Situação pandémica melhora na Tunísia e OMS pede para acelerar vacinação

03-08-2021 (15h07)

A situação pandémica está a melhorar ligeiramente na Tunísia, anunciou a Organização Mundial da Saúde (OMS), pedindo àquele país do norte de África que “acelere” a campanha de vacinação, após o pico de infecções por covid-19 ter passado.

“Os dados epidemiológicos estão a ir na direção certa. […] Temos a sensação de que o pico da pandemia pode ter passado”, explicou o representante da OMS na Tunísia, Yves Souteyrand, demonstrando cautela.

De acordo com Yves Souteyrand, citado pela Agência Lusa, a variante Delta representa ainda “mais de 90% dos casos de infeção” e o impacto das reuniões familiares organizadas durante a Festa do Sacrifício, “Eid al-Adha”, ainda não foi possível se avaliado, mas corre o risco de impedir o progresso da vacinação.

A Tunísia registou nos últimos sete dias a pior taxa de mortalidade do mundo devido à covid-19, com 10,64 mortes por 100 mil habitantes, segundo a contabilização da agência de notícias AFP, elaborada a partir de dados oficiais.

No entanto, a OMS especifica que Tunes partilha a informação relativa à pandemia de forma muito mais transparente do que outros países.

Com hospitais saturados, falta de oxigénio e vacinas, o país magrebino tem beneficiado de doações de todo o mundo, nos últimos dias.

Segundo Yves Souteyrand, a Tunísia “recebeu cerca de sete milhões de doses de vacinas, em 10 dias, e vai receber talvez [mais] dois ou três milhões” em breve. “O desafio é acelerar a campanha de vacinação”, realçou.

O Presidente tunisino, Kais Saied, tomou o poder, depois de ter suspendido o parlamento na passada quarta-feira, uma medida denunciada como um golpe pelos seus opositores.

Saied assumiu plenos poderes em 25 de Julho, suspendeu o parlamento por pelo menos 30 dias e afirmou pretender “salvar” o país do Magrebe, 11,7 milhões de habitantes, assolado por meses de bloqueios políticos e um novo pico de covid-19, com uma das piores taxas de mortalidade oficiais do mundo.

Desde então, Kais Saied criou uma unidade de crise dedicada à gestão da pandemia, que coordena as atividades de vários ministérios, com a supervisão de um oficial militar sénior.

“Qualquer medida que permita uma resposta multissectorial […] para enfrentar uma crise deve ter um impacto positivo”, comentou Yves Souteyrand.

De acordo com o responsável da OMS, as relações entre a organização da Organização das Nações Unidas (ONU) e o Ministério da Saúde “não estão afectadas pela crise política”.

A OMS ofereceu 400 concentradores e quatro geradores de oxigénio à Tunísia.

Hoje, o Ministério da Saúde tunisino anunciou o lançamento de uma campanha de vacinação móvel em várias regiões do país.

Clique para ver mais: África

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Turismo do Porto e Norte inaugura tela de promoção ao Douro no Aeroporto Francisco Sá Carneiro

14-01-2022 (14h57)

O Turismo do Porto e Norte inaugura hoje uma tela gigante no exterior da sua loja no Aeroporto Francisco Sá Carneiro com uma "imagem poderosa do Douro Vinhateiro".

ONU melhora crescimento em África em 2021 para 3,8% e estima 4% este ano

14-01-2022 (11h26)

O Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais (UNDESA) melhorou a estimativa de crescimento para as economias africanas, antevendo uma expansão de 3,8% no ano passado e uma aceleração para 4% este ano.

Hong Kong proíbe trânsito de passageiros aéreos de 153 países, Portugal incluído

14-01-2022 (11h22)

O aeroporto de Hong Kong anunciou hoje a proibição do trânsito de passageiros de mais de 150 países a partir de Domingo, Portugal incluído, de forma a evitar a propagação da covid-19.

Turismo em África só regressa aos níveis pré-pandémicos em 2024 - ONU

14-01-2022 (11h18)

O Departamento das Nações Unidas para Assuntos Económicos e Sociais (UNDESA) alertou que o regresso dos turistas ao nível registado antes da pandemia de covid-19 só deverá acontecer "muito possivelmente" em 2024.

ONU melhora projeção de crescimento mundial para 4% este ano

14-01-2022 (11h13)

As Nações Unidas estimam que a economia mundial cresça 4% em 2022 e 3,5% em 2023, depois de uma expansão de 5,5% em 2021, mostrando-se mais otimista face ao anterior relatório, segundo previsões divulgadas.

Opinião e Análise