TAP, Ryanair e easyJet começam 2021 com quebra de 2,3 milhões de passageiros

19-02-2021 (17h40)

As três maiores companhias em passageiros transportados de/para aeroportos portugueses, TAP, Ryanair e easyJet, transportaram no primeiro mês deste ano menos dois milhões de passageiros nessas rotas que em Janeiro de 2020, pré ‘explosão’ da pandemia de covid-19.

Dados da ANAC, autoridade aeronáutica portuguesa, consultados pelo PressTUR indicam que todas tiveram quebras superiores a 70%, e que a Ryanair foi mesmo a que teve a quebra mais forte, em 84,3%, representando um decréscimo de 560 mil passageiros.

A TAP, maior companhia nos aeroportos portugueses, porém, não ficou longe, com uma quebra em 79,9%, que traduz uma quebra de 1,22 milhões de passageiros.

Na easyJet, incluindo tanto a easyJet Europe quanto a easyJet Suíça, a quebra foi de 72,8% ou 186 mil passageiros.

Os dados recolhidos pelo PressTUR permitiram ver que a TAP manteve-se líder, com uma quota de mercado de 37,7%, seguida pela Ryanair, com 15,6%, e easyJet, com 10,4%.

A Transavia France manteve-se em Janeiro a 4ª maior companhia em passageiros transportados de/para Portugal, com 40,3 mi, seguida pela SATA Internacional, com 20,3 mil, Lufthansa, com 18,8 mil, Air France, com 18,7 mil, SATA Air Açores, com 17 mil, Swiss, com 13,6 mil, KLM, com 12,6 mil, e Iberia, com 10,1 mil.

Os dados da ANAC permitiram ainda calcular que, relativamente ao primeiro mês de 2020, a Transavia France teve uma quebra em 44,1% ou 31,6 mil, a SATA Internacional teve -61,9% ou menos 36,6 mil, a Lufthansa teve -69,9% ou menos 44,1 mil, a Air France teve -54% ou menos 22,2 mil, a SATA Air Açores teve -55,8% ou menos 21,9 mil, a Swiss teve -51,8%, a KLM teve -49,4% e a Iberia teve -83,8%.

Os mesmos dados mostram que só Air France e Air Europa tiveram aumentos de passageiros em Janeiro relativamente a Dezembro, em 14,7% e em 10,3%, respectivamente, e a Ryanair foi a que teve a quebra mais forte, em 39,2%, seguida pela easyJet Europe, com -37,7%.

A TAP teve decréscimo de 15,7%, a Transavia France teve -23,4%, a easyJet Suíça teve -13,9%, a SATA Internacional teve -3,3%, a Lufthansa teve -2,5%, a SATA Air Açores teve -9,2%, a Swiss teve -12,9%, a KLM teve -29,1% e a Iberia teve -14,6%.

Para ler mais clique:

Transporte aéreo de passageiros em Portugal começa 2021 com queda de tráfego em 81,5%

Aeroportos portugueses perderam quase 19 mil voos e 3,2 milhões de passageiros em Janeiro

 

Clique para mais notícias: Aviação

Clique para mais notícias: Portugal

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Portugal tem “tudo pronto” para retomar actividades B2B nos mercados emissores, SET

26-02-2021 (18h40)

A secretária de Estado do Turismo (SET), Rita Marques, afirmou hoje que Portugal tem “tudo pronto” para, "muito proximamente", voltar a participar nas feiras de turismo e para retomar as actividades B2B nos mercados.

Eduardo Jesus destaca “utilidade prática” das parcerias com a APAVT na chegada de turistas à Madeira

26-02-2021 (18h04)

O secretário de Turismo e Cultura da Madeira, Eduardo Jesus, enalteceu hoje a “utilidade prática” das parcerias com as agências de viagens portuguesas, designadamente no aumento das chegadas de turistas à Madeira, como aconteceu em 2016 quando a região foi Destino Preferido da APAVT, e que este ano repete.

Destinos de proximidade serão os primeiros a beneficiar da retoma das viagens este ano, APAVT

26-02-2021 (17h24)

“Há um desejo enorme” e “capacidade económica das famílias portuguesas” para voltar a viajar este ano, defende o presidente da APAVT, Pedro Costa Ferreira, que prevê que os destinos de proximidade serão os primeiros a beneficiar da retoma.

Fronteiras com Espanha permanecem fechadas até 16 de Março

26-02-2021 (16h46)

O controlo de pessoas nas fronteiras entre Portugal e Espanha vai manter-se até 16 de Março devido à pandemia, e passam a existir mais dois pontos de passagem autorizada em Ponte da Barca e Vinhais.

Amadeus revela quebra de 472,8 milhões de reservas de voos por agências de viagens

26-02-2021 (16h12)

A pandemia de covid-19 provocou uma quebra astronómica de reservas aéreas de agências de viagens de viagens, como evidencia o maior sistema global de reservas (GDS), o Amadeus, que revelou ter registado em 2020 uma quebra que atinge os 472,8 milhões.

Ultimas Noticias

Opinião e Análise