Royal Caribbean vai crescer na Europa “sustentada na qualidade”, Francisco Teixeira

12-06-2019 (13h09)

Foto: Melair Cruzeiros
Foto: Melair Cruzeiros

A oferta de cruzeiros da Royal Caribbean no Mediterrâneo nos próximos dois a três anos talvez não “cresça muito em quantidade, mas cresce com certeza em qualidade”, avançou Francisco Teixeira, director da Melair, empresa que representa a companhia de cruzeiros em Portugal.

“Já temos os itinerários de 2021 fechados, mas daí para a frente em termos de Mediterrâneo crescerá em quantidade, mas sustentada na qualidade, com navios novos, maiores e com outra dinâmica de oferta”, como os navios das classes Oasis, Quantum e Icon, especificou Francisco Teixeira, em declarações aos jornalistas após uma apresentação ontem em Lisboa, a bordo do Independence of the Seas

Para 2021, 2022 e 2023, a oferta da Royal Caribbean vai posicionar-se “muito naquilo que é hoje a oferta do Symphony of the Seas”, que é actualmente o navio da companhia mais procurado pelos portugueses para viagens nas Caraíbas (clique para ler: Symphony of the Seas “é uma experiência de férias” – Francisco Teixeira).

Mas tudo dependerá da conjuntura económica dos mercados emissores, porque a Royal Caribbean posiciona os navios “onde tem melhores condições de negócio”, acrescentou, apontando como exemplo que a Royal Caribbean chegou a ter previsto “ter dois navios à saída de Inglaterra e afinal vai ter só um”.

Em Portugal “estamos dependentes da oferta que temos e isso faz-nos promover muito as Caraíbas”, frisou o executivo.

As vendas da companhia no mercado português são equilibradas entre Caraíbas e Mediterrâneo. “Num ano em que temos um navio novo em Barcelona, se calhar o Mediterrâneo ultrapassa [as Caraíbas] em grande escala. Nos anos em que não temos, o Mediterrâneo continua a ser o destino mais procurado, mas com uma margem muito curta em relação às Caraíbas”, explicou o director da Melair.

A companhia também tem vindo a apostar na Ásia, com “navios dedicados à China”, outros mais “em Hong Kong e Singapura, que são mais internacionais”, com itinerários que incluem o Japão, entre outras ofertas.

“O Alasca também é um mercado que retomámos um pouco, mas já tivemos números muito maiores há uns anos, porque o preço médio é muito superior em relação ao que era há cinco/seis anos”, acrescentou ainda Francisco Teixeira.

Clique para continuar a ler:

Melair desafia agentes de viagens a propor cruzeiros à saída de Porto Rico


 

Clique para ver mais: Cruzeiros

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Clique para ver mais: Portugal

Clique para ver mais: Melair

Clique para ver mais: Royal Caribbean

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Ryanair vai recomeçar 110 rotas de/para Portugal entre 21 de Junho e inícios de Agosto

28-05-2020 (15h30)

A Ryanair, maior low cost a operar em Portugal, já definiu a retoma de 110 rotas de/para aeroportos portugueses a partir de 21 de Junho, 49 das quais no Aeroporto do Porto, 31 em Faro, 26 em Lisboa e quatro nos Açores.

Primeiro-ministro cauciona ‘golpe’ na TAP

28-05-2020 (15h28)

O primeiro-ministro António Costa elogiou a posição assumida ontem pelo Conselho de Administração da TAP, caucionando assim a invasão por este órgão da área da gestão operacional da companhia, que devia ser competência exclusiva da comissão executiva presidida por Antonoaldo Neves.

Hoti Hotéis reabre nove hotéis a 5 de Junho

28-05-2020 (15h11)

O Grupo Hoti Hotéis, que tem 18 unidades hoteleiras em Portugal, anunciou que vai reabrir nove hotéis no dia 5 de Junho e tem previsto abrir mais dois até ao final de Junho.

Brasil somou mais de mil mortos e 20 mil infectados com o novo coronavírus em 24 horas

28-05-2020 (14h49)

O Brasil registou 1.086 mortes e 20.599 infectados pelo novo coronavírus nas últimas 24 horas, estando ainda a ser investigada a eventual relação de 4.108 óbitos com a covid-19, informou hoje o executivo.

Estados Unidos ultrapassaram as 100 mil mortes por covid-19

28-05-2020 (14h45)

Os Estados Unidos da América (EUA) ultrapassaram hoje as 100 mil mortes associadas ao novo coronavírus, número de óbitos que é significativamente superior ao de qualquer outro país, anunciou a Universidade Johns Hopkins, em Baltimore, Maryland.

Opinião e Análise