Hotelaria espanhola cresce uns ‘magros’ 1,8% no 1º quadrimestre pela queda da estada média

23-05-2019 (16h50)

A hotelaria espanhola recebeu no primeiro quadrimestre mais 3,4% de turistas, mas contabilizou apenas +1,8% de dormidas, porque a estada média caiu 1,6%, de acordo com os dados publicados hoje pelo INE espanhol.

Os dados Instituto mostram que ainda asssim os hotéis espanhóis superaram no quadrimestre as 80 milhões de dormidas, tendo somado 80,459 milhões, mais 1,4 milhões que no período homólogo de 2018.

Os estabelecimentos espanhóis, de acordo com esses dados receberam 27,9 milhões de hóspedes nos primeiros quatro meses deste ano, mais 925,1 mil que no período homólogo de 2018, com +2,4% ou mais 338,2 mil residentes em Espanha, somando 14,58 milhões, e +4,6% ou mais 586,9 mil residentes no estrangeiro, totalizando 13,33 milhões.

Apesar deste aumento mais forte de hóspedes residentes no estrangeiro, este mercado teve um crescimento mais fraco em dormidas que o dos residentes em Espanha, com um aumento em 1,6% (mais 799,8 mil, para 49,92 milhões) face a um aumento em 2% (mais 609,3 mil, para 30,5 milhões).

A fazer a diferença esteve a estada média, que baixou 0,3% no segmento dos residentes em Espanha, para 2,09 noites, e 2,8% no dos residentes no estrangeiro, para 3,74 noites.

Por mercados, os mais penalizadores para a hotelaria espanhola no quadrimestre foram o alemão, com uma quebra de 503,7 mil dormidas (-5,1%, para 9,4 milhões), o sueco, com menos 309,1 mil dormidas (-15,5%, para 1,67 milhões), e o Belga, com menos 70,2 mil dormidas (-4,4%, para 1,5 milhões).

A proporcionar o aumento ainda assim em quase 800 mil dormidas de turistas estrangeiros no quadrimestre estiveram, principalmente, os Estados Unidos, com mais 236,5 mil dormidas (+15,4%, para 1,77 milhões), Itália, com mais 223 mil (+10,3%, para 2,379 milhões), Reino Unido, com mais 152,1 mil (+1,4%, para 11,299 milhões), a que se somaram os aumentos dos conjuntos “Resto do Mundo” (exclui Europa, América e Japão), com mais 329,9 mil (+12,9%, para 2,89 milhões), “América sem Estados Unidos”, com mais 198,1 mil (+9,6%, para 2,5 milhões, África, com mais 149,3 mil (+28,7%, para 669,4 mil), e “Resto da UE” (Chipre, Eslováquia, Eslovénia, Estónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Malta, Bulgária e Roménia), com mais 139,8 mil (+16,1% para 1,006 milhões).

 

Para ler mais clique:

Turistas portugueses na hotelaria espanhola aumentam 13%, mas permanecem menos tempo

 

Clique para mais notícias: Hotelaria espanhola

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Espanha

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Madrid reconhece reabertura da fronteira terrestre com Portugal para 1 de Julho

04-06-2020 (15h43)

O Governo espanhol declarou hoje que a abertura das fronteiras à mobilidade internacional segura terá lugar a partir de 1 de Julho, e não a 22 de Junho, como tinha indicado a ministra do Turismo esta manhã.

Air Europa retoma a 15 de Julho ligações com Lisboa, Porto e 15 destinos intercontinentais

02-06-2020 (17h31)

A Air Europa vai retomar as ligações com Lisboa e Porto, com voos diários de Madrid, no dia 15 de Julho, o mesmo dia em que tem programado voltar a operar 15 rotas intercontinentais a partir da capital espanhola.

NH reabre mais de metade dos seus hotéis este mês, incluindo nove em Portugal

02-06-2020 (14h28)

O NH Hotel Group anunciou que vai abrir já este mês 200 dos seus 361 hotéis em todo o mundo, incluindo nove em Portugal.

Pandemia de covid-19 reduziu a “zero” os turistas estrangeiros em Espanha em Abril

01-06-2020 (18h12)

O INE espanhol indicou hoje que o país, que é o segundo no mundo que mais recebe turistas internacionais, teve “zero” turistas estrangeiros no mês de Abril, atribuindo-o às disposições legais que estiveram em vigor devido ao agravamento pandemia de covid-19.

CEO da TUI elogia “clareza” de Espanha sobre reabertura ao turismo

26-05-2020 (10h47)

O CEO da TUI, maior grupo turístico europeu, elogiou a “clareza” de Espanha sobre o início da temporada de férias, por garantir a “milhões de turistas” que podem fazer férias no país.

Opinião e Análise