TAP foi a companhia de aviação que mais caiu nas vendas das agências corporate brasileiras em 2018

01-03-2019 (17h09)

As vendas de voos TAP pelas agências de viagens corporate brasileiras baixaram 14,6 milhões de reais (-11,5%) em 2018, no que foi a maior quebra entre 29 companhias com dados publicados pela ABRACORP, associação que reúne as maiores TMC brasileiras.

Os dados da ABRACORP indicam que em 2018 as suas associadas venderam 31.562 bilhetes de voos TAP, -8,5% ou menos 2.917 que em 2017, e que adicionalmente a tarifa média baixou 3,3%, para 3.565,17 reais.

A companhia portuguesa baixou assim de 6ª para 10ª companhia com mais bilhetes vendidos pelas agências ABRACORP, com 31.562, e de 8ª para 9ª no ranking por maiores valores de vendas, com 112,5 milhões de reais.

O Brasil é o maior mercado da TAP em valor das vendas de voos e as agências ABRACORP eram apontadas como um dos seus canais de venda mais relevantes.

A informação consultada pelo PressTUR mostra que a ABRACORP publica os dados das companhias europeias por grupos, nomeadamente juntando as vendas da Air France com as da KLM, da Lufthansa com a Swiss e da British Airways com a Iberia.

Nesta lógica, o grupo Air France KLM é o número 1 europeu tanto em número de bilhetes vendidos, com 54.332, como em valor de vendas, com 273,7 milhões de reais.

Em nº 2 surge o grupo Lufthansa e Swiss, com 31.788 bilhetes vendidos e 222,9 milhões de reais, seguido do grupo British Airways e Iberia, com 31.602 bilhetes vendidos e 147,1 milhões de reais.

A seguir surge a TAP, que em 2017 teve mais 2,4 mil bilhetes vendidos que Lufthansa e Swiss em conjunto e mais quase cinco mil que British Airways e Iberia, mas em 2018 já teve menos 226 que Lufthansa e Swiss e menos 40 que British Airways e Iberia.

Em valor de vendas, a TAP já em 2017 estava aquém dos outros grupos europeus, porque tinha uma tarifa média bastante inferior, de 3.687,2 reais face a 4.669,1 de British Airways e Iberia, 5.037,6 de Air France e KLM e 7.014,1 reais e Lufthansa e Swiss.

As diferenças de tarifa média, porém, podem decorrer das diferentes distâncias que os voos têm que percorrer, com grande diferença entre voar do Brasil para a Alemanha relativamente a voar para Portugal, como, também, qualidade do produto.

A informação da ABRACORP indica também que entre as europeias com mais bilhetes vendidos pelas suas associadas, além da TAP, com queda do número de bilhetes vendidos em 8,5%, também o grupo Lufthansa e Swiss teve um decréscimo em 1% ou 319, para 31.788.

Já o líder europeu, o grupo Air France KLM teve um aumento em 2,2% ou 1.179, para 54.332, e British Airways e Iberia tiveram +7,1% ou mais 2.099, somando 31.602.

Em valor de vendas, só a TAP teve quebra (-11,5% ou menos 14,6 milhões de reais, para 112,5 milhões), enquanto Air France e KLM tiveram um aumento em 6% ou 15,6 milhões de reais, somando 273,7 milhões, o grupo Lufthansa e Swiss teve um aumento em 6,6% ou 13,9 milhões de reais, atingindo 222,96 milhões, e British Airways e Iberia tiveram um aumento em 6,8% ou 9,4 milhões, atingindo um total de 147,1 milhões.

De acordo com o balanço da ABRACORP, as suas associadas venderam em 2018 um total de 758.077 bilhetes de voos internacionais, realizando 2.811,78 milhões de reais.

Relativamente a 2017, o número de bilhetes vendidos subiu 8,7% ou 61,2 mil, mas como a tarifa média baixou 2%, o montante de vendas subiu menos, em 6,6%, representando ainda assim um aumento de 174,15 milhões de reais.

Os dados da ABRACORP mostram que a nº 1 é a brasileira LATAM, com 180,3 mil bilhetes e 515 milhões de reais, seguida pela norte-americana American Express, com 88,5 mil bilhetes e 374,68 milhões de reais.

Os dados da ABRACORP incluem ainda as vendas de mais três companhias europeias, designadamente Alitalia, com 11,9 mil bilhetes e 45,1 milhões de reais, a Air Europa, com 2,6 mil bilhetes e 8,6 milhões de reais, e Turkish Airlines, com 1,5 mil bilhetes e 5,93 milhões de reais.

Relativamente a 2017, as vendas de Alitalia subiram 18,9% em número de bilhetes e 34,1% em valor das vendas, as vendas de Air Europa subiram 6,9% em número de bilhetes e 17,5% em valor e a Turkish teve aumentos de 26% em número de bilhetes e 73,4% em valor.

A informação inclui as vendas de voos internacionais da Azul, accionista da TAP, indicando que em número de bilhetes teve um crescimento em 24,2%, para 10.078, e em valor o aumento foi em 7,6%, para 22 milhões de reais.

 

Clique para mais notícias: TAP

Clique para mais notícias: ABRACORP

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Agências de viagens

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Brasil somou mais de mil mortos e 20 mil infectados com o novo coronavírus em 24 horas

28-05-2020 (14h49)

O Brasil registou 1.086 mortes e 20.599 infectados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, estando ainda a ser investigada a eventual relação de 4.108 óbitos com a covid-19, informou hoje o executivo.

LATAM Brasil programa retomar voos para Lisboa a 17 de Julho

26-05-2020 (10h44)

A LATAM Brasil (antiga TAM), maior companhia de aviação brasileira em voos internacionais e que começou a voar entre o seu hub em São Paulo Guarulhos e Lisboa a 3 de Setembro de 2019, tem programado retomar esta rota a partir de 17 de Julho.

Trump proíbe entrada nos EUA de estrangeiros que tenham estado no Brasil

25-05-2020 (11h00)

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, decretou a proibição de entrada no país de todos os estrangeiros que tenham estado no Brasil nos 14 dias anteriores à tentativa de entrada.

Oásis Atlântico divulga medidas para prevenir a propagação da covid-19 nos seus hotéis

22-05-2020 (11h22)

O grupo português Oásis Atlântico, que tem hotéis em Cabo Verde, Marrocos e Brasil, está a divulgar as medidas que implementou nos seus hotéis para prevenir a propagação da covid-19, incluindo reforço da limpeza e redução de capacidade em restaurantes e bares.

Latam pretende retomar progressivamente 18% da actividade em dois meses

21-05-2020 (10h35)

A companhia aérea Latam, uma das principais na América Latina, anunciou na quarta-feira que entre Junho e Julho vai tentar retomar parte da operação internacional, que ficou suspensa em cerca de 95% desde Abril por causa da pandemia.

Opinião e Análise