Avianca Brasil forçada a suspender voos

27-05-2019 (17h57)

Imagem: Avianca
Imagem: Avianca

A autoridade brasileira da aviação ANAC anunciou que decidiu suspender a totalidade das operações da companhia aérea Avianca Brasil, do grupo de Efromovich, para “garantir a segurança dos passageiros”, segundo informa no seu website.

“Com a medida, estão suspensos todos os voos até que a empresa comprove capacidade operacional para manter as operações com segurança. A decisão foi tomada com base em informações prestadas à área responsável pela segurança operacional da agência”, diz a ANAC na sua página na internet.

Aos passageiros com voos marcados para os próximos dias, a ANAC recomenda que entrem em contacto com a companhia aérea, evitando deslocações aos aeroportos até que novas informações sejam divulgadas.

Com a suspensão de actividades decretada, a Avianca continua, contudo, obrigada a cumprir integralmente a legislação que prevê a oferta de opções aos passageiros, como o reembolso e colocação noutro voo.

“Em caso de cancelamento ou de alteração do voo causado pela Avianca, o passageiro deve ter os seus direitos respeitados, que estão disponíveis para consulta no portal da ANAC na internet ou na página 'Passageiro Digital'”, informou a agência.

A Avianca Brasil, quarta maior companhia aérea do país, está em protecção de credores desde Dezembro passado e há dias a IATA suspendeu a sua participação no BSP (clique para ler: Avianca Brasil suspensa do BSP).

A sua situação agravou-se especialmente com a obrigação de dever aviões aos respectivos proprietários por falta de pagamentos dos alugueres.

A companhia aérea brasileira, que acumula dívidas de mais de 1.000 milhões de reais (cerca de 225 milhões de euros) e enfrenta várias acções nos tribunais, aceitou a Lei de Falências para reestruturar a dívida e garantir a continuidade das suas operações.

Anteriormente denominada OceanAir, a Avianca Brasil opera voos regulares desde 2002 e em Janeiro passado anunciou o corte de alguns dos seus voos internacionais.

Apesar das dificuldades que atravessa e de registar quebras, a Avianca Brasil transportou 3,125 milhões de passageiros em voos domésticos no Brasil e 129,2 mil em voos internacionais.

Relativamente ao primeiro quadrimestre de 2018, a companhia teve quebras de passageiros em 19,8% no mercado doméstico e em 23,7% em voos internacionais.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Avianca

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

GOL reduziu operação em 19,2 mil voos no mês de Julho

05-08-2020 (14h04)

A GOL, maior companhia de aviação brasileira em voos domésticos, indicou hoje que em Julho, mês tradicionalmente de férias escolares no Brasil, teve uma operação doméstica com -78% ou menos 19,2 mil voos que no mês homólogo de 2019.

Azul de David Neeleman atenua quebra de tráfego em Julho

05-08-2020 (12h32)

A companhia de aviação brasileira Azul, fundada e presidida pelo ex-accionista da TAP David Neeleman, teve em Julho, mês tradicionalmente de férias escolares no Brasil, um aumento de tráfego face a Junho em 40,7%, mas ainda ficou 77,6% abaixo de Julho de 2019.

Brasil conta mais de 94 mil mortos e de 2,7 milhões de infectados com covid-19

03-08-2020 (10h44)

O Brasil tem confirmados até hoje 94.104 mortos e 2.733.677 milhões de pessoas infectadas com covid-19, informou o Ministério da Saúde num site com dados sobre a pandemia.

Portugal renova interdição de turistas do Brasil, Estados Unidos, Canadá e China

31-07-2020 (14h16)

As novas regras para quem viaja de avião de/para Portugal, em vigor desde as 24h00 de hoje, mantém o país ‘fechado’ aos quatro mercados emissores de turistas que mais estavam a crescer e a compensar alguma estagnação da Europa.

Brasileiros ‘cortaram’ gastos em turismo no estrangeiro em 5.233 milhões de dólares

30-07-2020 (15h49)

Os turistas brasileiros, que em Portugal são a 5ª maior origem de receitas turísticas, gastaram em viagens e turismo no estrangeiro no primeiro semestre menos 5.233 milhões de dólares que há um ano, com uma redução em 59,4%, para 3.573,43 milhões.

Opinião e Análise