Lojas de Macau aderem a campanha para atrair mercado da China continental

13-08-2020 (16h55)

Mais de 20 mil lojas de Macau participam numa campanha promocional do território no mercado da China continental, para aproveitar o anunciado recomeço gradual da emissão de vistos no país, foi hoje anunciado.

A emissão de vistos já arrancou na vizinha cidade de Zhuhai e deve ser alargada a 26 de Agosto a toda a província de Guangdong. Se o cenário pandémico se mantiver estável, segue-se a 23 de Setembro o resto do país, principal mercado turístico de Macau.

A Direcção dos Serviços de Turismo (DST) e a Direcção dos Serviços de Economia (DSE) estão a apoiar a plataforma digital Alipay neste “festival de mega promoções” focado na província de Guangdong.

“Através de actividades promocionais e descontos, a iniciativa visa divulgar em Guangdong produtos e lojas de marcas características de Macau, para atrair visitantes da província vizinha (…), impulsionando a revitalização da (…) indústria turística da cidade”, segundo a DST.

“Mais de 20 mil lojas que integram a rede do sistema de pagamento da Alipay em Macau lançaram uma série de descontos e promoções, em sintonia com o repto lançado pela plataforma electrónica “Vamos! Macau!” criada pela DST”, pode ler-se no comunicado.

Em simultâneo, a DST está a divulgar o festival da Alipay através de vários canais ‘online’, enquanto a Alipay destaca, dentro de Guangdong, na plataforma digital, várias marcas e lojas características de Macau.

A iniciativa prolonga-se até 31 de Outubro. “Com o gradual recomeço da emissão de documentos de viagem para turismo do Interior da China para Macau, mais viajantes do interior da China beneficiarão das várias ofertas do festival, enquanto a iniciativa deverá por seu lado contribuir para estimular mais visitantes a visitar e consumir em Macau”, destacou a DST.

Macau, que recebeu quase 40 milhões de visitantes em 2019, nunca registou qualquer caso de transmissão comunitária com o novo coronavírus, começou a levantar algumas restrições fronteiriças com a China continental, mantendo a política de Pequim de proibir para já a entrada de visitantes estrangeiros.

A emissão de vistos turísticos para entrada em Macau é uma medida considerada essencial para revitalizar a economia na capital mundial do jogo que sofreu uma quebra sem precedentes a rondar os 90%, tanto na exploração dos casinos como no número de visitantes.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Ásia & Pacífico

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Covid-19 faz mais um número recorde de mortes num só dia em Portugal

23-01-2021 (16h50)

A covid-19 foi a causa de morte de 274 pessoas em Portugal na sexta-feira, segundo informação hoje da DGS, mais 40 do que o máximo registado na véspera.

Portugal atinge novo máximo diário com 234 mortes de doentes com covid-19

22-01-2021 (17h48)

Portugal somou ontem 234 mortes relacionadas com a covid-19, o maior aumento diário desde o início da pandemia, e 13.987 casos de infecção com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

TAP foi a companhia que mais aumentou a quota do transporte aéreo de passageiros de/para o Brasil em Dezembro

22-01-2021 (17h05)

A TAP atingiu em Dezembro uma quota de 12,5% do transporte aéreo internacional de passageiros de/para o Brasil, em alta de 5,1 pontos relativamente ao mês homólogo de 2019, de acordo com dados da autoridade aeronáutica brasileira (ANAC).

Passageiros de zonas muito perigosas na UE obrigados a teste antes de viagens

22-01-2021 (16h43)

Os líderes europeus decidiram manter abertas as fronteiras internas da União Europeia (UE), mas reforçando as medidas de contenção da covid-19, passando a ser obrigatório que passageiros de novas zonas consideradas muito perigosas tenham de apresentar testes negativos.

Empresas que acederam a incentivo à normalização podem pedir apoio à retoma a partir de Fevereiro

22-01-2021 (16h22)

As empresas que acederam ao incentivo à normalização da actividade podem recorrer, a partir de Fevereiro, ao apoio à retoma, sem terem de devolver os apoios já recebidos, clarificou o Governo.

Opinião e Análise