Presidente da Boeing reconhece responsabilidade nos acidentes mortais com 737 Max 8

30-10-2019 (22h14)

Foto: Trinity Moss / Unsplash
Foto: Trinity Moss / Unsplash

O presidente executivo da Boeing, Dennis Muilenburg, reconheceu esta quarta-feira perante o Congresso americano a sua responsabilidade e a da empresa nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia.

"A minha empresa e eu somos responsáveis e sabemos que temos de melhorar", declarou Dennis Muilenburg, afirmando que aprendeu com os erros trágicos e que está disposto a prestar contas.

Tal como tinha feito na terça-feira perante o Senado, o presidente da Boeing pediu desculpa aos familiares das vítimas do acidentes de aviação, presentes na sala da audiência.

Muilenburg enfrentou as críticas de vários elementos da Comissão dos Transportes e das Infraestruturas da Câmara dos Representantes, que consideraram a situação inaceitável e exigiram respostas.

O presidente executivo da Boeing já tinha admitido na terça-feira perante o Senado norte-americano que a empresa cometeu erros nos acidentes mortais com aviões do modelo 737 Max 8 na Indonésia e na Etiópia (clique para ler: Boeing admite "erros" nos acidentes mortais dos 737 Max perante o Senado dos EUA).

Foi a primeira vez que a Boeing reconheceu no Congresso norte-americano ter cometido erros que estiveram na origem dos acidentes que resultaram na morte de centenas de pessoas e que custaram milhares de milhões de dólares à empresa com sede em Chicago, nos Estados Unidos.

Os testemunhos do presidente executivo da Boeing no Congresso norte-americano ocorrem exactamente um ano depois do acidente de um avião 737 Max 8 da companhia aérea indonésia Lion Air, que provocou 189 mortos, incluindo todos os passageiros e tripulantes.

Cinco meses depois, um avião do mesmo modelo da Ethiopian Airlines caiu em circunstâncias semelhantes, causando a morte de 157 pessoas.

Desde então, todos os Boeing 737 Max 8 foram retirados de circulação em todo o mundo.

Uma investigação indonésia concluiu que a queda do voo da Lion Air se deveu a uma combinação de falhas no projecto do aparelho, na formação dos pilotos e na manutenção.

O relatório final do acidente, divulgado em 25 de Outubro, refere que o voo 610 da Lion Air, que ligava a capital da Indonésia à ilha de Sumatra, caiu porque os pilotos nunca foram informados sobre como responder rapidamente a falhas no sistema de controlo automatizado do jato Boeing 737 Max 8.

O avião mergulhou no mar de Java apenas 13 minutos após levantar voo, em 29 de outubro de 2018.

Segundo o Comité Nacional de Segurança em Transportes da Indonésia, o sistema automatizado, conhecido como MCAS, contava com um único sensor de “ângulo de ataque” que fornecia informações erradas, empurrando automaticamente o nariz do avião para baixo.

(PressTUR com Agência Lusa)

Ver também:

Boeing tem “esperança” que aviões 737 MAX voltem a voar ainda este ano

Clique para ver mais: Boeing

Clique para ver mais: Aviação

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

António Costa desafia britânicos a passar férias em segurança no Algarve

03-07-2020 (21h01)

O primeiro-ministro, António Costa, desafiou os britânicos “a passar umas férias em segurança no Algarve”, destacando que a região portuguesa tem menos infecções de covid-19 por 100 mil habitantes que o Reino Unido.

TAP informa mercado sobre acordo de princípio entre Estado e privados

03-07-2020 (19h02)

A TAP informou hoje o mercado, através de um comunicado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), do acordo de princípio atingido esta quinta-feira à noite entre os privados e o Estado, para viabilizar a empresa.

Frasquilho avisa que próximos tempos na TAP serão difíceis, mas superados

03-07-2020 (18h57)

O presidente do Conselho de Administração da TAP, Miguel Frasquilho, alertou os trabalhadores numa mensagem a que o PressTUR teve acesso que os próximos tempos serão difíceis, mas serão superados “com alguns sacrifícios”.

Reino Unido declara Açores e Madeira destinos seguros, mas mantém quarentena obrigatória no regresso

03-07-2020 (18h06)

O Reino Unido anunciou hoje que Açores e Madeira deixaram de representar “um risco inaceitavelmente alto” para os viajantes britânicos, no mesmo dia em que revelou que Portugal está fora da lista de países para onde os ingleses podem viajar sem ter de cumprir 14 dias de quarentena no regresso.

Inglaterra exclui Portugal dos corredores de viagem que permitem evitar quarentena

03-07-2020 (16h07)

Portugal foi excluído dos "corredores de viagem internacionais" com destinos turísticos que Inglaterra vai abrir para permitir aos ingleses passarem férias sem cumprir quarentena no regresso, foi hoje confirmado.

Opinião e Análise