Hotelaria de Cabo Verde fecha 1º semestre com mais 30 mil hóspedes

29-08-2019 (16h37)

A hotelaria de Cabo Verde recebeu 413,6 mil hóspedes nos primeiros seis meses do ano, mais 30 mil ou mais 7,8% que no primeiro semestre de 2018, segundo dados divulgados hoje pelo INE de Cabo Verde.

O número de dormidas no primeiro semestre alcançou 2,540 milhões, mais 118,3 mil ou mais 4,9% face aos primeiros seis meses do ano passado.

O crescimento no semestre beneficiou da evolução positiva no segundo trimestre (Abril a Junho) tanto em hóspedes, que foram mais 7% que no período homólogo do ano passado, como em dormidas, que aumentaram 5,3%.

Os dados sobre o segundo trimestre indicam que hotelaria cabo-verdiana recebeu 179,9 mil hóspedes, mais 11.703 que um ano antes, que realizaram 1,137 milhões de dormidas, um aumento de 57,3 mil.

A estada média nos três meses de Abril a Junho baixou 0,1%, para 6,1 noites, enquanto a taxa de ocupação subiu 2 pontos percentuais, para 49%.

O principal mercado emissor manteve-se o Reino Unido, com 26,6% do total dos hóspedes no trimestre, seguido de Portugal (12,1%), França (11%), Alemanha (10,9%), Bélgica e Holanda (8,4%).

Em número de dormidas, o Reino Unido é também o principal mercado, com 34,5% do total, seguido da Alemanha (12,8%), Portugal (9,6%), Bélgica e Holanda (9,1%) e França (8,8%).

Do total de hóspedes no trimestre, a Ilha do Sal concentrou 42,5%, enquanto a Boavista recebeu 31,9%, Santiago ficou com 12,6%, São Vicente, com 5,8%, e as “Restantes Ilhas”, 7,3%.

Em dormidas, a Ilha do Sal lidera com 48,7% do total, enquanto a Boavista soma 40,8%, Santiago soma 4,9%, São Vicente, com 2,4%, e as “Restantes Ilhas”, 3,2%.

Os hotéis são os estabelecimentos mais procurados, com 87,9% do total dos hóspedes e 93,2% das dormidas no segundo trimestre, enquanto as Pensões concentraram 4,1% dos hóspedes e 1,9% das dormidas, as Residenciais somaram 3,4% dos hóspedes e 1,5% das dormidas, e os Aldeamentos turísticos, 2,6% dos hóspedes e 2,5% das dormidas. Os hotéis-apartamentos receberam 1,3% do total de hóspedes e 0,7% das dormidas no trimestre, enquanto as Pousadas, 0,6% e 0,2%, respectivamente.

Para ler sobre o primeiro trimestre clique:

Dormidas de turistas portugueses na hotelaria de Cabo Verde sobem 5,7% no primeiro trimestre

Hotelaria da ilha do Sal termina primeiro trimestre com +36,5% de dormidas de portugueses

Reino Unido é cada vez mais o primeiro emissor para Cabo Verde

 

Clique para ver mais: Cabo Verde

Clique para ver mais: Hotelaria

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Qatar Airways mantém quatro voos/semana na rota Doha – Lisboa

05-08-2020 (15h46)

A Qatar Airways, uma das maiores companhias de aviação da região do Golfo, manteve em quatro voos por semana a frequência de voos na rota Doha – Lisboa no período de 1 de Setembro a 24 de Outubro.

Abertura do hotel InterContinental em Luanda adiada para o final do ano

05-08-2020 (11h10)

O primeiro hotel do InterContinental Hotels Group (IHG) na capital angolana, Luanda, deverá abrir apenas no final deste ano, admitiu o grupo hoteleiro britânico, 5º maior do mundo em número de quartos em 2019, com 883,5 mil, segundo o ranking da revista "Hotels".

Tunísia tem dez vezes mais casos após reabertura de fronteiras

04-08-2020 (16h41)

A Tunísia registou dez vezes mais casos do novo coronavírus após a reabertura das fronteiras há pouco mais de um mês, a 27 de Junho.

EuroAtlantic vai retomar voos regulares para a Guiné-Bissau a partir de sexta-feira

04-08-2020 (13h23)

A companhia aérea euroAtlantic Airways anunciou que vai retomar os voos regulares para a Guiné-Bissau a partir de sexta-feira, depois de as autoridades guineenses terem autorizado na semana passada a retoma dos voos regionais e internacionais.

TAP vai fazer dez voos entre Portugal e Moçambique até final de Agosto, Embaixada

30-07-2020 (16h20)

A Embaixada de Portugal em Maputo anunciou a realização de dez voos entre Lisboa e a capital moçambicana, cinco em cada sentido, até final de Agosto, para ultrapassar restrições impostas pela covid-19.


Opinião e Análise