Reino Unido impõe quarentena obrigatória em hotéis para viajantes de países de alto risco

27-01-2021 (14h54)

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, anunciou hoje que todas as pessoas que chegarem a Inglaterra de países de alto risco, como Portugal, terão de cumprir dez dias de quarentena num hotel.

“Para reduzir o risco colocado por cidadãos do Reino Unido e residentes que voltam para casa destes países, posso anunciar que exigiremos a todas as chegadas em que não possa ser recusada a entrada a ficar em isolamento em alojamento como hotéis, providenciado pelo Governo”, frisou Boris Johnson.

“Serão recebidos nos aeroportos e transportados directamente para a quarentena”, sublinhou o governante, citado pela agência Lusa.

As novas regras serão detalhadas mais tarde pela ministra do Interior, Priti Patel.

Em causa está o risco de novas infecções com variantes mais perigosas do SARS-CoV-2, como as detectadas na África do Sul ou no Brasil.

Além destes dois países, a medida deverá ser aplicada a mais 20 países, incluindo Portugal, Cabo Verde, Angola e Moçambique, bem como Argentina, Chile, dos quais estão suspensos voos directos e proibida a entrada de visitantes devido às ligações próximas com a África do Sul e Brasil.

Até agora, a quarentena de 10 dias podia ser feita na própria casa e encurtada para metade após a realização de um teste no quinto dia, sendo as infracções penalizadas com multas que variam entre 1.000 e 10.000 libras (1.130 e 11.300 euros).

Assim, os britânicos e residentes no Reino Unido que chegarem a Inglaterra de países potencialmente afectados pelas variantes ficam sujeitos a este sistema, como Portugal e a maioria dos países do sul de África e América do Sul devido às relações próximas com o Brasil e América do Sul.

Citado pela “Sky News”, Boris Johnson também frisou que “de acordo com os regulamentos de permanência em casa, é ilegal sair de casa para viajar para o exterior para fins de lazer”, uma medida que pretende assegurar “em portos e aeroportos perguntando às pessoas por que estão a sair e instruindo-as a voltar para casa se não tiverem um motivo válido para viajar”.

Desde 15 de Janeiro que os voos directos de Portugal, Cabo Verde e de 14 países da América do Sul foram suspensos pelo Reino Unido para evitar a chegada de casos com uma nova variante do vírus detectada no Brasil, considerada muito contagiosa.

O Reino Unido já tinha proibido em Dezembro voos directos da África do Sul e de outros países africanos, como Angola e Moçambique, e a entrada de passageiros devido ao risco apresentado por uma nova estirpe do SARS-CoV-2, designada por 501Y.V2, também considerada altamente infecciosa.

As chegadas desses países já são proibidas, excepto para britânicos e estrangeiros com estatuto de residente, e todos têm de apresentar um resultado negativo de um teste de diagnóstico realizado até 72 horas antes.

De acordo com o regime de confinamento em vigor, todas as viagens ao estrangeiro desnecessárias, como turismo, estão proibidas e o primeiro-ministro afirmou que o controlo a saída vai passar a ser maior, podendo as pessoas ser impedidas de passar a fronteira “se não tiverem uma razão válida".

Segundo o jornal The Times, a ministra do Interior chegou a propor o encerramento total das fronteiras e a quarentena em hotéis para passageiros de todos os países, mas o primeiro-ministro, Boris Johnson, rejeitou.

O Reino Unido tornou-se o primeiro país europeu a romper a barreira das 100 mil mortes durante a pandemia covid-19, até agora só alcançada pelos Estados Unidos, Índia, Brasil e México.

Na terça-feira fora registadas 1.631 mortes, elevando o total para 100.162, mas o balanço sobe para 103.602 se forem somados os casos cujas certidões de óbito fazem referência ao novo coronavírus como factor contributivo.

 

Clique para ver mais: Reino Unido

Clique para ver mais: Europa

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Travelport anuncia nova plataforma que irá “reinventar o retalho de viagens”

25-02-2021 (17h27)

A Travelport, empresa a que pertence o Galileo, sistema global de reservas (GDS) mais utilizado pelas agências de viagens portuguesas, está a investir na “reconstrução completa” da sua plataforma para apresentar um novo marketplace quer irá “reinventar o retalho de viagens”.

França faz pleno da liderança de passageiros nos três maiores aeroportos portugueses

25-02-2021 (17h07)

França foi a primeira origem/destino de passageiros dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro no primeiro mês deste ano, destronando o Reino Unido no Algarve, onde os voos de/para as ilhas britânicas tiveram uma quebra em 96%, que é a maior de todos os aeroportos em Janeiro.

Manifesto Europeu de Turismo divulga recomendações para planear retoma das viagens a tempo do Verão

25-02-2021 (15h15)

O Manifesto Europeu de Turismo, que reúne mais de 60 organizações de turismo europeias, públicas e privadas, defende a criação de um grupo de trabalho liderado pela Comissão Europeia para preparar a retoma das viagens a tempo do Verão.

Travelport revela nova imagem em antecipação de “um ano de avanços significativos”

25-02-2021 (14h12)

A multinacional tecnológica Travelport, da qual faz parte o GDS Galileo, líder entre as agências de viagens portuguesas, revelou a sua nova imagem, que segundo Greg Webb, CEO, reflecte a nova identidade da empresa e a sua "visão para o futuro".

ECTAA quer acção das instituições europeias para travar atrasos nos reembolsos de viagens

23-02-2021 (18h24)

A ECTAA, organização que junta as associações de agências de viagens e operadores turísticos da Europa, quer que as instituições europeias actuem no sentido de obrigar as companhias de aviação a reembolsarem pelos voos não realizados pelos impactos da pandemia de covid-19.

Opinião e Análise