Reino Unido termina proibição de voos para Sharm el-Sheikh

23-10-2019 (15h32)

Foto: www.egypt.travel
Foto: www.egypt.travel

O Governo britânico levantou a proibição de voos directos para Sharm el-Sheikh, Egipto, ordenada após um atentado contra um avião russo em 2015, anunciou a embaixada em comunicado.

O Governo britânico informou as companhias aéreas “que já não aconselha que se evitem os voos em direcção ao aeroporto de Sharm el-Sheikh”, indica o comunicado.

A proibição foi decretada por Londres após o atentado, em Outubro de 2015, contra um avião russo que transportava veraneantes para Sharm el-Sheikh, uma estância turística no Mar Vermelho, que provocou 244 mortos.

“O Reino Unido fez saber claramente que os voos para Sharm el-Sheikh seriam retomados quando a situação o permitisse”, considerou Andrew Murrison, ministro britânico para o Médio Oriente e África do Norte, citado no comunicado.

“Fico feliz por saber que podemos anunciar hoje o levantamento das actuais restrições”, acrescentou.

Pouco após este anúncio, os ministérios egípcios da Aviação civil e do Turismo emitiram comunicados onde se congratulam com a decisão.

A ministra do Turismo, Rania al-Mashat, considerou designadamente que este anúncio vai recompensar “os esforços efetuados pelo Governo egípcio para garantir a segurança de todos os visitantes em cada destinação egípcia”.

O grupo ‘jihadista’ Estado Islâmico (EI) reivindicou o ataque de 2015 contra o avião da companhia russa Metrojet que transportava sobretudo cidadãos russos.

Após o atentado, Moscovo também proibiu os voos directos para todo o território egípcio. Em Abril de 2018, a Rússia anunciou o recomeço dos voos para o Cairo, mas não para Sharm el-Sheikh.

Em 2015, britânicos e russos incluíam-se entre os mais importantes contingentes de turistas que optavam por esta estação balnear. O atentado de 2015 teve efeitos devastadores na indústria turística egípcia, já em declínio após os anos de instabilidade política e os atentados que se seguiram à revolta de 2011 e à queda do presidente Hosni Mubarak, o golpe que afastou o seu sucessor eleito Mohamed Morsi em 2013, com o aumento da repressão, e a guerra sem tréguas que se instalou na península do Sinai.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para ver mais: Egipto

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Aviação já vai ganhando ‘altitude’ e Wizz Air sobressai

02-06-2020 (17h35)

A aviação mundial dá claros sinais de estar a levantar voo, que se traduz num aumento esta semana dos lugares disponíveis em cerca de 16%, de acordo com a consultora OAG, que não deixa de notar que se a comparação for com a semana homóloga de 2019, então a quebra ainda é dramática.

Lufthansa aceita novo acordo com a Comissão Europeia para receber financiamento

01-06-2020 (15h58)

A Lufthansa aceitou ceder até 24 slots diários nos aeroportos de Frankfurt e de Munique a outras companhias aéreas para receber um pacote de ajuda superior a nove mil milhões de euros.

Noruega autoriza viagens profissionais para os países nórdicos sem quarentena

29-05-2020 (17h25)

Os noruegueses que se desloquem aos países nórdicos por motivos profissionais ou os trabalhadores estrangeiros provenientes desses países vão deixar de ser submetidos a regime de quarentena a partir de segunda-feira, e as pessoas que estiveram em contacto directo com os casos confirmados da covid-19 vão ser testadas duas vezes, respectovamente três e sete dias após o contacto.

Louvre, Torre Eiffel e Versailles vão continuar fechados aos turistas

29-05-2020 (16h55)

O museu do Louvre, a Torre Eiffel e o Palácio de Versailles são alguns dos monumentos icónicos franceses cujas visitas continuarão interditas, mesmo quando o país levantar as restrições relativas à pandemia da covid-19 na próxima semana.

easyJet vai eliminar 4.500 postos de trabalho

28-05-2020 (10h03)

A companhia aérea britânica easyJet anunciou hoje que vai eliminar 4.500 postos de trabalho, quase um terço dos seus efectivos, para lidar com as quebras provocadas pela pandemia de covid-19.

Opinião e Análise