Governo português desaconselha “viagens não essenciais" à China

27-01-2020 (12h30)

Foto: Hanson Lu / Unsplash
Foto: Hanson Lu / Unsplash

O Ministério dos Negócios Estrangeiros português desaconselhou “viagens não essenciais" à China, devido aos eventuais riscos de saúde e limitações na circulação dentro do país devido ao surto do novo coronavírus.

Referindo que as autoridades de saúde chinesas e a Organização Mundial da Saúde confirmaram a ocorrência de um grave surto de pneumonia, causada por um novo coronavírus (2019-nCoV.), com epicentro na cidade chinesa de Wuhan, o Governo português lançou o aviso para que se evitem, “neste momento, e até que a situação actual seja revista pelas autoridades chinesas, viagens não essenciais à China”.

“Não apenas pelos eventuais riscos de saúde, mas também pelas presentes limitações na circulação dentro do país”, apontou o Ministério dos Negócios Estrangeiros (MNE), no aviso publicado hoje no Portal das Comunidades Portuguesas, recomendando “atenção permanente ao constante evoluir da situação”, bem como às informações divulgadas nos portais da Direção-Geral da Saúde, do Centro Europeu de Prevenção e Controlo de Doenças (ECDC) e da Organização Mundial da Saúde.

Além disso, os viajantes devem efetuar o registo das suas viagens na aplicação Registo Viajante.

“Aos residentes, recomenda-se que, caso não o tenham ainda feito, procedam à sua inscrição consular ou à respetiva actualização junto do posto com jurisdição sobre a área de residência”, indicou o MNE.

O novo coronavírus foi detectado na cidade chinesa de Wuhan (centro) no final de 2019, e já provocou a morte de 56 pessoas na China.

Mais de duas mil pessoas foram dadas como infectadas, a maioria no território continental da China, mas há também casos confirmados em Macau, Hong Kong, Taiwan, Tailândia, Japão, Coreia do Sul, Estados Unidos, Singapura, Vietname, Nepal, Malásia, França, Austrália e Canadá.

Em Portugal, não se confirmou a infecção de um homem que apresentava suspeitas e que foi hospitalizado no Sábado, em Lisboa, depois de ter regressado de Wuhan.

O ministro da Saúde chinês, Ma Xiaowei, alertou hoje que os infectados podem transmitir a doença durante o período de incubação, que demora entre um dia e duas semanas.

Durante aquele período, os infectados não revelam sintomas, o que anula o efeito das medidas de rastreio, como medição de temperatura nos aeroportos ou estações de comboio.

Os sintomas incluem febre, dor, mal-estar geral e dificuldades respiratórias.

Neste âmbito, o Governo chinês emitiu um comunicado aos operadores turísticos do país a requerer a suspensão de pacotes de viagens de grupo em toda a China.

Em Pequim, os locais turísticos, os recintos culturais e as salas de espectáculo foram encerradas preventivamente.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Ásia & Pacífico

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Receitas das grandes apostas em Macau aumentam mas ainda ficam longe do cenário pré-pandemia

16-10-2020 (14h12)

As receitas das grandes apostas em Macau no terceiro trimestre subiram 800 milhões de patacas (131 milhões de euros) face ao trimestre anterior, mas ainda estão longe dos números registados antes da pandemia.

Programa de excursões locais em Macau injecta 5,9 milhões de euros na região

12-10-2020 (16h56)

Foram injectados na economia local macaense mais de 5,9 milhões de euros (56 milhões de patacas) através do plano para incentivar o turismo doméstico, que contemplava excursões no território, desde o seu lançamento em Junho.

Macau regista 156.300 turistas testados durante a "Semana Dourada"

09-10-2020 (12h08)

No decorrer da "Semana Dourada", o segundo maior movimento de massas na China, Macau recebeu 145.300 turistas, que tiveram de apresentar teste negativo para a covid-19 para entrar na região administrativa especial.

Lufthansa vai apostar mais em destinos turísticos no Índico no próximo Verão

02-10-2020 (15h52)

A companhia de aviação alemã Lufthansa, que lidera o maior grupo aéreo europeu, indicou que no próximo Verão prevê ter voos para destinos turísticos no Índico como Mombaça, no Quénia, e Zanzibar, na Tanzânia, bem como passar a voar todo o ano para as Maldivas.

Marriott estreia marca Aloft no Japão

01-10-2020 (16h22)

A Marriott International abriu o primeiro hotel da sua marca Aloft no Japão, em Tóquio, uma unidade hoteleira com um design arrojado e cores brilhantes, num piscar de olho ao movimento cultural dos anos 1960 Miyuki-zoku.

Opinião e Análise