China exige medida inédita a viajantes provenientes de Portugal

07-09-2021 (15h20)

Imagem: Beijing Capital Airlines
Imagem: Beijing Capital Airlines

A China passou a exigir que os viajantes oriundos de Portugal cumpram uma quarentena de 21 dias antes de partirem para o país asiático, informou a embaixada chinesa em Lisboa, numa medida inédita de prevenção da covid-19.

As embaixadas da China na Bélgica, Rússia, Egipto e Peru emitiram comunicados semelhantes, impondo uma quarentena no país de origem, a que se soma outra quarentena na chegada à China, de pelo menos 14 dias.

A China, à semelhança de outros países, já exigia que qualquer pessoa que viajasse do exterior cumprisse um período de quarentena à chegada, mas uma quarentena obrigatória antes de embarcar é um requisito inédito.

“Todo o pessoal de empresas com capital chinês deve ser colocado em quarentena, com 21 dias de antecedência, e fornecer certificados de quarentena carimbados pelas respectivas empresas”, lê-se no comunicado difundido no portal oficial da embaixada da China em Lisboa.

“Tripulantes que tenham desembarcado em Portugal e pretendam embarcar com destino à China devem ser colocados em quarentena, em Portugal, por pelo menos 14 dias, devendo os certificados de quarentena ser emitidos pelas companhias aéreas”, acrescenta a mesma nota.

No caso de Portugal, o único voo directo para a China, operado pela companhia aérea Beijing Capital Airlines, tem como destino a cidade chinesa de Xi’an, que exige 21 dias de quarentena a quem chega do exterior, num hotel designado pelas autoridades, e mais sete dias posteriores na respectiva residência na China.

Os passageiros devem ainda apresentar o certificado de vacinação ou o certificado de teste de antigénio negativo. Para além de um daqueles dois certificados, o passageiro deve apresentar os resultados negativos dos testes de ácido nucleico PCR e de anticorpos IgM.

A ligação entre Lisboa e Xi’an tem a frequência de um voo por semana.

A Beijing Capital Airlines suspendeu também, temporariamente, o transporte de passageiros em trânsito para a China, via Lisboa, oriundos da África do Sul, Brasil, Índia, Nepal, Reino Unido, Angola, Moçambique, Itália e Espanha.

De acordo com a Agência Lusa, o país asiático, onde a covid-19 surgiu em Dezembro, foi o primeiro a conter o surto, pelo que passou a temer uma ressurgência devido aos casos oriundos do exterior, sobretudo chineses que tentam regressar ao país.

Clique para ver mais: Ásia & Pacífico

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Governo cabo-verdiano garante que agenda de reformas económicas é para retomar

26-10-2021 (16h10)

O vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, garantiu ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que o Governo pretende avançar com a agenda de reformas económicas, nomeadamente o programa de privatizações e concessões de serviços.

AHRESP pede reforço do Adaptar Turismo que esgotou em dois dias

26-10-2021 (15h56)

A Associação da Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) pediu hoje o reforço urgente do programa Adaptar Turismo, cuja dotação esgotou em dois dias, marcados por dificuldades no acesso à plataforma para submissão de candidaturas.

Rússia, Ucrânia e Bulgária voltam a bater recordes negativos

26-10-2021 (15h46)

Rússia, Ucrânia e Bulgária voltaram a registar recordes do número de mortos causados pela covid-19 nas últimas 24 horas, confirmando que o Leste e centro da Europa estão a viver um agravamento da pandemia desde o início de Outubro.

Aeroportos enfrentam novas perdas e dívidas elevadas

26-10-2021 (15h32)

Os aeroportos europeus viram a sua dívida aumentar 200% em relação aos níveis anteriores à pandemia e muitos vão registar de novo perdas importantes este ano, advertiu hoje a associação do sector.

Presidente do Grupo Minor, Dillip Rajakarier, espera um "grande salto" na procura turística

26-10-2021 (15h26)

Portugal está a “abrir caminho” na recuperação turística e deverá registar um “grande salto” na procura devido ao alívio das restrições e à ampla cobertura vacinal contra a covid-19, disse hoje o presidente executivo do grupo tailandês Minor.

Opinião e Análise