Passageiros de zonas muito perigosas na UE obrigados a teste antes de viagens

22-01-2021 (16h43)

Foto: Comissão Europeia / Etienne Ansotte
Foto: Comissão Europeia / Etienne Ansotte

Os líderes europeus decidiram manter abertas as fronteiras internas da União Europeia (UE), mas reforçando as medidas de contenção da covid-19, passando a ser obrigatório que passageiros de novas zonas consideradas muito perigosas tenham de apresentar testes negativos.

"Decidimos manter as fronteiras internas abertas, mas precisamos de medidas direccionadas", anunciou ontem a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, falando em conferência de imprensa após ter participado numa reunião por videoconferência com os chefes de Estado e de Governo da UE.

Na ocasião foi decidido "refinar o mapa" que retrata a situação epidemiológica da covid-19 na UE, o que implica criar "novas áreas de risco" e, assim, introduzir as "zonas vermelho escuro", explicou a responsável à imprensa, citada pela agência Lusa.

Isto significa que "as pessoas que viajam de zonas vermelho escuro podem ter de fazer testes antes de viajar e depois fazer quarentena" quando chegarem ao destino, precisou a líder do executivo comunitário.

Aquele que é um sistema de semáforos sobre a propagação da covid-19 na UE, começa no verde (situação favorável) e chegará até ao vermelho escuro (situação muito perigosa), já superior ao máximo actual, o vermelho.

"Passaremos a trabalhar com base neste sistema de zonas", apontou Ursula von der Leyen, notando que esta é uma "abordagem comum" que pode evitar situações como a suspensão de viagens e garantir o pleno funcionamento do mercado único.

Ainda assim, eventuais suspensões de viagens são sempre decisões a serem tomadas por cada Estado-membro, como fez Portugal no caso dos voos de e para o Reino Unido (clique para ler: Portugal suspende voos de/para o Reino Unido).

Já no caso de viagens de países terceiros para a UE, passa a ser sempre exigido "testes antes da partida", independentemente da região de partida, de acordo com Ursula von der Leyen.

A responsável avisou que "as viagens não essenciais devem ser evitadas ao máximo", notando que, "por toda a Europa, a situação permanece muito grave".

"Há razões para esperança por causa da vacina, mas é preciso ter muita cautela por causa das novas variantes" do SARS-CoV-2, apontou a líder do executivo comunitário. E reconheceu: "Estamos cada vez mais preocupados com as novas variantes".

Ver também:

Conselho Europeu quer fronteiras abertas na UE, mas com restrições para viagens não essenciais

 

Clique para ver mais: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Amadeus assina parceria com a Microsoft para “impulsionar a inovação”

26-02-2021 (15h28)

O Amadeus assinou um acordo com a Microsoft para usar a sua “tecnologia de cloud para inovar e explorar novos produtos e soluções e criar experiências de viagens mais fáceis no futuro”.

IAG assina com Amadeus para chegar às agências de viagens via NDC

26-02-2021 (13h54)

As companhias aéreas British Airways, Iberia, Aer Lingus e Vueling, que constituem o IAG, anunciaram hoje que vão ter os seus voos e serviços disponíveis para agências de viagens através de soluções NDC na Amadeus Travel Platform.

Certificado de vacinação europeu requer “pelo menos três meses de desenvolvimento técnico”

26-02-2021 (12h35)

A presidente da Comissão Europeia disse que os países da União Europeia vão ter de trabalhar rapidamente para criar um certificado de vacinação que funcione este Verão, e alertou que são precisos “pelo menos três meses de desenvolvimento técnico”.

Travelport anuncia nova plataforma que irá “reinventar o retalho de viagens”

25-02-2021 (17h27)

A Travelport, empresa a que pertence o Galileo, sistema global de reservas (GDS) mais utilizado pelas agências de viagens portuguesas, está a investir na “reconstrução completa” da sua plataforma para apresentar um novo marketplace quer irá “reinventar o retalho de viagens”.

França faz pleno da liderança de passageiros nos três maiores aeroportos portugueses

25-02-2021 (17h07)

França foi a primeira origem/destino de passageiros dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro no primeiro mês deste ano, destronando o Reino Unido no Algarve, onde os voos de/para as ilhas britânicas tiveram uma quebra em 96%, que é a maior de todos os aeroportos em Janeiro.

Ultimas Noticias

Opinião e Análise