Justiça brasileira rejeita pedido de falência da Avianca Brasil

11-09-2019 (13h47)

Avianca (imagem: staralliance.com)
Avianca (imagem: staralliance.com)

O Tribunal de Justiça de São Paulo rejeitou o pedido de falência da companhia de aviação Avianca Brasil, do grupo dos irmãos Efromovich, e manteve o plano de recuperação judicial a decorrer desde Dezembro.

A decisão foi aprovada com três votos a favor e dois contra, ontem, terça-feira, na terceira sessão do julgamento.

Nesta sessão faltava apenas o voto de um juiz que inicialmente votou a favor da falência, mas recuou nessa decisão depois de analisar novamente o caso.

"Penso que essa é uma solução menos traumática para todas as partes", declarou esse juiz, que também defendeu que "não pode o poder judiciário impedir que a ‘recuperanda' tente cumprir os compromissos assumidos no plano".

"Além disso, nenhum credor pediu a quebra e nem o Ministério Público", acrescentou o juiz Shimura, citado pelo 'site' Consultor Jurídico.

Os credores da Avianca Brasil, que acumula dívidas de mais de mil milhões de reais (236 milhões de euros), aprovaram em Abril um plano de recuperação judicial que divide a companhia em sete Unidades Produtivas Isoladas (UPI) independentes.

Um leilão dos ativos da companhia chegou a ser realizado, mas a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) brasileira distribuiu os slots - faixas horárias para descolagens e aterragens - da Avianca Brasil para as companhias Azul, MAP e Passaredo, que os pretendiam para entrarem no atractivo mercado das ligações domésticas com a capital económica do país, São Paulo, nomeadamente a ‘ponte aérea' com o Rio de Janeiro.

O leilão da Avianca Brasil ocorreu após uma intensa atividade judicial, já que as suas dívidas milionárias levaram a diversas ações em tribunais, o que acabou por suspender a oferta em várias ocasiões, devido a recursos interpostos por alguns dos credores.

Contudo, o plano de recuperação judicial foi questionado pela estatal brasileira Petrobras e pela prestadora de serviços aeroportuários Swissport.

A recuperação judicial é uma medida que visa evitar a falência da Avianca e foi requerida porque a companhia deixou de ter condições para pagar as suas dívidas.

Em Maio, a ANAC anunciou a suspensão das operações da Avianca Brasil.

A Star Alliance - aliança de companhias de aviação, que tem como um dos membros a TAP - informou em Agosto que a Avianca Brasil iria deixar formalmente o grupo a 1 de Setembro

 

Clique para mais notícias: Avianca

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Brasil

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

GOL reduziu operação em 19,2 mil voos no mês de Julho

05-08-2020 (14h04)

A GOL, maior companhia de aviação brasileira em voos domésticos, indicou hoje que em Julho, mês tradicionalmente de férias escolares no Brasil, teve uma operação doméstica com -78% ou menos 19,2 mil voos que no mês homólogo de 2019.

Azul de David Neeleman atenua quebra de tráfego em Julho

05-08-2020 (12h32)

A companhia de aviação brasileira Azul, fundada e presidida pelo ex-accionista da TAP David Neeleman, teve em Julho, mês tradicionalmente de férias escolares no Brasil, um aumento de tráfego face a Junho em 40,7%, mas ainda ficou 77,6% abaixo de Julho de 2019.

Brasil conta mais de 94 mil mortos e de 2,7 milhões de infectados com covid-19

03-08-2020 (10h44)

O Brasil tem confirmados até hoje 94.104 mortos e 2.733.677 milhões de pessoas infectadas com covid-19, informou o Ministério da Saúde num site com dados sobre a pandemia.

Portugal renova interdição de turistas do Brasil, Estados Unidos, Canadá e China

31-07-2020 (14h16)

As novas regras para quem viaja de avião de/para Portugal, em vigor desde as 24h00 de hoje, mantém o país ‘fechado’ aos quatro mercados emissores de turistas que mais estavam a crescer e a compensar alguma estagnação da Europa.

Brasileiros ‘cortaram’ gastos em turismo no estrangeiro em 5.233 milhões de dólares

30-07-2020 (15h49)

Os turistas brasileiros, que em Portugal são a 5ª maior origem de receitas turísticas, gastaram em viagens e turismo no estrangeiro no primeiro semestre menos 5.233 milhões de dólares que há um ano, com uma redução em 59,4%, para 3.573,43 milhões.

Opinião e Análise