Santiago do Cacém recebe Festival da Enguia da Lagoa de Santo André

24-01-2020 (13h37)

Foto: Junta de Freguesia de Santo André
Foto: Junta de Freguesia de Santo André

Evento vai ter nove restaurantes aderentes

A 6ª edição do Festival da Enguia da Lagoa de Santo André começa hoje, sexta-feira 24 de Janeiro, e vai decorrer até 9 de Feveiro, com um calendário alargado em sete dias dias em relação à edição anterior devido à “grande afluência de público”.

“A enguia é uma iguaria exclusiva de algumas zonas do país e temos o privilégio de ter este produto muito enraizado na zona litoral do concelho, sendo apreciada por muitas pessoas que procuram os restaurantes para provar a enguia que é apanhada apenas em dois períodos do ano”, realçou à agência Lusa o presidente da Câmara de Santiago do Cacém, Álvaro Beijinha.

O 6.º Festival da Enguia da Lagoa de Santo André, promovido pelo município de Santiago do Cacém, convida “a embarcar numa aventura” gastronómica e a “apreciar os melhores pratos confeccionados com uma magnífica iguaria” que remete para a “célebre pesca tradicional” da enguia.

“Temos a melhor enguia do país e talvez do mundo, porque é capturada num ex-líbris ambiental, a Lagoa de Santo André, que tem o patamar mais elevado de protecção ambiental. Daí ser um produto de excelência, que é trabalhado com as mãos e a sabedoria da nossa restauração local”, sublinhou o autarca.

A novidade do festival deste ano é o aumento do número de dias, que passa de 10 para 17, justificado pela “grande afluência de público”, em 2019, aos restaurantes aderentes à iniciativa, que se realiza até 9 de fevereiro na costa de Santo André, no litoral alentejano.

“O festival tem vindo a crescer de ano para ano, cada vez com mais afluência, e, pelo 'feedback' que temos dos restaurantes, foi-nos colocada a possibilidade de alargar o número de dias e assim apanhar três fins de semana, que são as alturas de grandes enchentes. Pensamos que é um ganho para o festival e para os restaurantes”, explicou.

A enguia que é criada e capturada na Reserva Natural das Lagoas de Santo André e da Sancha é confeccionada e servida de diversas formas na restauração local.

Entre as propostas contam-se enguias fritas com açorda alentejana (“açorda d'alho”), com migas verdes ou com batata-doce, em ensopado ou de caldeirada, de cataplana, de escabeche e grelhadas “à bulhão pato” com arroz de coentros.

Outra das apostas da câmara passa pela promoção turística do concelho, uma vez que, no entender do autarca, a mostra gastronómica “projecta o município e promove a própria lagoa que é um ex-líbris ambiental”.

(PressTUR com Agência Lusa)

Clique para ver mais: Gastronomia

Clique para ver mais: Cá Dentro

Share
Tweet
+1
Share
Comentários
Escrever comentário

Outras Notícias

Fundação Eugénio de Almeida reabre Enoturismo, Enoteca e Cafetaria

18-05-2020 (17h55)

A Fundação Eugénio de Almeida, sediada em Évora, reabre hoje o Enoturismo Cartuxa, a Enoteca Cartuxa e a Cafetaria do Páteo de São Miguel com novas medidas de higiene e segurança.

Restaurantes já podem pedir selo “Clean & Safe” a partir de hoje

15-05-2020 (13h11)

A atribuição do selo “Clean & Safe”, já disponível para alojamentos turísticos e agências de viagens, vai ser alargada aos estabelecimentos de restauração que podem requerê-lo a partir de hoje, disse à Lusa o secretário de Estado do Comércio.

Associação pede classificação da sopa da pedra como Especialidade Tradicional Garantida

14-05-2020 (15h55)

A Associação de Restaurantes de Sopa da Pedra quer a denominação da "Sopa da Pedra de Almeirim" como Especialidade Tradicional Garantida (ETG).

Vila Galé disponibiliza take away em Coimbra e Évora

07-04-2020 (17h58)

O grupo Vila Galé está a alargar o seu serviço de take away, que já estava disponível no Porto e em Lisboa, aos hotéis Vila Galé Coimbra e Vila Galé Évora.

Vila Galé mantém tradição de Páscoa em modo take away

06-04-2020 (12h02)

O grupo Vila Galé vai acrescentar um menu de Páscoa, com cabrito ou bacalhau como opções para prato principal, ao seu serviço de take away em Lisboa, Porto, Coimbra e Évora.

Opinião e Análise