia anunciou que desde hoje as agências de viagens e operadores turísticos já dispõem de uma linha de crédito para poderem reembolsar clientes que, devido aos impactos da covid-19, ficaram sem as viagens que pagaram.

ECTAA quer acção das instituições europeias para travar atrasos nos reembolsos de viagens

23-02-2021 (18h24)

A ECTAA, organização que junta as associações de agências de viagens e operadores turísticos da Europa, quer que as instituições europeias actuem no sentido de obrigar as companhias de aviação a reembolsarem pelos voos não realizados pelos impactos da pandemia de covid-19.

NCL cria plataforma para agentes de viagens que permitirá “regressar em força” às vendas

23-02-2021 (17h33)

A Norwegian Cruise Line (NCL) aproveitou a suspensão das operações para investir numa plataforma que permitirá aos agentes de viagens "vender melhor os nossos cruzeiros" e, assim, "regressar em força", anunciaram hoje os directores da companhia Kevin Bubolz e Jürgen Stille numa conferência de imprensa online.

TAP confirma Nuno Sousa como responsável de Vendas no mercado português

23-02-2021 (14h13)

A TAP confirmou hoje a notícia avançada pelo PressTUR na sexta-feira de que Nuno Sousa substitui Dionísio Barum na liderança das Vendas da companhia aérea no mercado português.

Opinião e Análise