Abertura tardia de fonteira com Espanha agrava previsão para a economia portuguesa

07-07-2020 (16h31)

O comissário europeu da Economia disse hoje que o agravamento da projeção para a contração da economia portuguesa deve-se sobretudo a uma retoma abaixo do esperado no sector do turismo, e mencionou a reabertura tardia das fronteiras com Espanha.

Na conferência de imprensa de apresentação das previsões macroeconómicas intercalares de Verão, nas quais Portugal foi o Estado-membro que viu mais agravada a projeção de contracção do Produto Interno Bruto (PIB) – Bruxelas estima agora uma recessão de 9,8%, quando apontava para 6,8% em Maio –, Paolo Gentiloni admitiu que, “sim, há uma diferença nestas previsões de Verão relativamente às da Primavera”.

“A diferença deve-se a um desempenho pior do que o esperado no primeiro trimestre e a uma recuperação mais lenta do que o previsto no turismo estrangeiro, particularmente no número de voos, e também no atraso da reabertura da fronteira com Espanha, que só aconteceu há alguns dias”, apontou o comissário.

Segundo Gentiloni, esta acentuada revisão em baixa das projeções para a evolução do PIB português “confirma como a incerteza em torno de voos e do turismo global podem afectar particularmente economias muito dependentes” do setor turístico.

“Penso que como enfrentar [este problema] é uma das missões da nossa estratégia de recuperação e dos nossos pacotes [de propostas]”, declarou o comissário.

Quando questionado sobre se as previsões hoje atualizadas serão tidas em conta na decisão sobre a alocação dos apoios aos Estados-membros ao abrigo do proposto Fundo de Recuperação, Gentiloni não quis alongar-se, dizendo apenas que imagina “que a chave de alocação será discutida pelos líderes de todos os pontos de vista, incluindo este”, no Conselho Europeu de 17 e 18 de Julho, no qual os chefes de Estado e de Governo da UE vão tentar ‘fechar’ um acordo sobre o plano de recuperação (que inclui também o orçamento plurianual para 2021-2027).

A Comissão Europeia agravou hoje as suas previsões económicas para Portugal este ano face aos choques da covid-19, estimando agora uma contração de 9,8% do PIB, muito acima da anterior projeção, de 6,8%, e da do Governo, de 6,9%.

Nas previsões intercalares de Verão divulgadas hoje, o executivo comunitário reviu em baixa as projeções macroeconómicas, já sombrias, da Primavera para o conjunto da Zona Euro e da UE, mas mostra-se especialmente mais pessimista relativamente a Portugal, ao agravar a projeção de recessão em três pontos percentuais, apenas parcialmente compensada em 2021 com um crescimento de 6,0% (neste caso ligeiramente mais otimista do que os 5,8% antecipados na Primavera).

O executivo comunitário espera agora uma contração em Portugal acima da média da zona euro (-8,7%) e da UE (-8,3%), quando há dois meses estimava que ficasse abaixo, ao antecipar uma queda da economia portuguesa de 6,8%, contra 7,7% no espaço da moeda única e 7,6% no conjunto dos 27 Estados-membros.

“Com o confinamento a começar a diminuir em Maio, a atividade económica está lentamente a retomar, mas para muitas empresas, tais como companhias aéreas e hotéis, é expectável que a mesma permaneça bem abaixo dos níveis registados antes da pandemia durante um longo período. O PIB deverá assim recuar 9,8% em 2020, antes de recuperar em torno dos 6% em 2021”, aponta a Comissão, que adverte ainda para riscos sobretudo para o lado negativo, “devido ao forte impacto do turismo estrangeiro”, sector “onde as incertezas no médio prazo permanecem significativas”.

Bruxelas nota que “a atividade económica em Portugal inverteu-se acentuadamente em Março, uma vez que a pandemia de covid-19 trouxe perturbações significativas, particularmente para a grande indústria hoteleira do país”, o que levou a que, no primeiro trimestre do ano, o PIB caísse 3,8% na comparação em cadeia e 2,3% em termos homólogos, apesar dos dados muito positivos nos primeiros dois meses do ano”.

A Comissão estima que, no segundo trimestre do ano, o desempenho económico se deteriore a um ritmo ainda muito mais acentuado, de cerca de 14% na comparação trimestral em cadeia, “refletindo contrações dramáticas na maior parte de indicadores económicos”.

“O turismo tem sido o sector mais dramaticamente afetado, com as visitas a colapsarem quase 100% em Abril relativamente a um ano antes”, sublinha.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal mantém-se no final de Julho a 8ª maior origem/destino de passageiros dos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (17h03)

Os aeroportos espanhóis contabilizaram 1,077 milhões de passageiros em voos de/para Portugal nos primeiros sete meses deste ano, o que mantém o país como 8ª maior origem/destino de passageiros, ainda que a pandemia tenha causado uma quebra em 66% ou 2,087 milhões.

Pandemia já tirou mais de 105 milhões de passageiros aos aeroportos espanhóis

12-08-2020 (15h35)

Os aeroportos espanhóis tiveram em Julho quase sete milhões de passageiros, mas ainda assim ficaram 76,3% ou 22,4 milhões abaixo do mês homólogo de 2019, elevando a quebra desde o início do ano para 106,8 milhões (-67,9%), de acordo com os dados da AENA, gestora dos aeroportos espanhóis recolhidos pelo PressTUR.

Palma de Maiorca subiu a primeiro aeroporto espanhol em Julho, à frente de Madrid e Barcelona

12-08-2020 (12h25)

Embora com uma queda de passageiros em 73,8%, ‘normal' em tempos de pandemia, o Aeroporto ‘turístico' de Palma de Maiorca acabou por ser o aeroporto espanhol com mais passageiros em Julho, evidenciando a resiliência do destino turístico Baleares.

PIB espanhol cai 18,5% no segundo trimestre, a maior queda de sempre

31-07-2020 (12h01)

A economia espanhola registou uma queda histórica de 18,5% no segundo trimestre face ao primeiro, devido ao confinamento para conter a pandemia da covid-19, anunciou hoje o instituto nacional de estatística espanhol (INE).

Parque aquático de Fuerteventura só reabre em 2021

24-07-2020 (11h07)

O parque aquático de Fuerteventura Acua Water Park anunciou que só vai reabrir em 2021 devido ao impacto da covid-19 nas viagens internacionais.

Opinião e Análise