Concurso Revive do Forte da Ínsua, Caminha, decorre até 6 de Novembro

09-08-2019 (13h08)

Os investidores interessados na concessão do Forte da Ínsua, em Caminha, podem apresentar propostas até 6 de Novembro, de acordo com o concurso público lançado ao abrigo programa Revive, informou a secretaria de Estado do Turismo.

Em comunicado, a secretaria de Estado avançou que o Forte da Ínsua, no distrito de Viana do Castelo, “será concessionado durante 50 anos, para exploração para fins turísticos”.

“O Forte da Ínsua é uma imóvel único, que testemunhou vários séculos da história de Portugal. Dar-lhe novamente vida através do Revive é uma forma de voltar a ter um uso que lhe permitirá sem dúvida ser mais um atractivo ímpar para o posicionamento internacional de Portugal”, diz uma declaração da secretária de Estado do Turismo, Ana Mendes Godinho, citada no comunicado.

O Forte da Ínsua “é uma fortificação marítima abaluartada, com planta estrelada irregular, cuja construção inicial remonta a 1392, por ordem do Rei D. João I. Possui no seu interior um convento, de origem franciscana, erigido na mesma altura, tendo sido ampliado e restaurado nos séculos seguintes”.

“O Forte assumiu a forma actual, com cinco baluartes e revelim, durante a remodelação que ocorreu entre 1649 e 1652, que coincidiu com o período da Guerra da Restauração. Desde 1834, ano de extinção das ordens religiosas, que o Forte da Ínsua foi apenas ocupado pelo Exército, tendo o seu último governador sido nomeado em 1909”, especifica a nota.

Localizado num ilhéu, a Ínsua de Santo Isidro, na foz do Rio Minho, junto à fronteira com Espanha, a acessibilidade ao Forte faz-se de barco.

“No seu interior conta com um poço de água doce, algo raro - só existem outros dois poços de água doce no mar em todo o mundo”, acrescenta a nota.

O Forte da Ínsua “é um dos 33 imóveis inscritos no Revive, um programa conjunto dos ministérios da Economia, Cultura e Finanças com a colaboração das autarquias locais”, que tem como objectivo “valorizar e recuperar o património sem uso, reforçar a atractividade dos destinos regionais e o desenvolvimento de várias regiões do país”, sendo que 12 destes imóveis estão localizados em territórios do interior.

Em Julho, o Governo lançou a segunda edição do Revive, com 15 novos imóveis, sete dos quais no interior.

O concurso público para a concessão do Forte da Ínsua “é o décimo oitavo lançado no âmbito do Revive”. Além deste, “actualmente estão abertos os concursos para a concessão do Mosteiro de Lorvão, em Penacova, e do Castelo de Vila Nova de Cerveira, no Alto Minho”.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Para ler mais clique:

Concurso para concessão do Forte da Ínsua é “formalmente lançado” hoje

 

Clique para mais notícias: Portugal

Clique para mais notícias: Revive

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

TAP marca passo apesar de “interesse público”

10-07-2020 (15h34)

Uma semana depois de o Governo anunciar mudanças de fundo da TAP, entre elas a do CEO da companhia, inerentes ao reforço da sua posição para mais de 70% do capital, ainda nada mudou e é Antonoaldo Neves que continua a comandar a transportadora aérea.

SATA faz balanço "muito positivo" da retoma gradual das operações

10-07-2020 (15h25)

A SATA anunciou que a taxa de ocupação média dos seus voos “rondou os 40%” em Junho, fazendo assim um balanço "muito positivo" da retoma gradual das operações, que estiveram suspensas devido à pandemia da covid-19.

Bestravel leva agentes de viagens à Madeira para “transmitir confiança aos clientes”

10-07-2020 (14h49)

A Bestravel organizou uma viagem à Madeira com dez agentes de viagens para experienciarem “todo o processo que este novo normal implica” e “transmitir confiança aos clientes”.

Portugal “não foi escolhido por acaso” para receber a final da Champions, OMS

10-07-2020 (11h36)

Portugal "não foi escolhido por acaso" para acolher a final da Liga dos Campeões de futebol, mas porque "foi um dos países que melhor lidou" com a covid-19, afirmou um conselheiro da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Turismo aspira a “sobreviver” para “iniciar a recuperação” em 2021, OMT

10-07-2020 (09h54)

O sector do turismo aspira a "sobreviver" para "iniciar a recuperação" em 2021, afirmou Alessandra Priante, directora da Comissão Regional da Europa da Organização Mundial do Turismo (OMT), que prevê uma quebra de pelo menos 70% no turismo internacional face a 2019.

Opinião e Análise