Brasil suspende restrição à entrada de estrangeiros por via aérea

28-09-2020 (11h12)

Foto: www.visitbrasil.com
Foto: www.visitbrasil.com

Governo do Brasil suspendeu as restrições à entrada de estrangeiros no país por via aérea devido à pandemia de covid-19, mas mantém a proibição de entrada por vias terrestres e aquáticas.

A decisão, publicada na noite de quinta-feira numa edição extra do Diário Oficial da União, permite a entrada de estrangeiros por todos os aeroportos brasileiros, o que ainda estava proibido até sexta-feira em seis dos 27 estados do país.

Na portaria, assinada pelo ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, e pelo ministro da Justiça, André Mendonça, entre outras autoridades, fica estabelecido que os estrangeiros podem entrar no Brasil desde que obedeçam aos devidos requisitos de imigração.

Da mesma forma, turistas de outros países com estadas de curta duração, até 90 dias, devem apresentar ao transportador comprovativo de que possuem seguro de saúde válido no Brasil antes do embarque.

As restrições vigoravam no país sul-americano desde Março, quando o acesso de estrangeiros foi temporariamente para travar a disseminação do novo coronavírus.

O transporte de cargas, seja por via terrestre ou fluvial, também está permitido a partir desta sexta-feira.

Adicionalmente, a portaria estende por mais 30 dias o veto à entrada de estrangeiros de qualquer nacionalidade por via terrestre ou marítima, com exceção dos venezuelanos.

As medidas restritivas não se aplicam a brasileiros, imigrantes com residência permanente em território brasileiro, profissionais em missão ao serviço de organismos internacionais e funcionários estrangeiros credenciados junto ao executivo.

Da mesma forma, estão isentos os estrangeiros que sejam cônjuges, filhos, pais ou companheiros de cidadãos brasileiros ou que tenham recebido autorização de entrada excepcional concedida pelo Governo brasileiro.

Qualquer pessoa que não obedeça às condições estabelecidas será responsabilizada nas esferas “civil, administrativa e criminal” e estará sujeita à “imediata repatriação ou deportação”, além da “desactivação dos pedidos de refugiados”.

O Brasil é o país lusófono mais afectado pela pandemia e um dos mais atingidos no mundo, ao contabilizar o segundo maior número de mortos, depois dos Estados Unidos.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Brasil

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Iberostar oferece testes à covid-19 e estada prolongada a hóspedes dos seus hotéis nas Caraíbas e Brasil

27-10-2020 (16h30)

A Iberostar Hotels & Resorts lançou para o mercado o “Travel at Ease”, um programa para cobrir as despesas relacionadas com a covid-19 que os seus hóspedes possam ter na República Dominicana, Jamaica, México e Brasil.

Gastos dos brasileiros em turismo no estrangeiro caem quase 9.000 milhões de dólares até Setembro

23-10-2020 (16h15)

Os gastos dos brasileiros em turismo no estrangeiro, que em Portugal eram até ao início da pandemia a 6ª maior parcela das receitas turísticas, estão no fim de Setembro com uma quebra de 66,9% ou 8.932,28 milhões de dólares, informou hoje o Banco Central do Brasil.

TAP voltou a liderar em Setembro o transporte aéreo internacional de passageiros no Brasil

23-10-2020 (14h26)

Quase um em cada cinco passageiros que em Setembro viajaram em voos internacionais de/para o Brasil fizeram-no em TAP, que voltou assim a ser a líder de mercado, à frente não só das outras companhias europeias, como também das americanas e das brasileiras.

Brasil regista 729 mortes e 27.750 infectados com covid-19 num só dia

09-10-2020 (10h47)

O Brasil registou 729 mortes e 27.750 casos de covid-19 nas últimas 24 horas, informou o executivo brasileiro, acrescentando que investiga a eventual ligação de 2.346 óbitos com a doença.

Azul assinala melhoria da procura doméstica com o aproximar da época alta

06-10-2020 (16h59)

Embora com uma queda de tráfego em 51,9% em Setembro, a companhia de aviação brasileira Azul, fundada e presidida por David Neeleman, considera estar perante “uma melhora na demanda doméstica de passageiros, na medida que nos aproximamos da alta temporada no Brasil”.

Opinião e Análise