Grupo Lufthansa ‘enterra’ projecto “família WINGS”

26-06-2019 (17h35)

O Grupo Lufthansa, nº1 da Europa em tráfego transportado, assumiu esta semana a falência do projecto que há cinco anos apelidava de “família WINGS”, com base no modelo da low cost Germanwings, de que a ‘novidade’ era a aposta no longo curso low cost com a Eurowings.

Foi em Julho de 2014 que o então CEO do Grupo Lufthansa Carsten Spohr anunciou a “WINGS long-haul”, apresentada como uma companhia low-frills com uma nova marca, tendo por base a concepção que “as viagens privadas estão a crescer mais rapidamente que o segmento de viagens empresariais” (para ler mais clique: Grupo Lufthansa anuncia ‘revolução’ ‘sem’ alianças e com low cost intercontinental).

Mas esta semana o Grupo deu por findo esse projecto que segundo a imprensa internacional lhe estava a custar dois milhões de euros por dia.

Ainda não está totalmente claro o que tenciona fazer, a não ser que a Eurowings deixa o longo curso e ficará apenas com voos ponto a ponto de curto e médio cursos.

A maior indefinição é, porém, quanto à companhia de aviação belga Brussels, de que o grupo Lufthansa exerceu a opção de tomar a totalidade do capital em 2016, com a garantia de que manterá a marca, acrescentando a assinatura “Member of the Eurowings Group” (clique para ler: Lufthansa assume 100% da Brussels e integra-a no grupo Eurowings a partir de 2018).

O Grupo anunciou esta semana que apenas no terceiro trimestre apresentará novos planos para a Brussels, depois que ser membro da Eurowings deixou de ser opção.

Este desfecho para o que Carsten Spohr apelidava de “família WINGS” começou a ser a perspectiva mais plausível depois que em Abril o grupo Lufthansa indicou que para a subsidiária Eurowings perspectivava crescimento zero este ano, quando alguns meses antes ainda apontava para um aumento de capacidade de 2% (clique para ler: Lufthansa 'congela' expansão da Eurowings).

As medidas anunciadas passam também por reduzir de quatro a apenas um na Alemanha o número de Certificados de Operador Aéreo detidos pela Eurowings, bem como reduzir o número de aviões na sua frota, actualmente de 139, em 10% a 20%.

O objectivo anunciado pelo grupo é que o custo unitário (por lugar voado um quilómetro) da Eurowings caia de 6,6 cêntimos de euro em 2018 para 6,10 cêntimos este ano e 5,20 cêntimos em 2022.

 

Clique para mais notícias: Lufthansa

Clique para mais notícias: Eurowings

Clique para mais notícias: Brussels

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Noruega autoriza viagens profissionais para os países nórdicos sem quarentena

29-05-2020 (17h25)

Os noruegueses que se desloquem aos países nórdicos por motivos profissionais ou os trabalhadores estrangeiros provenientes desses países vão deixar de ser submetidos a regime de quarentena a partir de segunda-feira, e as pessoas que estiveram em contacto directo com os casos confirmados da covid-19 vão ser testadas duas vezes, respectovamente três e sete dias após o contacto.

Louvre, Torre Eiffel e Versailles vão continuar fechados aos turistas

29-05-2020 (16h55)

O museu do Louvre, a Torre Eiffel e o Palácio de Versailles são alguns dos monumentos icónicos franceses cujas visitas continuarão interditas, mesmo quando o país levantar as restrições relativas à pandemia da covid-19 na próxima semana.

easyJet vai eliminar 4.500 postos de trabalho

28-05-2020 (10h03)

A companhia aérea britânica easyJet anunciou hoje que vai eliminar 4.500 postos de trabalho, quase um terço dos seus efectivos, para lidar com as quebras provocadas pela pandemia de covid-19.

Agência Europeia da Aviação Civil monitoriza orientações de segurança

27-05-2020 (17h38)

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, na sigla em inglês) lançou um programa para monitorizar a implementação das orientações de segurança relativas à pandemia de covid-19 pelos aeroportos e pelas companhias aéreas europeias, foi hoje anunciado.

Governo alemão adia decisão de levantar advertência para viagens na Europa

27-05-2020 (17h14)

O Governo alemão adiou até à próxima quarta-feira a decisão de retirar a sua recomendação contra viagens para o estrangeiro devido à pandemia do novo coronavírus, informou hoje o grupo mediático Redaktionsnetzwerk Deutschland (RND).

Opinião e Análise