Portugal autoriza novos apoios de 1.550 milhões de euros para empresas

20-11-2020 (15h54)

Foto: Markus Spiske / Unsplash
Foto: Markus Spiske / Unsplash

O Banco Português de Fomento autorizou os novos apoios de 1.550 milhões de euros, em subsídios (750 milhões) para pequenas e médias empresas mais afectadas pela covid-19 e em linhas de crédito (800 milhões).

Do total do apoio, 750 milhões de euros são relativos a subsídios a fundo perdido destinado a micro e pequenas empresas dos sectores mais afectados pela crise, de sectores como comércio, cultura, alojamento e atividades turísticas e restauração, com quebras de faturação superiores a 25% registadas nos primeiros nove meses de 2020 e que tenham a situação fiscal e contributiva regularizada, segundo uma notícia da agência Lusa, que cita a autorização dos apoios publicada hoje em Diário da República e com efeitos retroactivos a 5 de Novembro.

Igual verba destina-se a uma linha de crédito para a indústria exportadora, a dinamizar pelo Banco Português de Fomento (BPF), com possibilidade de conversão de 20% do crédito concedido a fundo perdido, em caso de manutenção dos postos de trabalho, sendo o crédito determinado em função do número de postos de trabalho.

O diploma cria ainda uma linha de crédito de 50 milhões de euros para micro, pequenas, médias empresas e Mid Cap de apoio a eventos culturais, festivos, desportivos ou corporativos, com a possibilidade de 20% do crédito concedido ser convertido em crédito a fundo perdido, em caso de manutenção de postos de trabalho, a dinamizar também pelo BPF.

Resultante da fusão de três instituições (a absorção na SPGM - Sociedade de Investimento da PME Investimentos e da IFD - Instituição Financeira de Desenvolvimento), o BPF iniciou formalmente funções no dia 3 de Novembro, com uma equipa de gestão composta por quadros destes vários organismos.

No dia da assinatura do diploma hoje publicado, em 5 de Novembro, o ministro da Economia explicou que os encargos com as medidas são suportados por fundos europeus, sendo o crédito bancário atribuído pelo sistema financeiro com garantia do Estado e que uma parte deste crédito pode também ser convertido a fundo perdido.

No diploma hoje publicado, o Governo comete ao ministro da Economia e da Transição Digital a operacionalização, monitorização e avaliação das medidas, "as quais devem estar em funcionamento até ao dia 31 de Dezembro de 2020".

O Governo, segundo a agência Lusa, defendeu na autorização publicada hoje a necessidade de reforçar os mecanismos de apoio à situação de tesouraria das empresas, "em particular as micro e pequenas empresas, que atuam nos setores mais afetados pelas medidas de restrição à atividade social e económica, que neste mês de novembro foram acentuadas"

Na autorização, o executivo salienta a necessidade de uma "especial atenção" às empresas do sector industrial exportador mais orientado para o sector do consumo, como a fileira da indústria têxtil, do vestuário e calçado e outras associadas, em que "a procura externa também foi negativamente afetada" pelas medidas de confinamento decretados nos mercados de destino.

O diploma lança novos instrumentos de apoio à tesouraria das empresas, como apoios directos sob a forma de subsídios destinados a micro e pequenas empresas de sectores particularmente afectados pelas medidas excepcionais aprovadas no contexto da pandemia, bem como apoios directos a empresas industriais fortemente exportadoras e a fornecedores de serviços e bens específicos para apoio a eventos culturais, festivos, desportivos ou corporativos, sob a forma de crédito garantido pelo Estado, com possibilidade de conversão parcial em crédito a fundo perdido mediante a manutenção dos postos de trabalho.

Esta medida pretende garantir um apoio imediato à liquidez, eficiência operacional e saúde financeira de curto-prazo daquelas empresas, e é cumulável com as outras medidas de apoio à economia, nomeadamente o apoio à retoma progressiva ou as demais linhas de crédito com garantia pública.

Os novos apoios ficam sujeitos à verificação de determinadas condições de elegibilidade, como a de as empresas beneficiárias terem situação líquida positiva a 31 de Dezembro de 2019, e a determinadas obrigações, como a de não distribuição de fundos aos sócios ou a restrição à promoção de efectuar despedimentos colectivos e de extinguir postos de trabalho por motivos económicos.

 

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Empresas&Negócios

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Cabo Verde Connect prevê ter 54 mil lugares no mercado nos próximos seis meses

03-12-2020 (19h12)

A Cabo Verde Connect Services, que ontem realizou o seu primeiro voo Lisboa – Praia com 26 passageiros na ida e 38 na volta, perspectiva operar 54 mil lugares em voos de/para Cabo Verde nos próximos seis meses.

Evelop e Orbest vão passar a ser uma só marca: Iberojet

03-12-2020 (16h07)

As companhias aéreas Evelop e Orbest, do Grupo Ávoris, vão passar a operar sob uma única marca em Portugal e Espanha, a Iberojet, que vai deixar de ser a designação do operador turístico online do grupo.

Portugal soma mais 68 mortos e 3.384 pessoas infectadas com o novo coronavírus

02-12-2020 (17h30)

Portugal contabilizou ontem mais 68 mortos relacionados com a covid-19 e mais 3.384 pessoas infectadas com o novo coronavírus, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Passageiros aéreos não podem ser considerados como de alto risco de propagação da covid-19

02-12-2020 (16h46)

As novas recomendações europeias para os passageiros aéreos indicam que estes não devem ser considerados como de alto risco de propagação da covid-19, e salientam que as medidas em vigor na aviação minimizam os riscos.

Dormidas de portugueses subiram em Outubro no Algarve com a Fórmula 1

02-12-2020 (15h46)

O Algarve conseguiu a única variação positiva de dormidas no alojamento turístico português durante o mês de Outubro, nas pernoitas de turistas residentes em Portugal, que o INE atribui à realização do Grande Prémio de Portugal de Fórmula 1, que se disputou no Autódromo do Algarve, em Portimão, no final do mês.

Opinião e Análise