Covid-19 já matou 1,114 milhões de pessoas em todo o mundo

19-10-2020 (17h32)

Foto: Unsplash / Engin Akyurt
Foto: Unsplash / Engin Akyurt

A pandemia provocada pelo novo coronavírus já fez pelo menos 1.114.836 mortos em todo o mundo desde que foi notificado o primeiro caso na China, segundo o balanço diário da agência France-Presse.

Mais de 40.064.580 pessoas foram infectadas pelo novo coronavírus em todo o mundo, segundo o balanço, feito às 11h TMG (12h em Lisboa) de hoje com base em fontes oficiais.

Até hoje, pelo menos 27.549.400 pessoas foram consideradas curadas de covid-19, acrescenta a agência francesa, sublinhando que os números oficiais refletem apenas parte do número real de contaminações no mundo.

Alguns países só testam os casos graves, outros utilizam os testes sobretudo para rastreamento e muitos países pobres dispõem de capacidades limitadas de testagem.

No Domingo, registaram-se 4.198 mortes e 323.553 novas infeções, segundo os números coligidos e divulgados pela agência.

Os países que registaram mais mortes nesse dia foram a Índia (579), os Estados Unidos (509) e o Irão (337).

Os Estados Unidos continuam a ser o país mais afetado, tanto em número de mortes como de infeções, com um total de 219.676 mortes e 8.155.592 casos, segundo os dados da universidade Johns Hopkins, que contabiliza ainda mais de três milhões (3.234.138) de casos declarados curados.

Depois dos Estados Unidos, os países mais afetados são o Brasil com 153.905 mortes e 5.235.344 casos, Índia com 114.610 mortes (7.550.273 casos), México com 86.167 mortes (851.227 casos) e Reino Unido Unidos com 43.646 mortes (722.409 casos).

O Peru é por seu lado o país com o maior número de mortos em relação à população, com 102 mortes por 100.000 habitantes, seguido da Bélgica (90) e da Bolívia (73) e Brasil (72).

A China continental (sem Macau e Hong Kong) registou oficialmente um total de 85.685 casos (13 de domingo para hoje), dos quais 4.634 foram mortais e 80.786 declarados curados.

Por regiões do mundo, a América Latina e o Caribe totalizaram 380.467 mortes em 10.506.757 casos, Europa 250.756 mortes (7.464.354 casos), Estados Unidos e Canadá 229.436 mortes (8.353.716 casos), Ásia 160.045 mortes (9.743.257 casos), Médio Oriente 53.386 mortes (2.316.043 casos), África 39.740 mortes (1.647.157 casos), Oceânia 1.006 mortes (33.297 casos).

O balanço foi feito com base em dados obtidos pela AFP junto das autoridades nacionais e informações da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Devido a correções feitas pelas autoridades e a notificações tardias, o aumento dos números diários pode não corresponder exactamente à diferença em relação aos dados avançados na véspera.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Covid-19

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal voltou ontem a ter mais de seis mil diagnósticos de covid-19

05-12-2020 (15h08)

Portugal voltou ontem a ultrapassar a marca dos seis mil diagnósticos de covid-19, como já não acontecia desde 26 de Novembro.

easyJet reforça voos no Natal e Ano Novo entre Portugal, França, Luxemburgo e Suíça

04-12-2020 (16h08)

A easyJet anunciou que fará um reforço de 21 voos em Dezembro e Janeiro entre Portugal, França, Luxemburgo e Suíça, sem especificar em que rotas.

Wizz Air inclui Faro com voos todo o ano da sua nova base em Cardiff

04-12-2020 (14h46)

A low cost húngara Wizz Air, actualmente uma das maiores do seu segmento na Europa, tem previsto criar uma base em Cardiff com ligações a nove destinos, incluindo quatro com voos todo o ano, um dos quais é Faro.

Transavia voa este Natal e Ano Novo Lisboa-Funchal e Porto-Montpellier

04-12-2020 (14h40)

A companhia aérea Transavia, do Grupo Air France-KLM, anunciou que este Natal e Ano Novo vai operar 20 rotas em Portugal, incluindo um novo Lisboa-Funchal e um regresso às ligações Porto-Montepellier.

MSC Cruzeiros cancela operações no Mediterrâneo no Natal e Ano Novo

04-12-2020 (14h19)

A MSC Cruzeiros cancelou as suas operações no Mediterrâneo no Natal e Ano Novo, adiando-as para Janeiro e justificando a decisão com as “severas restrições à circulação impostas pelo governo italiano para a época festiva”.

Opinião e Análise