Comissão Europeia aprova projecto orçamental português para 2021

18-11-2020 (17h44)

Foto: Unsplash / Jakob Braun
Foto: Unsplash / Jakob Braun

A Comissão Europeia considerou hoje que o projecto de Orçamento do Estado de Portugal para 2021 “está globalmente em conformidade” com as recomendações do Conselho, mas aconselhou cautelas face ao elevado nível de défice e dívida pública.

Ao emitir hoje os seus pareceres sobre os planos orçamentais dos Estados-membros da zona euro para o próximo ano, elaborados num contexto extraordinário face à crise económica provocada pela pandemia da covid-19, Bruxelas aponta que “a maior parte das medidas previstas no projeto de plano orçamental de Portugal estão a apoiar a atividade económica num cenário de grande incerteza” e são sobretudo de natureza temporária.

Na sua opinião de hoje, a Comissão alerta que, “dado o nível da dívida pública portuguesa e os grandes desafios de sustentabilidade a médio prazo” verificados ainda antes do surto da covid-19, “é importante para Portugal assegurar que, ao tomar medidas de apoio orçamental, preserve a sustentabilidade orçamental no médio prazo”. Idêntica recomendação é dada a França, Espanha, Itália, Bélgica e Grécia.

A Comissão Europeia, de acordo com a Lusa, convida por isso Portugal a “rever regularmente a utilização, eficácia e adequabilidade das medidas de apoio e a estar pronto a adaptá-las na medida das necessidades face à evolução das circunstâncias”, uma recomendação que é dirigida, de resto, a todos os Estados-membros.

Este ano, esta segunda etapa do chamado "Pacote de Outono" do semestre europeu de coordenação de políticas económicas e orçamentais é adaptada à crise da covid-19, que levou a uma suspensão das regras do Pacto de Estabilidade e Crescimento, pelo que os pareceres da Comissão têm em conta a “natureza qualitativa” das recomendações económicas aos Estados-membros emitidas pelo Conselho em julho passado e focam-se sobretudo em avaliar “se as medidas de apoio orçamental previstas para 2021 são temporárias ou não”.

Para que os Estados-membros possam apoiar as suas economias face à crise gerada pela covid-19, que mergulhou a Europa na maior contração desde a II Guerra Mundial, a Comissão Europeia propôs uma suspensão inédita das regras de disciplina orçamental, através de uma ativação da cláusula geral de salvaguarda, aprovada pelos ministros das Finanças da UE, e que vigorará pelo menos até final de 2021.

A proposta de Orçamento de Estado de Portugal para 2021 foi aprovada na generalidade em 28 de Outubro passado na Assembleia da República, apenas com os votos favoráveis do PS e as abstenções do PCP, PAN, PEV e das deputadas Joacine Katar Moreira e Cristina Rodrigues.

A votação final global do orçamento está marcada para o próximo dia 26 de Novembro.

 

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

KLM reduz oferta de voos para Lisboa e Porto em Dezembro

27-11-2020 (12h43)

A companhia de aviação holandesa KLM anunciou uma redução de 15% da sua oferta de voos de Amesterdão para Lisboa e Porto durante o mês de Dezembro.

Disney vai despedir mais de 30 mil trabalhadores

27-11-2020 (10h05)

A Walt Disney Company anunciou que vai despedir 32 mil trabalhadores, principalmente funcionários dos seus parques temáticos, devido à pandemia de covid-19.

Meliá vai transformar um palácio em Milão num hotel de luxo

25-11-2020 (10h03)

A Meliá Hotels International vai transformar o Palazzo Venezia no seu quarto hotel na cidade de Milão, previsto inaugurar em 2023 com a sua marca de luxo Gran Meliá.

Quarentena à chegada a Inglaterra pode ser reduzida para cinco dias com teste negativo

24-11-2020 (12h49)

As novas regras para as pessoas que chegam a Inglaterra a partir de 15 de Dezembro incluem a redução do período de isolamento de duas semanas para cinco dias, mediante a apresentação de um teste de covid-19 negativo, que tem um custo de pelo menos 65 libras (73 euros).

CEO da Booking alerta hotelaria para aumento da procura de alojamento alternativo

23-11-2020 (12h51)

Glenn Fogel, presidente e CEO da Booking, está a alertar o mercado da hotelaria para uma nova tendência da procura em 2021, em que os tradicionais clientes dos hotéis também vão passar a considerar os alojamentos alternativos nas suas pesquisas.

Opinião e Análise