Passageiros afectados por incidente com o MSC Opera em Veneza serão reembolsados

04-06-2019 (10h53)

Foto: MSC Cruzeiros
Foto: MSC Cruzeiros

A MSC Cruzeiros anunciou que vai reembolsar os passageiros afectados pelo incidente com o seu navio MSC Opera em Veneza, no Domingo, e adiantou que cancelou o itinerário programado.

“A MSC Cruzeiros tomou a decisão de cancelar o cruzeiro actual até ao início do próximo e de reembolsar a cada passageiro o custo total do bilhete de cruzeiro e quaisquer serviços pré-pagos adquiridos”, indica a empresa em comunicado.

O MSC Opera, na chegada a Veneza, este Domingo, embateu numa doca e num barco turístico para atracar, conforme relataram órgãos de comunicação social italianos (clique para ler: MSC Opera embate na doca à chegada a Veneza).

Num comunicado divulgado ao fim do dia de ontem, a companhia de cruzeiros adianta que “as investigações para apurar as causas do incidente estão neste momento a demorar mais do que inicialmente previsto e, por esse motivo, dificilmente o navio voltará a navegar hoje ou amanhã [segunda ou terça-feira]”.

A empresa de cruzeiros, com sede na Suíça, refere também que “tem trabalhado desde o início em estreita colaboração com as autoridades envolvidas e disponibilizou total cooperação 24 horas por dia para ajudar a constituir todos os factos, bem como para recuperar todos os dados técnicos”.

A MSC Cruzeiros indica ainda que recebeu na manhã de segunda-feira permissão das autoridades para começar os trabalhos de restauração do navio, cujos estragos se limitam “à parte mais periférica do casco”.

A empresa avança que “o navio permanecerá disponível para todos os passageiros que pretenderem ficar a bordo, uma vez que ficará em Veneza até ao final do cruzeiro previamente programado”, e “todos os serviços e entretenimento a bordo continuarão a operar na sua totalidade”.

Já para os passageiros que quiserem desembarcar a qualquer momento e regressar a casa, “a MSC Cruzeiros vai disponibilizar toda a assistência necessária para o transporte e assumirá os custos”.

O acidente em San Basilio-Zaterre, no Canal Giudecca, pode ter acontecido devido à quebra de um dos cabos que ligam os navios de cruzeiro aos rebocadores que os ajudam a entrar nos canais, de acordo com o jornal Corriere della Sera.

A quebra do cabo faria com que o navio de cruzeiros não conseguisse parar por causa das fortes correntes que o empurravam para a doca, acrescentou.

O acidente causou dois feridos ligeiros e duas outras pessoas foram levadas para o hospital para observação, não tendo sido referida a sua nacionalidade.

O MSC Opera tem capacidade para transportar até 2.679 passageiros.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: MSC Cruzeiros

Clique para ver mais: Cruzeiros

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Brussels programa 21 voos para Portugal este Agosto

05-08-2020 (16h11)

A Brussels Airlines, companhia belga do grupo Lufthansa, tem programado efectuar este Agosto 21 voos por semana do seu hub de Bruxelas para os aeroportos portugueses do Porto, de Lisboa e de Faro.

Noruega suspende desembarques de cruzeiros durante duas semanas após surto em navio

04-08-2020 (15h52)

O Governo norueguês anunciou que vai impedir nas próximas duas semanas o desembarque de cruzeiros nos seus portos, após a confirmação de um surto de Covid-19 num navio da companhia Hurtigruten.

ACI, A4E e IATA dizem que os governos prejudicam mais do que ajudam

31-07-2020 (17h15)

As associações comerciais representativas de aeroportos e companhias aéreas europeias ACI, A4E e IATA acusaram hoje os governos europeus de terem “uma abordagem inconsistente das restrições de viagem”.

TUI vai fechar 166 agências de viagens no Reino Unido e na Irlanda

31-07-2020 (16h00)

A TUI, maior grupo turístico europeu, anunciou que vai encerrar 166 agências de viagens no Reino Unido e na Irlanda.

Bruxelas aprova apoio alemão de 840 milhões para cobrir vouchers de viagens canceladas

31-07-2020 (12h09)

A Comissão Europeia deu hoje ‘luz verde’ a um apoio estatal da Alemanha de 840 milhões de euros para cobrir vouchers emitidos por operadores turísticos para compensar cancelamentos de viagens devido à covid-19, visando tornar esta numa opção mais “fiável”.

Opinião e Análise