Recolher obrigatório na Madeira entra em vigor hoje

13-01-2021 (12h22)

O arquipélago da Madeira vai ter entre hoje e 31 de Janeiro recolher obrigatório de segunda a sexta-feira entre 19h00 e as 5h e a suspensão das aulas presenciais no 3º ciclo e no secundário.

As medidas, que foram aprovadas na segunda-feira pelo Governo Regional da Madeira, inserem-se no âmbito do combate à pandemia da covid-19.

O executivo regional decidiu, igualmente, manter em vigor o recolher obrigatório aos fins-de-semana entre as 18h e as 5h, anunciado na semana passada.

Numa declaração feita na segunda-feira aos jornalistas, o presidente do Governo da Madeira, Miguel Albuquerque, justificou as novas restrições com o aumento do número de casos da covid-19 nos últimos dias, associado à variante do vírus detetada no Reino Unido, que colocou alguns concelhos da região em situação de risco elevado.

Miguel Albuquerque indicou que o recolher obrigatório, bem como o novo horário de encerramento das actividades económicas e a suspensão das aulas presenciais, entre outras medidas de contenção da covid-19, vão estar em vigor entre as 00h00 do dia 13 de Janeiro (hoje) e as 23h59 do dia 31 de Janeiro.

O governante explicou, após reunião extraordinária do Conselho do Governo, que nos fins-de-semana e feriados a interdição de circular na via pública é entre as 18h e as 5h, medida já aprovada para os dias 9 e 10 de Janeiro e 16 e 17 de Janeiro.

Todas as actividades industriais, comerciais e de serviços passam a encerrar às 18h durante a semana e às 17h nos fins-de-semana e feriados municipais.

O Governo da Madeira decidiu, por outro lado, suspender as aulas presenciais para os alunos do 3º ciclo e do ensino secundário em todas as escolas da Região Autónoma da Madeira entre quarta-feira e 31 de Janeiro.

Miguel Albuquerque esclareceu, entretanto, que o novo horário de funcionamento das actividades comerciais não se aplica às farmácias, clínicas e consultórios médicos e veterinários, serviços de oxigénio e gases medicinais ao domicílio e postos de abastecimento de combustível só para abastecimento de veículos.

O governante indicou ainda que todos os estabelecimentos de jogos de fortuna ou azar, casinos, bingo ou similares devem encerrar às 17h nos fins-de-semana de 16 e 17, 23 e 24 e 30 e 31 de Janeiro.

 

Clique para ver mais: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

AHP classifica de “absurdo” manter hotéis abertos sem poderem prestar serviços

15-01-2021 (17h52)

O presidente da AHP - Associação da Hotelaria de Portugal considera “lamentável” que, vistas as limitações impostas, o Governo não tenha decretado o encerramento dos hotéis para que pudessem aceder ao regime de lay-off simplificado.

Quebra de passageiros no Aeroporto de Lisboa em 2020 atingiu 21,9 milhões

15-01-2021 (16h24)

O Aeroporto de Lisboa, que em 2019 se debatia com falta de capacidade para tanto tráfego, em 2020, com a pandemia de covid-19, teve uma quebra para uns escassos 9,26 milhões de passageiros, pouco mais do que teve só no Verão de 2019 (9,19 milhões).

Hospitais em Portugal já têm mais de 4.500 internados com covid-19

15-01-2021 (16h23)

Os hospitais em Portugal nunca tiveram tantos doentes internados com covid-19 como esta quinta-feira, com 4.560, incluindo 622 em unidades de cuidados intensivos.

Quebra de tráfego aéreo de/para Portugal agravou-se no quarto trimestre de 2020 para 77%

15-01-2021 (15h51)

O quarto trimestre, que já por si é um período de época baixa da aviação no Hemisfério Norte, no ano passado até foi de agravamento da quebra induzida pela pandemia de covid-19, com o decréscimo der passageiros nos aeroportos portugueses geridos pela ANA/Vinci a situar-se 7,4 pontos acima da quebra média no ano.

Governo vai reabrir linha de crédito com garantia do Estado de 400 milhões de euros

15-01-2021 (13h27)

O Governo vai reabrir a linha de crédito com garantia do Estado para as empresas mais afectadas pelo novo confinamento, disponibilizando para já 400 milhões de euros, disse o ministro de Estado e da Economia, Siza Vieira.

Opinião e Análise