IAG tem prejuízo operacional de 1,3 mil milhões de euros no 4º trimestre

22-10-2020 (13h13)

O IAG, segundo maior grupo de aviação europeu, juntando British Airways, Iberia, Vueling, Aer Lingus e Level, informou hoje que no terceiro trimestre, época alta da aviação no Hemisfério Norte, teve um prejuízo de 1,3 mil milhões de euros, que significa uma degradação de 2,7 mil milhões em relação ao período homólogo de 2019.

Em informação preliminar ao mercado sobre a actividade naquele que é tradicionalmente o trimestre em que as companhias de aviação europeias ‘fazem’ os lucros do ano, o IAG indica que teve uma quebra de receitas que atinge em 83% ou 6,1 mil milhões de euros, tendo ficado em 1,2 milhões.

A informação, subscrita pelo seu Chief Financial Officer, Stephen Gunning, realça que “desenvolvimentos recentes” mostram as reservas a terem um comportamento pior que o esperado, atribuindo-o às medidas adicionais que os governos europeus estão a tomar para conter o agravamento do número de infecções por covid-19, desde confinamentos a extensão de quarentenas.

O grupo diz ainda que as medidas desenhadas para substituir as quarentenas e aumentar a confiança dos consumidores em viajarem, como testes à partida e ‘corredores aéreos’ “não foram adoptadas pelos governos tão rapidamente quando se antecipava”.

Neste quadro o grupo avança que no 4º trimestre terá apenas 30% da capacidade que teve no período homólogo de 2019, mas ‘tranquiliza’ os investidores quando à liquidez de que dispõe para enfrentar a crise, que atinge 9,3 mil milhões de euros quando se contabilizam os 2,74 mil milhões de euros de encaixe do aumento de capital.

O grupo especifica que a 30 de Setembro, data de fecho do balanço do terceiro trimestre, a liquidez total estava em 6,6 mil milhões de euros.

Para ler mais clique:

IAG anuncia redução da capacidade este trimestre a “não mais de 30%” do que teve há um ano

 

Clique para mais notícias: IAG

Clique para mais notícias: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

NCL tem “Portugal no radar como mercado emissor e como destino”

23-02-2021 (19h29)

A Norwegian Cruise Line (NCL), que antes da pandemia de covid-19 estava a investir em Portugal como destino e mercado emissor para os seus cruzeiros, vai continuar a investir no seu crescimento no país, anunciaram hoje os directores da companhia Kevin Bubolz e Jürgen Stille numa conferência de imprensa online.

Agências de viagens e operadores já têm linha de cem milhões para reembolsarem clientes

23-02-2021 (18h45)

O Ministério da Economia anunciou que desde hoje as agências de viagens e operadores turísticos já dispõem de uma linha de crédito para poderem reembolsar clientes que, devido aos impactos da covid-19, ficaram sem as viagens que pagaram.

ECTAA quer acção das instituições europeias para travar atrasos nos reembolsos de viagens

23-02-2021 (18h24)

A ECTAA, organização que junta as associações de agências de viagens e operadores turísticos da Europa, quer que as instituições europeias actuem no sentido de obrigar as companhias de aviação a reembolsarem pelos voos não realizados pelos impactos da pandemia de covid-19.

NCL cria plataforma para agentes de viagens que permitirá “regressar em força” às vendas

23-02-2021 (17h33)

A Norwegian Cruise Line (NCL) aproveitou a suspensão das operações para investir numa plataforma que permitirá aos agentes de viagens "vender melhor os nossos cruzeiros" e, assim, "regressar em força", anunciaram hoje os directores da companhia Kevin Bubolz e Jürgen Stille numa conferência de imprensa online.

TAP confirma Nuno Sousa como responsável de Vendas no mercado português

23-02-2021 (14h13)

A TAP confirmou hoje a notícia avançada pelo PressTUR na sexta-feira de que Nuno Sousa substitui Dionísio Barum na liderança das Vendas da companhia aérea no mercado português.

Opinião e Análise