Gastos dos portugueses em turismo ultrapassam os cem milhões de euros em oito países

21-02-2019 (16h35)

Espanha, França, Reino Unido, Alemanha, Estados Unidos, Bélgica, Itália e Holanda foram os únicos países a somarem mais de cem milhões de euros de gastos turísticos de residentes em Portugal no ano de 2018, de acordo com dados do Banco de Portugal recolhidos pelo PressTUR.

Espanha consolidou no ano passado a liderança dos destinos onde os portugueses mais despendem, o que segundo alguns analistas também reflecte as compras de bens e serviços com preços mais favoráveis sobretudo por parte de populações das regiões fronteiriças.

Os dados recolhidos pelo PressTUR mostram que desde pelo menos 2014 que ‘o trio’ de países com mais gastos turísticos dos portugueses se mantém inalterado, com França, em nº 2, no ano passado com 652,25 milhões de euros em 2018 (+9,2% ou mais 55,07 milhões que em 2017) e Reino Unido em 3º, com 418,88 milhões no ano passado (-0,1% ou menos 0,3 milhões que em 2017).

A Alemanha, com 292,52 milhões de euros (+5,3% ou mais 14,8 milhões), manteve a 4ª posição, alcançada em 2015, quando superou os Estados Unidos, que se mantêm desde então o 5º principal destino, no ano passado com 230,42 milhões de euros (+2,4% ou mais 5,42 milhões que em 2017), e segue-se a Bélgica, com 207,49 milhões (+16,3% ou mais 29,1 milhões).

Em mais nenhum destino foi superada a marca dos 200 milhões de gastos em 2018, tendo a Itália como o que ficou mais próximo, com 192,29 milhões (+21,9% ou mais 34,54 milhões), mantendo portanto a 7ª posição.

Já com menos de 200 milhões, mas ainda com mais de cem milhões, segue-se a Holanda, com 113,07 milhões (+15,8% ou mais 15,45 milhões), que entre 2014 e 2018 subiu sucessivamente de 12º para 8º destino.

O Top10 dos destinos com mais gastos turísticos dos portugueses em 2018 encerra-se com Luxemburgo e Brasil, respectivamente com 96,62 milhões (+16,7% ou mais 13,85 milhões que em 2017) e com 92,82 milhões (-20,5% ou menos 23,98 milhões).

Seguem-se Suíça, com 64,63 milhões de euros  (-1,3% ou menos 0,83 milhões que em 2017), Irlanda, com 51,17 milhões (-11,3% ou menos 6,55 milhões), e, na 13ª posição, Cabo Verde, primeiro destino em África, com 42,18 milhões (+41,8% ou mais 12,43 milhões), seguido por México, nº 1 nas Caraíbas, com 38,17 milhões (+18,8% ou mais 6,03 milhões), e Angola, com 37,2 milhões (-12,5% ou menos 5,3 milhões).

Marrocos foi o 16º destino com mais gastos turísticos dos portugueses em 2018, com 35,54 milhões (+52,3% ou mais 12,2 milhões que em 2017), seguido por Emirados Árabes Unidos, com 33,12 milhões (-0,8% ou menos 0,26 milhões), Grécia, com 30,33 milhões (+20,6% ou mais 5,18 milhões), Áustria, com 28,89 milhões (+12,7% ou mais 3,26 milhões), e África do Sul, com 28,63 milhões (+1,9% ou mais 0,54 milhões).

Ainda com mais de 20 milhões de gastos de turistas portugueses contabilizados pelo Banco de Portugal estiveram no ano passado o Canadá, com 28,33 milhões (-6,2% ou menos 1,88 milhões), e Rússia, com 24,12 milhões (+70,9% ou mais 10,01 milhões).

Seguiu-se um grupo de cinco países com menos de 20 milhões, mas mais de 15 milhões, que inclui Polónia, com 19,63 milhões (+25,4% ou mais 3,97 milhões), Moçambique, com 18,53 milhões (-6,2% ou menos 1,22 milhões), Suécia, com 17,88 milhões (+7,6% ou mais 1,27 milhões), Dinamarca, com 16,81 milhões (+6,5% ou mais 1,03 milhões), e China, com 15,45 milhões (+20,1% ou mais 2,59 milhões).

Com menos de 15 milhões, mas mais de dez milhões estiveram República Checa, com 14,93 milhões (+1,4% ou mais 0,2 milhões), Turquia, com 14,43 milhões (+129,8% ou mais 8,15 milhões), Hungria, com 13,48 milhões (+45,3% ou mais 4,2 milhões), Austrália, com 12,14 milhões (+42,2% ou mais 3,6 milhões), Croácia, com 11,69 milhões (+1,5% ou mais 0,17 milhões), São Tomé, com 11,66 milhões (+72,7% ou mais 4,91 milhões), Índia, com 11,42 milhões (+14,8% ou mais 1,47 milhões), Malta, com 10,57 milhões (+51,9% ou mais 3,61 milhões), Tunísia, com 10,53 milhões (+154,3% ou mais 6,39 milhões), Japão, com 10,45 milhões (+8,7% ou mais 0,84 milhões), Noruega, com 10,32 milhões (-0,6% ou menos 0,06 milhões), e Roménia, com 10,15 milhões (-4,4% ou menos 0,47 milhões).

 

Para ler mais clique:

Espanha já fica com praticamente 30% dos gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro

Gastos dos portugueses em turismo no estrangeiro completam 72 meses consecutivos de aumentos

 

Clique para mais notícias: Balança portuguesa das Viagens e Turismo

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Multiplicação de restrições às viagens mostra que predomina a “descoordenação”, Santos Silva

09-07-2020 (11h13)

O ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, considera que a multiplicação de anúncios de restrições a viagens “só mostra que campeia a descoordenação” e apelou para uma coordenação de medidas “que realmente permitem combater” a pandemia.

Tráfego aéreo gerido pela NAV Portugal cai mais de 50% no 1º semestre

09-07-2020 (11h02)

A NAV Portugal geriu 179.542 voos no primeiro semestre, uma quebra de 54% ou 213,5 mil voos face ao período homólogo do ano passado, devido ao impacto das medidas de contenção da pandemia de covid-19.

Charters para as Caraíbas cancelados em Julho e Agosto

08-07-2020 (18h44)

As praias e resorts das Caraíbas, tanto da Dominicana como do México e de Cuba, que todos os anos atraem milhares de portugueses que viajam com pacotes turísticos, este ano não os vão ter, pelo menos nos meses de ‘pico’ de Verão, pois os voos charter já estão cancelados.

TAP e TAAG anunciam dez voos Luanda-Lisboa em Julho

08-07-2020 (18h04)

As companhias aéreas portuguesa TAP e angolana TAAG vão realizar dez voos em Julho para ligar a capital de Angola, Luanda, que continua sob cerca sanitária devido à covid-19, a Portugal.

Escócia também exclui Portugal dos corredores de viagem que permitem evitar quarentena

08-07-2020 (17h36)

Portugal e Espanha foram excluídos da lista de 39 países isentos de quarentena na chegada à Escócia, a qual inclui França, Alemanha, Grécia, Holanda, entre outros.

Opinião e Análise