Durga Puja, um festival de cores, luzes e música na Índia

05-06-2019 (17h02)

Um festival que celebra a vitória do bem sobre o mal, que atrai milhões de pessoas de diferentes religiões e castas ao Este da Índia, um evento de luz, cor e música, assim foi apresentado ontem em Lisboa o Durga Puja.

Em Calcutá, uma das cidades onde é celebrado, “as pessoas vivem para o festival, preparam-no ao longo de dez meses”, realçou Jaydeep Mukherjee, presidente do operador turístico indiano Meghdutam Travels, numa apresentação para agentes de viagens, na Casa de Goa, em Lisboa.

Nos dias do festival, que este ano decorre entre 4 e 8 de Outubro, a cidade transforma-se numa galeria ao ar livre, com mais de 5.000 pandals, que são estruturas feitas por cada comunidade com recurso a diferentes materiais, decoradas e coloridas para homenagear a deusa Durga.

A deusa guerreira é representada em esculturas e gravuras com vários braços, geralmente montada em cima de um leão, a derrotar o demónio Mahishasura. É essa vitória do bem sobre o mal que é celebrada no festival.

Além de homenagear Durga, o festival é considerado uma plataforma de expressão artística da população, uma vez que cada estrutura ou pandal tem associada uma mensagem social ou cultural.

No último dia, as estátuas são depositadas nas águas do rio Ganges, consideradas sagradas, um momento emotivo em que as pessoas choram, batem palmas e pedem a Durga que volte no ano seguinte, segundo descreveram na apresentação três participantes de edições anteriores.

Jaydeep Mukherjee, do operador turístico Meghdutam Travels, tem viajado por vários países com a sua família para promover o Durga Puja. Ontem, em Lisboa, fez a sua primeira apresentação em Portugal, propondo aos agentes de viagens dois programas completos.

Os pacotes de sete noites para assistir ao festival em Calcutá apresentam preços por pessoa em quarto duplo desde 2.050 euros, incluindo voos de ida e volta à partida de Lisboa, transferes, alojamento, refeições, entrada nos pandals, um espectáculo cultural, um cruzeiro no Ganges, uma excursão em Calcutá e um guia em inglês.

O operador também tem um programa de 13 noites que, além do festival em Calcutá, inclui visitas a Delhi, Agra, Jaipur, Khajuraho e Varanasi, a partir de 3.100 euros por pessoa em quarto duplo.

Para ver aceder ao site do operador turístico clique aqui.

 

Clique para ver mais: Promoções

Clique para ver mais: Índia

Clique para ver mais: Ásia&Pacífico

Clique para ver mais: Agências&Operadores

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Mira de Aire tem um novo museu para visitar “uma época de ouro do têxtil em Portugal”

26-05-2020 (16h05)

A freguesia de Mira de Aire, em Porto de Mós, tem um novo espaço para visitar, o MIAT - Museu Industrial e Artesanal do Têxtil, uma proposta para descobrir "uma época de ouro do têxtil em Portugal".

Louvre recebeu mais de 10 milhões de visitas virtuais em 71 dias

25-05-2020 (11h17)

O museu do Louvre, em Paris, que ampliou a sua oferta online durante o confinamento imposto devido à pandemia de covid-19, recebeu 10,5 milhões de visitas virtuais neste período.

Aqueduto das Águas Livres e Reservatório da Mãe d'Água reabrem ao público

21-05-2020 (16h51)

Os espaços museológicos do Museu da Água da EPAL Aqueduto das Águas Livres e Reservatório da Mãe d'Água reabrem ao público no dia 23 de Maio, seguindo as orientações da DGS.

NOS Alive adiado para 2021 com Da Weasel como primeira confirmação

20-05-2020 (10h50)

A 14.ª edição do festival de música NOS Alive foi adiada, em consequência da pandemia de covid-19para os dias 7 a 10 de Julho do próximo ano e já tem confirmada a banda Da Weasel como primeiro nome do cartaz.

Museu da Guarda reabre com medidas de segurança e higienização

19-05-2020 (15h11)

O Museu Regional da Guarda reabriu hoje as portas ao público com medidas de segurança, proteção e higienização, para evitar a contaminação pela covid-19.

Opinião e Análise