LATAM despede 1.400 trabalhadores no Chile, Colômbia e Equador

18-05-2020 (12h59)

Foto: LATAM
Foto: LATAM

O Grupo LATAM comunicou sexta-feira o despedimento de 1.400 trabalhadores das filiais do Chile, Colômbia e Equador, devido à redução da actividade durante a pandemia de covid-19.

“Apesar de todos os nossos esforços para manter os postos de trabalho, vemo-nos obrigados a tomar esta difícil decisão”, afirmou em comunicado o CEO da companhia aérea, Roberto Alvo.

O executivo salientou que os impactos da covid-19 “são profundos” e tornou-se “inevitável reduzir o tamanho do Grupo LATAM para proteger a sua sustentabilidade no médio prazo”.

Antes da emergência sanitária causada pelo novo coronavírus, a LATAM voava para 145 destinos em 26 países, incluindo Portugal, operando 1.400 voos por dia.

No início de Abril o Grupo suspendeu 95% da sua operação, situação que se manterá durante o mês de Maio, devido ao encerramento de fronteiras em vários países e à queda da procura.

A LATAM, que nasceu em 2012 da fusão entre a chilena LAN e a brasileira TAM, está apenas a fazer alguns voos domésticos no Chile e no Brasil e mantém seis ligações semanais entre Santiago do Chile e Miami, bem como três ligações semanais entre S. Paulo e Miami.

Em Abril, o CEO da LATAM já tinha referido que seria “inevitável” às empresas do Grupo sofrerem um redimensionamento e mudarem a forma como operam.

"Não temos mais nenhuma opção do que começar a reduzir o grupo”, afirmou Roberto Alvo num vídeo interno da companhia que está a circular pelos meios de comunicação locais, referindo que “esta muito difícil e dolorosa decisão vai afectar pessoas de algumas filiais”.

“Quero que saibam que este passo que damos nada tem a ver com o desempenho e profissionalismo de cada uma das pessoas que vai ter de nos deixar. Fazemo-lo porque estamos obrigados a adaptar-nos a um mundo novo, que nunca esperámos e nunca desejámos, mas que se colocou à nossa frente”, referiu ainda o CEO.

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA), que reúne cerca de 300 companhias aéreas em todo o mundo, revelou na semana passada que a procura mundial de passageiros caiu 52,9% em Março, em termos homólogos, e que os bilhetes vendidos caíram mais de metade em 2020.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Aviação

Clique para ver mais: LATAM

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Delta adia retoma dos voos Nova Iorque JFK – Lisboa para 16 de Julho

26-05-2020 (11h52)

A Delta Air Lines, segunda maior companhia de aviação do mundo, adiou para 16 de Julho o recomeço dos seus voos entre Nova Iorque JFK e Lisboa, segundo as alterações ao calendário que efectuou na semana passada.

LATAM Airlines recorre à proteção de credores ao abrigo da lei das falências dos EUA

26-05-2020 (10h36)

A LATAM Airlines, maior companhia de aviação da América Latina, formada pela integração da brasileira TAM na chilena LAN, anunciou que recorreu à proteção de credores ao abrigo do capítulo 11 da lei de falências dos Estados Unidos, na sequência da queda de atividade devido à pandemia de covid-19.

Copa Airlines adia retoma dos voos por quatro semanas

25-05-2020 (12h16)

A companhia de aviação do Panamá Copa Airlines, parceira da TAP na Star Alliance, adiou por quatro semanas a retoma dos voos, que agora têm início marcado para 26 de Junho, com voos para 23 aeroportos internacionais, um deles o maior aeroporto brasileiro, São Paulo Guarulho, duas vezes por semana em B737-800, passando a voo diário a partir de 3 de Julho.

Trump proíbe entrada nos EUA de estrangeiros que tenham estado no Brasil

25-05-2020 (11h00)

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decretou a proibição de entrada no país de todos os estrangeiros que tenham estado no Brasil nos 14 dias anteriores à tentativa de entrada.

Air Canada volta a voar para Lisboa em Julho e cancela Porto

25-05-2020 (10h53)

Lisboa é um dos destinos para onde a companhia de aviação canadiana Air Canada, parceira da TAP na Star Alliance, prevê voltar a voar já em Julho tanto de Montreal quanto de Toronto.

Opinião e Análise