Noruega suspende desembarques de cruzeiros durante duas semanas após surto em navio

04-08-2020 (15h52)

Foto: Unsplash / Stephane Gestel
Foto: Unsplash / Stephane Gestel

O Governo norueguês anunciou que vai impedir nas próximas duas semanas o desembarque de cruzeiros nos seus portos, após a confirmação de um surto de Covid-19 num navio da companhia Hurtigruten.

A Hurtigruten tinha previamente cancelado de forma indefinida todos os seus cruzeiros após serem detectados 41 casos positivos a bordo do navio "Roald Amundsen", que efectuava a rota ártica entre Tromso e o arquipélago de Svalbard.

“Devemos tomar estas medidas necessárias para interromper a transmissão do contacto na Noruega. E vamos fazê-lo enquanto investigamos o que falhou no surto em Hurtigruten”, disse hoje o ministro da Saúde norueguês, Bent Hoie.

A medida afecta os cruzeiros com mais de 100 pessoas a bordo, mas exclui os restantes barcos.

Trinta e seis tripulantes e cinco passageiros, pertencentes a duas viagens distintas do mesmo barco, foram diagnosticados com o coronavírus responsável pela doença Covid-19 desde que na sexta-feira a Hurtigruten informou a existência de dois casos positivos na sua tripulação.

Quatro membros da equipa permanecem hospitalizados em Tromso desde há três dias, enquanto a restante tripulação permanece isolada no barco.

A Agência de Saúde pública norueguesa notificou há oito dias a companhia de navegação sobre a existência de um caso positivo num passageiro que tinha viajado no "Roald Amundsen" para Svalbard entre 17 e 24 de Julho, mas apesar de as autoridades aconselharem que fossem informados os restantes passageiros, a companhia não acatou a recomendação.

A Hurtigruten alega que desconhecia essa norma, que seguiu as recomendações dos médicos a bordo e que apenas comunicou os casos positivos dos seus tripulantes quando estes ocorreram, e que coincidiram com a chegada ao porto da segunda viagem do "Roald Amundsen", que manteve a mesma tripulação em ambas.

No entanto, a companhia admitiu “falhas” nos procedimentos internos, enquanto as autoridades abriram uma investigação e o Governo, através de Bent Hoie, afirmou que foi quebrada a “confiança” nesta empresa de cruzeiros.

As autoridades tentaram localizar os 386 passageiros das duas viagens para lhes indicar que cumpram uma quarentena, num caso que pode afectar residentes em 69 municípios do país nórdico.

A Noruega, com 5,4 milhões de habitantes, registou até ao momento 9.268 contágios da Covid-19 e 255 mortos, de acordo com os dados oficiais.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Europa

Clique para ver mais: Cruzeiros

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

CCB quer fechar contrato este ano com Mota Engil para hotel e zona comercial

01-10-2020 (16h57)

O Centro Cultural de Belém (CCB) espera assinar ainda este ano o contrato com a construtora Mota Engil, para a construção e exploração de um hotel e zona comercial nos módulos que faltam ao edifício original.

Novo coronavírus já fez mais de 34 milhões de infectados no mundo

01-10-2020 (16h53)

Pelo menos 34.041.560 pessoas foram infectadas em todo o mundo com o novo coronavírus desde que este foi descoberto em Dezembro na China, indica um balanço às 11h00 TMG (12h00 em Lisboa) de hoje da agência France-Presse.

Viajantes para províncias angolanas obrigados a ficar em Luanda pelo menos oito dias

01-10-2020 (16h52)

Os passageiros cujo destino em Angola não seja Luanda são obrigados a cumprir uma quarentena de 8 a 14 dias na capital, em local autorizado pelas autoridades sanitárias, antes de poderem viajar para outras províncias.

África do Sul proíbe entrada de turistas de Portugal por ser de “alto risco”

01-10-2020 (16h43)

Os turistas oriundos de Portugal não vão ser autorizados a entrar na África do Sul, quando o país africano reabrir as fronteiras internacionais na quinta-feira, anunciou o ministro do Interior sul-africano.

Tailândia prolonga estado de emergência até 31 de Outubro

01-10-2020 (16h41)

A Tailândia prolongou até 31 de Outubro o Estado de Emergência decretado para conter a propagação da covid-19.

Opinião e Análise