Barceló e Globalia voltam a negociar fusão de agências de viagens e operadores turísticos

08-10-2019 (12h40)

Os grupos Barceló e Globalia, dois dos maiores da organização e comercialização de viagens em Espanha, estão novamente a negociar a integração das suas divisões de agências de viagens e operação turística, para criar um gigante do turismo que disputaria a liderança do El Corte Inglés.

As duas empresas mantêm conversas há semanas para negociar a operação, segundo avança o jornal económico espanhol “Expansión”, indicando que foi contratada a Ernst & Young para analisar as sinergias da operação e o encaixe para os accionistas.

Fontes do mercado citadas pelo jornal disseram que executivos das duas empresas estão a analisar a fusão das agências de viagens Halcón e do operador turístico Travelplan, da Globalia, com a Ávoris, a divisão de viagens do grupo Barceló.

Os últimos resultados publicados indicam que a Ávoris, que em Portugal tem o operador Jolidey e as agências de viagens compradas à Globalia, facturou cerca de 1.100 milhões de euros em 2018 e que excluindo as receitas da sua companhia charter, a Evelop, a facturação é de 928 milhões.

A Globalia, que está presente em Portugal com a companhia de aviação Air Europa e o operador Travelplan, facturou 1.500 milhões de euros com as suas agências de viagens e operador turístico.

A fusão dos negócios de distribuição e operação turística da Globalia e da Barceló resultaria num grupo com receitas anuais de cerca de 2.500 milhões de euros.

Os outros principais players do sector em Espanha são a Viajes El Corte Inglés, que fechou o ano passado com uma facturação de 2.722 milhões, e Nautalia, do Grupo Wamos, que facturou cerca de 343 milhões.

Outra empresa em destaque, embora especializada na gestão de viagens de negócios e eventos corporativos, é a multinacional norte-americana CWT, que não divulga os dados por país.

A notícia do “Expansión” acrescenta que a integração dos negócios de distribuição e operação dos dois grupos permitiria ganhar peso e consolidar uma posição num momento em que muitas questões estão em aberto, designadamente devido às consequências no turismo espanhol da falência do gigante Thomas Cook.

Mas o jornal também assinala que não é a primeira vez que os dois grupos entram em negociações. Há mais de um ano, executivos das duas partes realizaram reuniões com esse objectivo, mas as negociações falharam porque os accionistas da Ávoris optaram pela venda do negócio a terceiros, o que acabou por falhar.

A Halcón Viajes está na origem do que é actualmente a Globalia, um grupo que tem presença nos sectores dos transportes aéreos (Air Europa), hotéis (Be Live) e operação turística (Travelplan), escreve o “Expansión”, acrescentando que no início da década de 1970, Juan José Hidalgo, presidente da Globalia e pai do actual CEO, Javier Hidalgo, abriu o primeiro escritório da Halcón em Cáceres.

A divisão de retalho da Globalia cresceu com a compra da Viajes Ecuador em 2003 e com a a compra de 75% da Tubillete.com em 2009, entre outros negócios. Segundo as contas do grupo, a divisão de retalho da Globalia tem receitas de 1.111 milhões euros, o que corresponde a quase um terço da facturação do grupo. A Travelplan, que programa pacotes turísticos baseados sobretudo na rede de voos regulares e charter da companhia aérea do grupo, Air Europa, nasceu em 1988 e factura 354 milhões.

Já o grupo fundado por Simón Barceló em 1931, ingressou no ramo de agências de viagens em 1954 e, actualmente, a Avoris reúne negócios de distribuição, operação turística e aviação (Evelop/Orbest). Em 2011, o Grupo Barceló contratou Gabriel Subías, fundador da falida Orizonia (ex-Viajes Iberia), comprada por fundos de investimento norte-americanos ao grupo Iberostar, para desenvolver a área da distribuição e operação.

O Grupo Barceló, que lançou a venda da Avoris há um ano e contratou a Lazard para procurar possíveis interessados, esteve prestes a fechar a venda para o multimilionário italiano Manfredi Lefebvre d'Ovidio, presidente da companhia de cruzeiros Silversea, que fez uma oferta pela Ávoris em parceria com o fundo de investimento Certares.

Em Portugal, o grupo Ávoris tem vindo a investir no reforço da sua actividade, designadamente com a compra das agências de viagens Halcón, em finais de 2017, e com a aquisição do operador turístico Nortravel e da Serhs Tourism (clique para ler: Ávoris compra agências de viagens Halcón em Portugal / Concorrência dá luz verde a controlo da Nortravel pela Escalatur / Serhs Tourism será essencial para os canais de venda do grupo Ávoris em Portugal e Espanha).

 

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para ver mais: Barceló / Ávoris

Clique para ver mais: Globalia

Clique para ver mais: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Madrid alarga restrições para travar covid-19 e abrange mais de um milhão de pessoas

25-09-2020 (12h42)

O Governo Regional de Madrid decidiu hoje alargar a mais 167.381 pessoas (oito zonas sanitárias) as medidas que atualmente já restringem a mobilidade de mais de 850.000 habitantes para impedir a propagação da pandemia de covid-19.

Portugueses reduziram em 82% as dormidas na hotelaria espanhola em Agosto

23-09-2020 (16h36)

A hotelaria espanhola teve este Agosto uma quebra de dormidas de turistas residentes em Portugal em 82%, desde logo por um decréscimo do número de turistas em 76,7%, a que acresceu uma diminuição da estada média em 22,8%.

Iberia reduz estrutura para enfrentar a crise provocada pela covid-19

17-09-2020 (16h31)

A Iberia está a reorganizar a sua estrutura para enfrentar a crise provocada pela pandemia de covid-19 e preparar a recuperação gradual da procura, tendo reduzido número de direcções da sua comissão directiva.

TAP tem quebra de passageiros mais forte que o mercado dos voos Portugal – Espanha

14-09-2020 (17h43)

A TAP, que interrompeu totalmente os voos de/para Espanha nos meses de Abril a Junho, inclusive, está a ter uma retoma difícil, com quebras mais fortes que o tráfego total entre os dois países ibéricos.

Quebra de passageiros em voos entre Espanha e Portugal atingiu 80,9% em Agosto

14-09-2020 (17h32)

Os voos entre Espanha e Portugal, que entre Junho e Setembro do ano passado superaram sempre o meio milhão de passageiros por mês, este Agosto ficaram nuns escassos 109,5 mil, com uma quebra homóloga em 80,9% ou 464,1 mil.

Opinião e Análise