“Regresso” dos operadores turísticos europeus prosseguiu em 2018

21-01-2019 (18h16)

Os operadores turísticos europeus atingiram 55,5 mil milhões de euros de reservas brutas em 2018, com um aumento em 4%, de acordo com a consultora Phocuswright, que conclui que o segmento dos operadores turísticos europeus continuou o seu “regresso” no ano passado.

A informação divulgada pela consultora especializada em turismo diz que devido ao custo relativamente alto e à complexidade dos pacotes de férias os operadores são ‘empurrados’ para as reservas offline, tendo a mais fraca penetração online de todos os segmentos na Europa.

Porém, acrescenta, os canais online estão a ganhar “tracção” na medida em que os operadores turísticos crescentemente se focam em melhorar e promover as suas plataformas digitais.

A previsão da Phocuswright é, assim, que em 2022 a penetração do online atinja os 37%.

A consultora afirma que os operadores turísticos tradicionais enfrentam concorrência crescente em várias frentes, especificando que as OTAs (do inglês para agências de viagens online) continuam a melhorar as suas plataformas de pacotes dinâmicos, permitindo aos clientes ‘montar’ os seus pacotes de férias.

A Phocuswright assinala ainda que os operadores enfrentam também concorrência cresce por parte de fornecedores, “especialmente hotéis e companhias aéreas”, que estão a ampliar as suas estratégias de operação turística, apontando como exemplo o recente anúncio pela easyJet de quer tornar a sua easyJet Holidays numa grande empresa pan-europeia.

A informação, porém, nada refere sobre a recente ‘capitulação’ da Ryanair Holidays (para ler mais clique: Ryanair volta a capitular na tentativa de concorrer com agências de viagens na venda de pacotes turísticos).

A informação da Phocuswright diz que é em parte por estes desafios que o ‘panorama’ da operação turística na Europa está em transformação, citando os exemplos do colapso da Monarch Holidays no Reino Unido em 2017 e, em França, a integração da Vacances Transat na TUI, a aquisição da Voyages FRAM pela Karavel-Promovacances e o desaparecimento da Kuoni France, bem como, em Itália, em Abril 2018, a aquisição da Eden Viaggi pela Alpitour, que assim reforçou a liderança do mercado, atingindo uma quota de cerca de 25%.

A Phocuswright declara que, no entanto, prevê que o sector da operação turística europeu mantenha o ritmo de crescimento de 2018 “por vários anos, à medida que o sector estabiliza”.

 

Clique para mais notícias: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

AHP propõe à Booking que aceite protelar devolução de dinheiro de reservas canceladas

29-05-2020 (19h13)

A AHP – Associação da Hotelaria de Portugal anunciou ter proposto à Booking, maior agência online em venda de estadas na hotelaria, que leve em conta as suas dificuldades de tesouraria e aumentem os prazos de devolução das reservas canceladas pela covid-19.

Croácia reabre fronteiras de forma plena para 10 países da UE

29-05-2020 (18h43)

A Croácia reabriu hoje as fronteiras, de forma plena, para os cidadãos de 10 países da União Europeia (UE), numa tentativa de retomar a actividade turística, sector fundamental para a economia croata e fortemente atingido pela actual pandemia.

Passageiros numa ilha dos Açores com destino final outra deixam de ter de seguir viagem em 24 horas

29-05-2020 (18h35)

Os passageiros que se encontrem numa ilha dos Açores que não seja a do seu destino final deixam de estar obrigados a seguir viagem até 24 horas após a sua chegada, anunciou o presidente do Governo Regional.

Governo adia levantamento de algumas restrições na Área Metropolitana de Lisboa

29-05-2020 (18h25)

O primeiro-ministro anunciou hoje que o Governo decidiu adiar para a Área Metropolitana de Lisboa o levantamento de restrições decretadas para travar a expansão da covid-19.

SATA retoma ligações entre Lisboa e os Açores a 15 de Junho

29-05-2020 (18h24)

A Azores Airlines, do grupo SATA, vai retomar a 15 de Junho as ligações aéreas entre Lisboa e Ponta Delgada e Lisboa e a Terceira, bem como entre o Funchal e Ponta Delgada.

Opinião e Análise