Festa da Flor em Outubro vai assinalar a retoma da “normalidade” na Madeira

12-04-2021 (15h51)

Foto: Unsplash / Marcus Siemens
Foto: Unsplash / Marcus Siemens

O Governo da Madeira prevê que a reabertura total das actividades ocorra em Outubro e agendou para a primeira semana desse mês a realização da Festa da Flor, um dos maiores cartazes turísticos da região.

“O primeiro grande evento e a reabertura, por assim dizer, da normalidade, será a Festa da Flor, que se pretende realizar na primeira semana de Outubro, depois de cerca de 70% da população vacinada”, disse Miguel Albuquerque, presidente do Governo da Madeira.

O governante, que falava à margem da apresentação da nova marca da Madeira (para ler mais clique aqui), reafirmou que as autoridades de saúde preveem vacinar até Setembro 70% da população do arquipélago, com cerca de 260 mil habitantes.

De acordo com os dados mais recentes, já foram administradas cerca de 60.000 doses de vacinas contra a covid-19 na região, que registou no Domingo 310 casos activos de covid-19, num total de 8.599 confirmados desde Março de 2020, e 71 óbitos associados à doença.

"Na primeira semana de Outubro vamos fazer a Festa da Flor nos moldes tradicionais e alguns eventos serão calendarizados nos meses posteriores", disse, realçando que até lá não vai ocorrer nenhum outro certame de grande envergadura.

A Festa da Flor acontece habitualmente em Maio e é um dos maiores cartazes da região, atraindo milhares de turistas e madeirenses ao Funchal, mas a data e o seu figurino foram alterados em 2020 devido às medidas de contenção do novo coronavírus.

Miguel Albuquerque sublinhou que, este ano, o executivo está "optimista" na retoma e num "novo ciclo" no turismo da Madeira.

"Tivemos a pandemia, tivemos a contração desta actividade tão importante para nós, e, neste momento, temos grandes esperanças na retoma e, sobretudo, nos mercados da Alemanha e do Reino Unido", disse, reforçando: "Penso que temos todas as condições para, já no Verão, termos uns bons meses de turismo".

Está em vigor na Madeira até às 23h59 do dia 19 de Abril o recolher obrigatório entre as 19h00 e as 5h do dia seguinte, durante a semana, e entre as 18h e as 5h, aos fins-de-semana e feriados.

As actividades comerciais, industriais e de serviços, tal como a restauração, encerram durante a semana às 18h e aos fins-de-semana às 17h, sendo que o horário de entrega de refeições ao domicílio decorre até às 22h, todos os dias da semana.

 

Clique para ver mais: Madeira

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Vila Galé já tem 14 hotéis abertos em Portugal e nove no Brasil

05-05-2021 (18h15)

O grupo hoteleiro português Vila Galé anunciou hoje que já tem 14 hotéis abertos em Portugal e nove no Brasil, com "um plano muito rigoroso" de limpeza, novos equipamentos de proteção e uma plataforma digital que permite consultar as ementas dos restaurantes, reservar uma mesa e fazer check-in e check-out.

Vila Galé já tem 14 hotéis abertos em Portugal e oito no Brasil

05-05-2021 (16h29)

O grupo hoteleiro português Vila Galé anunciou hoje que já tem 14 hotéis abertos em Portugal e nove no Brasil, com “um plano muito rigoroso” de limpeza, novos equipamentos de proteção e uma plataforma digital que permite consultar as ementas dos restaurantes, reservar uma mesa e fazer check-in e check-out.

Rali de Portugal vai poder ter público

05-05-2021 (15h36)

A edição de 2021 do Rali de Portugal, entre 21 e 23 de Maio, vai poder realizar-se com a presença de público, confirmou hoje à agência Lusa a organização da etapa portuguesa do Mundial de ralis.

LATAM prolonga “bilhetes 100% reembolsáveis” até 31 de Maio

05-05-2021 (15h29)

“Todas as passagens emitidas até 31 de Maio poderão ser 100% reembolsáveis se o seu cliente não voar”, anunciou a companhia aérea LATAM.

Apoio a fundo perdido a empresas ascende a 1.786 milhões de euros nos últimos quatro meses

05-05-2021 (15h22)

O ministro de Estado, da Economia e da Transição Digital, Pedro Siza Vieira, anunciou hoje terem sido pagos 1.786 milhões de euros em apoios a fundo perdido às empresas nos últimos quatro meses.

Opinião e Análise