Microempresas turísticas em dificuldades excluídas da linha de apoio de 60 milhões de euros

25-03-2020 (14h58)

A linha de apoio à tesouraria de microempresas do turismo afectadas pelos efeitos económicos da pandemia da covid-19 exclui empresas em dificuldade, segundo o despacho do Governo hoje publicado, com efeitos retroactivos.

O despacho hoje publicado, em “Diário da República”, entrou em vigor há uma semana, em 18 de Março, data em que foi assinado pela secretária de Estado do Turismo, Rita Marques, e destina-se nomeadamente a restaurantes, hotéis, parques de campismo e de caravanismo, turismo no espaço rural, empresas de aluguer de veículos ou agências de viagens que tenham menos de 10 trabalhadores efectivos e um volume de negócios anual inferior a dois milhões de euros.

O apoio a estas empresas, que tem de ser reembolsado – sem juros – no prazo de três anos, exclui, no entanto, empresas em dificuldades, que o diploma classifica em três tipos, o primeiro dos quais empresas, com três ou mais anos, se mais de metade do seu capital social subscrito “tiver desaparecido devido a perdas acumuladas”.

O despacho também considera empresas em dificuldade, e excluídas da linha de apoio, as que foram objeto de um processo coletivo de insolvência ou preenchem os critérios para serem submetidas a um processo coletivo de insolvência a pedido dos seus credores.

Por último, o diploma exclui ainda o apoio sempre que uma empresa tiver recebido um auxílio de emergência e ainda não tiver reembolsado o empréstimo ou terminado a garantia, ou se tiver recebido um auxílio à reestruturação e ainda estiver sujeita a um plano de reestruturação.

O despacho define ainda que o apoio financeiro a conceder ao abrigo desta linha reveste a natureza de apoio reembolsável, sem quaisquer juros remuneratórios associados, correspondendo a “750 euros mensais por cada posto de trabalho existente na empresa em 29 de Fevereiro de 2020, multiplicado pelo período de três meses, até ao montante máximo de 20.000 euros”.

Quanto às condições do financiamento, o despacho define que o apoio “é reembolsado no prazo de três anos, a contar da data de celebração do respetivo contrato, incluindo um período de carência correspondente a 12 meses”, e ainda que o reembolso do apoio financeiro concedido “ocorre em prestações de igual montante e com uma periodicidade trimestral”.

O Governo define ainda no despacho que, para garantia do reembolso do apoio financeiro, um dos sócios da microempresa mutuária deve prestar a respetiva fiança pessoal no momento da contratação da ajuda.

As empresas interessadas no apoio devem candidatar-se através de formulário disponível no portal do Turismo de Portugal, que tem um prazo máximo de cinco dias úteis para analisar as candidaturas.

Aquelas a o Turismo de Portugal autorizou o apoio passam a ter novas obrigações: apresentar, em Julho, documento comprovativo da manutenção dos postos de trabalho existentes à data de 29 de fevereiro, cumprir as obrigações legais, designadamente as fiscais, reembolsar o apoio financeiro concedido no prazo contratado, comunicar ao Turismo de Portugal qualquer alteração que coloque em causa os pressupostos de aprovação do apoio e ainda manter a contabilidade organizada de acordo com a lei.

Há uma semana, no dia em que o Presidente da República decretou o estado de emergência, por causa do surto do novo coronavirus, o Turismo de Portugal anunciou o lançamento de um conjunto de medidas para minimizar o impacto da redução da procura na atividade turística devido à covid-19, incluindo a linha de apoio.

(PressTUR com Agência Lusa)

 

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Transavia retoma voos para Lisboa e Faro a 4 de Junho

26-05-2020 (12h35)

A Transavia, low cost do grupo Air France KLM, está a anunciar a retoma a 4 de Junho de voos de Amesterdão para Lisboa e para Faro.

Estado alemão entra para o capital do grupo Lufthansa... mas não para mandar

26-05-2020 (11h57)

O grupo alemão Lufthansa anunciou que já tem a aprovação de um apoio estatal até nove mil milhões de euros, incluindo 4,7 mil milhões em participação societária, que descreve como “silent participation”, ou seja, que não confere o direito de “mandar”, como em Portugal é exigido pelo ministro Pedro Nuno Santos em relação a um eventual apoio à TAP.

Delta adia retoma dos voos Nova Iorque JFK – Lisboa para 16 de Julho

26-05-2020 (11h52)

A Delta Air Lines, segunda maior companhia de aviação do mundo, adiou para 16 de Julho o recomeço dos seus voos entre Nova Iorque JFK e Lisboa, segundo as alterações ao calendário que efectuou na semana passada.

LATAM Brasil programa retomar voos para Lisboa a 17 de Julho

26-05-2020 (10h44)

A LATAM Brasil (antiga TAM), maior companhia de aviação brasileira em voos internacionais e que começou a voar entre o seu hub em São Paulo Guarulhos e Lisboa a 3 de Setembro de 2019, tem programado retomar esta rota a partir de 17 de Julho.

TAP já tem calendário de ‘desconfinamento’ com retoma ‘a sério’ a partir de 1 de Julho

25-05-2020 (15h48)

A operação da TAP só vai realmente ‘descolar' a partir de 1 de Julho, de acordo com o calendário divulgado pela companhia, que mostra ter previsto manter 11 voos por semana até ao fim deste mês, aumentar para 27 no mês de Junho e atingir um total de 247 a partir de 1 de Julho.

Opinião e Análise